Blog Saída de Rede http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br Reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Fri, 06 Dec 2019 01:34:02 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Sada Cruzeiro bate Al-Rayyan e encara Zenit na semi do Mundial de clubes http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/05/sada-cruzeiro-bate-al-rayyan-e-encara-zenit-na-semi-do-mundial-de-clubes/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/05/sada-cruzeiro-bate-al-rayyan-e-encara-zenit-na-semi-do-mundial-de-clubes/#respond Fri, 06 Dec 2019 01:34:02 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19320

Equipe brasileira jogou apenas o primeiro set com os atletas titulares (Foto: Divulgação/FIVB)

Sem maiores dificuldades, o Sada Cruzeiro derrotou o Ay-Rayyan, do Catar, em sua terceira partida no Mundial masculino de clubes de vôlei, que está sendo disputado em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Ao término do duelo, o placar marcava 3 sets a 0, parciais de 25-20, 25-16 e 25-17.

O resultado, aliado à vitória do Zenit Kazan sobre o Lube Civitanova apenas no tie-break no primeiro jogo da noite (parciais de 12-25, 23-25, 25-12, 25-20 e 15-10) fazem que as equipes brasileira e russa passassem à semifinal respectivamente na segunda e terceira colocações. Assim, elas voltam a se encontrar no sábado (7), em duelo programado para 14 horas (horário de Brasília). Depois, às 17 horas, o Civitanova, dos brasileiros Bruno e Leal, tenta confirmar seu favoritismo diante do Al-Rayyan, que é comandado por Carlos Schwanke, assistente de Renan Dal Zotto na seleção.

E mais:

 Voleicast: quais as chances do Sada Cruzeiro no Mundial de clubes?

Em grande jogo, Praia perde de time chinês e é eliminado do Mundial feminino

A despeito de um rápido equilíbrio no início da partida, quando dependeu excessivamente do ponta canadense Gordon Perrin, o Sada não demorou a se encontrar e mostrar seu domínio contra a equipe com elenco menos estrelado da competição. Com o jogo encaixado, a partir do segundo set o técnico Marcelo Mendez resolveu dar ritmo aos jogadores do banco de reservas, que corresponderam às expectativas e asseguraram a vitória tranquila.

Em termos individuais, o destaque ficou com os centrais Otávio e Cledenílson “Pingo”, com dez pontos cada. Pelo lado do Al-Rayyan, o brasileiro Marcus Vinícius colocou 11 bolas no chão.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

]]>
0
Em grande jogo, Praia peca nos detalhes e perde a segunda no Mundial http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/05/em-grande-jogo-praia-peca-nos-detalhes-e-perde-a-segunda-no-mundial/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/05/em-grande-jogo-praia-peca-nos-detalhes-e-perde-a-segunda-no-mundial/#respond Thu, 05 Dec 2019 14:36:35 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19299

Nesta quinta-feira (5), o Praia Clube voltou a perder no Mundial de Clubes (Fotos: Divulgação/FIVB)

Foi um grande duelo. O primeiro set contra o chinês Tianjin deu a impressão de que o Dentil Praia Clube construiria uma história diferente daquela escrita pelo compatriota e rival regional Itambé Minas no Mundial de Clubes feminino. Contudo, mesmo sem a estrela Ting Zhu, que sentiu uma lesão no punho e deixou a quadra na terceira parcial, o time asiático impediu a primeira vitória do time brasileiro na competição.

Para tanto, se valeu da eficiência da ótima Yingying Li, uma jovem ponteira em ascensão, que ajudou a equipe a superar o Praia de virada no tie-break (parciais de 25-21, 25-19, 22-25, 16-25 e 16-14) na manhã desta quinta-feira (5), no Centro Olímpico de Shaoxing (China).

Com o segundo resultado negativo, a equipe mineira acabou eliminada do Mundial, já que o seu próximo adversário, o italiano Novara, já está garantido nas semifinais, com dois triunfos – sobre o mesmo Tianjin e o VakifBank. Já a equipe chinesa ainda tem chances de classificação.

O time de Paulo Coco fez uma primeira parcial muito boa, jogando de igual para igual contra o Tianjin. Com volume e aproveitamento satisfatório nos contra-ataques, a equipe mostrou evolução também na virada de bola, fundamento em que ficou muito aquém no confronto de estreia contra o turco VakifBank. Destaque para a dominicana Martínez, improvisada na entrada, e para a norte-americana Fawcett.

Lesionada, Zhu deixou a partida no final do terceiro set

Contudo, algumas escolhas equivocadas da levantadora Claudinha e os erros cometidos pela equipe na reta final do set favoreceram o adversário que ainda contou com o excelente trabalho de Ting Zhu tanto no ataque quanto no bloqueio (a estrela chinesa marcou 9 pontos somente nesta parcial, mostrando serviço no ataque, no bloqueio, no passe e na defesa).

Mas o jogo do Praia começou a desandar a partir da segunda etapa. Além de continuar falhando em momentos decisivos, a equipe apresentou um baixo aproveitamento no bloqueio. Mais desatento no sistema defensivo, o conjunto uberlandense não resistiu por muito tempo. Já adversário, com o seu habitual volume, jogou solto e sem pressão em casa.

Vale ressaltar, ainda, a eficiência do bloqueio chinês, do ataque e o saque que castigou a linha de passe brasileira, impedindo uma distribuição equilibrada da levantadora Claudinha. Já o serviço praiano, por outro lado, se mostrou inofensivo e pouco incomodou a recepção rival.

As comandadas de Paulo Coco reagiram e ganharam a primeira parcial no Mundial a partir da retomada do bom nível mostrado no começo do duelo. Mais ligado no sistema defensivo e com inspirado desempenho de Martinez e Fawcett no sideout – vale pontuar, ainda, o crescimento da ponteira Fernanda Garay -, a equipe passou a errar menos e sacar melhor.

E mais:

Voleicast: o equilíbrio de forças no Campeonato Mundial de Clubes feminino

Contudo, é importante mencionar que a saída da ponta Ting Zhu na reta final do set acabou sendo determinante também para a queda de rendimento do adversário de modo geral, uma vez que a campeã olímpica estava desequilibrando a partida em todos os fundamentos.

Assim, com Ting Zhu fora, o Tianjin ficou mais frágil (somente no ataque, a queda foi expressiva, com o rival vencendo por 15 a 8). Sem ter nada com isso, o time mineiro melhorou significativamente e manteve o padrão da parcial anterior. Quanto colocado no Mundial passado, o grupo ainda cresceu no bloqueio, amortecendo a maioria das bolas do ataque adversário. A linha de passe também esteve menos vulnerável e mais organizada.

As equipes seguiram trocando pontos no tie-break. Instável no ataque, a norte-americana Destinee Hooker também acabou substituída no começo do set decisivo. O Praia, entretanto, não conseguiu aproveitar as oportunidades que teve no sideout, e acabou pecando nos detalhes, permitiu a virada chinesa. A reviravolta na partida também passou pelo rendimento da jovem ponteira Li, de 19 anos, que assumiu a responsabilidade e virou bolas muito importantes na reta final.

Braylein Martinez foi a maior pontuadora do jogo com 24 pontos, seguida por Fernanda Garay, que fez 20. Fawcett marcou 16. No lado chinês, Li, Zhu e Hooker marcaram 23, 19 e 17 vezes, respectivamente.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter:@saidaderede

 

]]>
0
Sada luta, mas é derrotado por Civitanova, de Leal e Bruno, no Mundial http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/04/sada-luta-mas-e-derrotado-por-civitanova-de-leal-e-bruno-no-mundial/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/04/sada-luta-mas-e-derrotado-por-civitanova-de-leal-e-bruno-no-mundial/#respond Thu, 05 Dec 2019 02:19:48 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19292

Levantador da seleção brasileira, Bruno Rezende atua pelo Civitanoca no voleibol de clubes (Foto: Divulgação/FIVB)

Em duelo de bom nível disputado na noite desta quarta-feira (4), o Lube Civitanova bateu o Sada Cruzeiro pela segunda rodada da fase classificatória do Mundial masculino de clubes. Jogando no ginásio Divino Braga, em Betim (MG), o time italiano fez 3 sets a 0, parciais de 25-23, 30-28 e 25-15.

Embalado pela boa vitória sobre o Zenit Kazan, da Rússia, na estreia do torneio, o Sada tentou utilizar a mesma tática, com saques eficientes para quebrar a linha de recepção rival e surpreender os atuais campeões europeus. O Civitanova, porém, não só segurou a pressão como respondeu com a mesma arma, dificultando a vida dos donos da casa, que ainda foram capazes de equilibrar as ações nos dois primeiros sets, antes de perderem completamente a concentração na terceira parcial, a mais tranquila de todas.

Ao todo, o Civitanova conseguiu nove pontos oriundos em aces, cinco a mais que os donos da casa – três deles foram feitos por dois velhos conhecidos da torcida cruzeirense, o ponteiro Leal (dois pontos de saque) e o central Simon. No reencontro contra sua ex-equipe, os dois jogadores nascidos em Cuba receberam algumas vaias, mas, no geral, foram tratados com muito respeito pelos torcedores brasileiros.

E mais:

Voleicast: quais as chances do Sada Cruzeiro no Mundial de clubes?

Minas perde a segunda e é eliminado do Mundial feminino

O bloqueio também foi um fator fundamental para a vitória do Civitanova, que marcou dez pontos no fundamento, contra apenas três dos brasileiros. Individualmente, o central polonês Mateusz Bieniek foi o grande destaque do jogo, com 16 pontos (oito de ataque, quatro de saque e quatro de bloqueio), enquanto Leal colocou 14 bolas no chão, Simon seis e o levantador brasileiro Bruno Rezende outras três. Pelo lado do Cruzeiro, a maior pontuação ficou com o oposto Evandro (15 pontos), seguido pelo ponteiro canadense Gordon Perrin (13).

Com uma vitória e uma derrota, o Sada Cruzeiro volta à quadra às 20h30 (horário de Brasília) desta quinta-feira (5) para encarar o Al-Rayyan, do Catar – apesar de teoricamente ser o time mais fraco do campeonato, a equipe árabe quase complicou a vida do Zenit Kazan no início da noite desta quarta (4), perdendo por 3 a 1 (21-25, 25-20, 25-23 e 25-21).

A equipe russa, aliás, será a próxima adversária do invicto Civitanova, em duelo programado para 18 horas. Vale lembrar que o Mundial masculino de clubes 2019 é disputado apenas por estas quatro equipes, de forma que a fase classificatória serve apenas para a definição das semifinais, que serão jogadas no sábado (7).

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

]]>
0
Eczacibasi joga melhor e impõe segundo revés ao Minas no Mundial de Clubes http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/04/eczacibasi-joga-melhor-e-impoe-segundo-reves-ao-minas-no-mundial-de-clubes/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/04/eczacibasi-joga-melhor-e-impoe-segundo-reves-ao-minas-no-mundial-de-clubes/#respond Wed, 04 Dec 2019 10:28:35 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19267

A ponteira Natália ajudou o Eczacibasi a bater o Minas, seu ex-time, nesta quarta-feira (4) no Mundial de Clubes (Fotos: Divulgação/FIVB)

O Itambé Minas está eliminado do Mundial de Clubes feminino. Depois de ter sido superado pelo chinês Guandong Evergrande na estreia, o time jogou a sua sobrevivência no torneio nesta quarta-feira (4), em Shaoxing, na China. E no reencontro com o Eczacibasi, poderosa equipe turca que o septeto mineiro venceu na semifinal da competição no ano passado, chegando à decisão, quem se deu melhor foi o conjunto europeu.

Comandado pelo brasileiro Marco Aurélio Motta, o time venceu o adversário em sets diretos, com parciais de 25-17, 25-23 e 25-16. E para dar o troco no vice-campeão mundial, o atual líder do campeonato turco ainda contou com a colaboração de alguém muito especial: a ponteira Natália, uma das jogadoras mais importantes do elenco minastenista na exitosa temporada 2018/2019. Vale destacar que o jogo já era de vida ou morte também para o Eczacibasi, uma vez que estreou com derrota por 3 a 1 para o italiano Conegliano.

Com o resultado negativo, o Minas passou a depender de uma derrota do forte Conegliano para o Evergrande para seguir vivo no torneio. Contudo, as italianas não vacilaram e se garantiram na semi, batendo o time da Ásia em sets diretos, parciais de 25-16, 25-22 e 25-21. O destaque da partida foi a oposta Paola Egonu, que pontuou 19 vezes. A ponta norte-americana Kimberly Hill foi a segunda maior pontuadora com 15 acertos.

Em relação ao jogo do Minas contra o Eczacibasi, diferentemente da performance instável na recepção no confronto de estreia, o representante brasileiro mostrou mais regularidade no fundamento contra o adversário. A entrada da ponta Kasiely no lugar da norte-americana Deja McClendon acabou sendo determinante para essa estabilidade. Com o passe nas mãos, a levantadora Macris conseguiu variar mais a distribuição, alternando com jogadas rápidas de primeiro tempo e pelas extremidades.

E mais:

Para Nicola Negro, será difícil Minas repetir façanha do Mundial 2018

Ouça no Voleicast: quais são as chances do Brasil no Mundial de Clubes feminino?

Assim, com ótimo volume de jogo, a equipe animou a sua torcida, jogando praticamente de igual para igual com o rival até a metade do primeiro set. Foi aí que a oposta sérvia Boskovic desequilibrou a parcial com o seu excelente saque viagem. Entretanto, não foi apenas o reconhecido potencial ofensivo do adversário que deu a vitória ao europeu. Os 8 erros (6 de saque) do Minas acabaram sendo determinantes para o desfecho da parcial.

O jogo seguiu lá e cá até o final da etapa subsequente. Com a levantadora Bruninha em quadra no lugar de Macris, a equipe melhorou, mantendo o padrão de jogo e a continuidade com boas coberturas de defesa. Só que o Minas, além de não render tanto na virada de bola, ainda desperdiçou contra-ataques importantes ao longo da parcial que gerariam uma boa vantagem para a equipe brasileira. Um pecado que não poderia ter sido cometido diante de um rival tão qualificado.

Remontado para esta temporada, Minas segue com muitos problemas ofensivos pelas pontas

Com Sheilla na saída de rede, o campeão brasileiro começou a terceira parcial de maneira arrasadora, abrindo 8 a 2 no placar. No entanto, a ótima vantagem foi dissipada com facilidade pelo oponente, que se utilizou do saque – especialmente da oposta Boskovic e da ponta Kim – para minar o passe mineiro e do sideout. A partir de uma sequência impressionante no serviço da sul-coreana, o Eczacibasi virou para 15 a 9.

Assim, bastante abalado, o esquadrão minastenista se perdeu completamente no ataque – terminando esta última parcial com apenas 6 pontos no fundamento contra 12 do adversário – e no bloqueio, em que perdeu por 5 a 0. A maior pontuadora do jogo foi Boskovic, com 21 bolas no chão, seguida da ponteira Kim, que fez 12. Natália contribuiu com 9 pontos.

No Minas, a maior pontuadora foi a central Thaísa, campeã mundial por Osasco em 2012 e pelo mesmo Eczacibasi em 2016. Ela marcou 8 pontos, o mesmo número de acertos da ponteira Kasiely. Carol Gattaz apareceu em seguida com 7. A venezuelana Acosta colaborou com 5 no confronto inteiro.

*Atualizado às 11h25

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

]]>
0
Sada Cruzeiro saca muito e faz 3 a 0 no Kazan na estreia do Mundial http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/sada-cruzeiro-saca-muito-e-faz-3-a-0-no-kazan-na-estreia-do-mundial/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/sada-cruzeiro-saca-muito-e-faz-3-a-0-no-kazan-na-estreia-do-mundial/#respond Wed, 04 Dec 2019 01:11:13 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19261

Diante de sua torcida, Sada Cruzeiro teve atuação de altíssimo nível na estreia do Mundial (Foto: Divulgação/FIVB)

O que fazer quando, do outro lado da rede, estão alguns dos principais atacantes do voleibol mundial? Pois, na noite desta terça-feira (3), o Sada Cruzeiro deu a resposta: impedi-los de jogar através de um poderoso saque que, além de pressionar as ações ofensivas, ainda rendeu oito importantes pontos diretos para sua equipe.

Foi assim que a equipe mineira estreou com vitória na edição 2019 do Campeonato Mundial masculino de clubes, realizado em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte. Diante da poderosa equipe russa do Zenit Kazan, o time celeste fez 3 sets a 0, parciais de 25-20, 25-20 e 25-22.

Em busca do tetracampeonato mundial no comando do Sada, o técnico Marcelo Mendez montou uma excelente estratégia de serviço, valendo-se da vulnerabilidade de Maxim Mikhaylov na linha de passe e do excesso de exposição dos líberos, especialmente Valentin Golubev. Além disto, contou com uma noite inspirada do oposto Evandro, do central Isac e do levantador Fernando Cachopa, que fizeram excelentes passagens pelo saque ao longo do confronto.

É preciso ainda destacar que, se a recepção do Zenit foi um problema, o canadense Gordon Perrin e o argentino Facundo Conte fizeram um excelente trabalho neste aspecto pelo lado do Cruzeiro, permitindo que Cachopa tivesse, em diversos momentos, várias opções de ataque para driblar o forte bloqueio russo.

Assim, o oposto Evandro foi o maior pontuador da equipe, com 16 pontos, seguido por Isac, com 10. Pelo Zenit, Mikhaylov colocou 12 bolas no chão, contra 10 de Sokolov e 9 de Ngapeth e Volvich.

Substituto do consagrado treinador Vladimir Alekno, que não veio ao Brasil devido a uma lesão na coluna, o ex-líbero Alexey Verbov tentou diversas táticas para acabar com o domínio brasileiro na saque, como apelar ao líbero reserva Valentin Krotov e até mesmo colocando o oposto búlgaro Tsvetan Sokolov na linha de passe. Na base da raça, a equipe russa até deu sinais de reações no terceiro set, mas a inversão 5-1, com a entrada de Rodriguinho e Luan Weber em quadra, fez o Cruzeiro reagir e fechar o jogo em parciais diretas.

Após o excelente resultado, o Cruzeiro terá outro grande desafio pela frente: o Lube Civitanova, atual campeão europeu e italiano, em partida programada para esta quarta (04), às 20h30 (horário de Brasília), novamente em Betim. Mais cedo, às 18 horas, o Zenit Kazan tenta a recuperação contra o Al-Rayyan, time do Catar que perdeu para os italianos por 25-16, 25-18 e 25-13. Vale lembrar que, devido ao fato de o Mundial contar com apenas clubes, a fase classificatória vale apenas para a definição dos cruzamentos da semifinal, que serão disputadas na tarde de sábado (7).

]]>
0
Deficientes no ataque, Praia e Minas estreiam com derrota no Mundial http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/deficientes-no-ataque-praia-e-minas-estreiam-com-derrota-no-mundial/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/deficientes-no-ataque-praia-e-minas-estreiam-com-derrota-no-mundial/#respond Tue, 03 Dec 2019 11:18:02 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19236

A oposta Brayelin Martínez foi o destaque ofensivo em um Praia Clube que pouco produziu na estreia do Mundial (Fotos: Divulgação/FIVB)

Na madrugada desta terça-feira (3), o Dentil Praia Clube não teve uma estreia feliz no Mundial de Clubes feminino 2019. Em sua segunda participação na história da competição, o time de Uberlândia (MG) enfrentou, em partida válida pelo grupo B, em Shaoxing (China), o tricampeão (atual bi consecutivo) VakifBank, da Turquia.

E, apesar do espírito de luta, a equipe não conseguiu se encontrar para fazer frente ao poderio ofensivo do time mais vitorioso do vôlei feminino nos últimos anos. Assim, acabou batido em sets diretos, com parciais de 27-25, 25-20 e 25-20. Na outra chave, o Itambé Minas, com os mesmos problemas no ataque, também acabou superado pelo chinês Guandong Evergrande por 3 sets 1 (25-22, 28-26, 23-25 e 25-22).

Apesar da primeira parcial apertada, o time de Uberlândia, na verdade, fez um jogo de recuperação no começo do confronto. Quarto lugar no Mundial passado, o representante brasileiro começou muito mal a partida. Teve imensa dificuldade no ataque – para se ter uma ideia, praticamente só a oposta dominicana Brayelin Martínez virou bolas, tanto que fez 11 pontos no set de abertura -, e também demonstrou fragilidade na recepção do saque turco.

Tudo começou a mudar, no entanto, a partir da metade do set. Com um serviço mais agressivo, as brasileiras passaram a testar a linha de passe do atual campeão mundial. E foi através do fundamento que o conjunto mineiro desfez a diferença imposta pelo adversário desde o começo da partida. Na reta final da parcial, porém, um erro da arbitragem, assinalando uma condução inexistente da levantadora Claudinha, e o excesso de erros do Praia – 9 ao total, especialmente de saque – acabaram dando a vitória ao esquadrão europeu.

As comandadas de Paulo Coco iniciaram o segundo set novamente tendo que correr atrás no placar, pecando na recepção e no sideout. Destaque bastante negativo para as ponteiras Pri Daroit e Fernanda Garay, que somaram apenas 3 e 2 pontos de ataque, respectivamente, nas duas primeiras parciais.

Sem ter com quem dividir a responsabilidade no ataque, a oposta Martínez seguiu sendo o desafogo da levantadora Claudinha. Já do lado turco quem brilhou foi a jovem sueca Isabelle Haak, que contou com o auxílio da ponta brasileira Gabi e da meio de rede sérvia Rasic para abrir 2 a 0 com tranquilidade.

O jogo do tetracampeão europeu seguiu bem mais distribuído do que o do rival brasileiro na terceira e última etapa. Tranquila e com ótima leitura do adversário para a armação, a levantadora Ognjenovic forçou bolas de primeiro tempo mesmo quando não tinha o passe A nas mãos. O VakifBank também se sobressaiu nos bloqueios, marcando 9 pontos neste fundamento contra 5 do oponente.

Do outro lado, identificando a deficiência no sideout, o técnico Paulo Coco deslocou Martínez para a entrada de rede e lançou a americana Fawcett à quadra. Entretanto, a estratégia não surtiu o efeito esperado, e o VakifBank fechou o duelo em 3 a 0.

As opostas Haak e Martínez foram os destaques com 22 pontos cada. Pelo lado europeu, Gabi somou 12 e as centrais Rasic e Gunes anotaram 11 cada. Já no time brasileiro, a oposta Fawcett, que entrou somente no terceiro set, colaborou com 8 bolas no chão. A meio de rede Carol teve 7 acertos.

E mais:

Voleicast: quais são as chances dos times brasileiros no Mundial de Clubes feminino?

Fernanda Garay elogia força do Praia e diz que acredita em pódio no Mundial

Para Nicola Negro, técnico do Minas, será difícil o Minas repetir a façanha do Mundial 2018

O Minas também foi derrotado pela Guandong Evergrande nesta terça-feira (3)

No grupo A, jogando no Centro Olímpico de Shaoxing, o Minas também teve uma estreia muito difícil contra o Guangdong Evergrande. Mostrando a mesma insegurança na recepção – especialmente com as pontas McClendon e Acosta – que vem apresentando neste começo de temporada no Brasil, o time ainda ficou devendo demais na virada de bola.

Assim, quem acabou fazendo a diferença no sideout na primeira parcial foi a oposta Bruna Honório, que se virou bem nas bolas altas quando acionada pela levantadora Macris na saída de rede. Ela também teve um papel importante no saque, recolocando a equipe belo-horizontina – que via o rival disparar no marcador – na disputa do set.

Do outro lado da quadra, a russa Kosheleva, que viveu uma temporada 2018/2019 bem abaixo enquanto esteve no Sesc-RJ por conta dos problemas físicos, exibiu ótima forma e foi a responsável pela vantagem aberta pelo Evergrande. A ponteira virou a maioria das bolas do selecionado chinês – 10 no total somente na primeira etapa.

O time liderado pelo italiano Nicola Negro ensaiou uma reação na segunda parcial. Mais regular no sideout, também passou a conjugar melhor a relação bloqueio-defesa. Ao total, foram 10 pontos marcados neste fundamento. Contudo, o time da casa rapidamente se recuperou, contando com a excepcional atuação de Kosheleva.

O confronto, no entanto, mudou a partir do terceiro set. A inversão 5-1 com a levantadora Bruninha e a oposta Sheilla – campeã mundial também em 2012 – fez o Minas mudar a forma de atuar. A equipe reverteu uma vantagem de 15 a 9 a favor do adversário e apresentou mais consistência ofensiva e tática.

A atacante bicampeã olímpica colocou 9 bolas no chão somente nesta parcial, comandando a vitória mineira. A líbero Leia, que se machucou enquanto buscava uma bola nas placas de publicidade, permaneceu em quadra e fez defesas importantes. Com o triunfo, a equipe brasileira “respirou”, evitando o triunfo chinês em sets diretos.

Com as titulares de volta à quadra na quarta parcial, o time, contudo, não conseguiu manter a mesma continuidade e voltou a pecar na virada de bola em momentos decisivos. Apesar de não ter deixado o rival desgarrar no placar, a equipe minastenista ainda cometeu erros (26 em todo o confronto), especialmente no sistema defensivo, que acabaram favorecendo o triunfo chinês.

Como imaginado, a maior pontuadora no duelo foi Kosheleva, com 28 acertos. Rabadzhieva apareceu logo em seguida com 15 acertos. No time brasileiro, destaque para Bruna Honório, com 15 e Sheilla, que marcou 14. Thaísa e Carol Gattaz, que têm sido bolas de segurança da levantadora Macris nos jogos da Superliga, apareceram com 10 e 6 acertos, respectivamente.

Com as derrotas, as duas equipes farão jogos de vida ou morte na segunda rodada. Nesta quarta-feira (4), o Minas encara o Eczacibasi, de Natália, que foi derrotado pelo o Conegliano por 3 a 1 (25-20, 25-22, 22-25 e 25-21) na estreia. Já o Praia Clube enfrenta, na quinta (5), o chinês Tianjin, de Ting Zhu.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

 

]]>
0
Voleicast: quais são as chances do Cruzeiro no Mundial de clubes masculino? http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/02/voleicast-quais-sao-as-chances-do-cruzeiro-no-mundial-de-clubes-masculino/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/02/voleicast-quais-sao-as-chances-do-cruzeiro-no-mundial-de-clubes-masculino/#respond Mon, 02 Dec 2019 16:07:22 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19229

O renovado Sada Cruzeiro busca o tetracampeonato no Mundial de Clubes (Foto: Agênciai7/Sada Cruzeiro)

Assim como em 2013, 2015 e 2016, o Divino Braga, em Betim (MG), será palco do Mundial de Clubes masculino de vôlei, a partir desta terça-feira (3). Cidade fundamental para a consolidação do projeto do Sada Cruzeiro, equipe multicampeã que ganhou os três títulos do torneio jogando no ginásio, Betim receberá partidas entre algumas das maiores equipes do mundo.

Além do representante brasileiro, campeão Sul-Americano, a competição terá a participação de adversários do naipe do italiano Lube Civitanova e do russo Zenit Kazan, atual campeão e vice-campeão da Champions League. O quarto time na disputa será o catari Al-Rayyan, treinado por Carlos Schwanke, assistente de Renan Dal Zotto na seleção brasileira.

De acordo com o regulamento, as quatro equipes vão se enfrentar dentro do mesmo grupo. As semifinais serão disputadas entre primeiro e quarto colocados, além do segundo contra o terceiro. Os vencedores avançam à final e os perdedores decidem o terceiro lugar.

Contudo, quais são as chances do Cruzeiro na competição? O tradicional clube brasileiro é favorito na briga pelo tetracampeonato? Este é o tema do 15º episódio do Voleicast, o podcast de vôlei do Saída de Rede.

Veja também:

Para o técnico Marcelo Mendez, o Mundial será um grande desafio para o Cruzeiro

Voleicast: quais são as chances dos times brasileiros no Mundial de Clubes feminino?

Fernanda Garay elogia força do Praia e diz que acredita em pódio no Mundial

Para Nicola Negro, será difícil Minas repetir o feito do Mundial 2018

As jornalistas Carolina Canossa e Janaina Faustino analisam as mudanças pelas quais o hexacampeão nacional passou nas últimas temporadas, levando em consideração a saída de atletas renomados, como o armador William Arjona, hoje no Sesi-SP, o ponteiro Leal e o meio de rede Simon – atuais estrelas do Civitanova, ao lado levantador Bruno -, além do líbero Serginho.

Passando por um processo de reconstrução com a chegada de novos jogadores, como o ponta argentino Conte e o canadense Perrin, avaliamos que a equipe treinada por Marcelo Mendez, embora possa surpreender atuando em um campeonato curto no caldeirão de Betim, não desfruta atualmente do mesmo favoritismo dos arquirrivais europeus.

As jornalistas comentam, ainda, a queda inesperada do tricampeão mundial na edição 2018, já como um reflexo dessa reformulação iniciada em 2016. Para quem não se recorda, a Raposa decepcionou e, pela primeira vez em sua história, não conseguiu passar da primeira fase, sendo derrotado pelo polonês Asseco Resovia e pelo tradicional Trentino, da Itália, que se sagraria pentacampeão mais tarde.

É só apertar o play abaixo:

Também é possível ouvir o Voleicast no seu celular através dos principais agregadores de podcast do mercado, caso do Spotify, Google Podcasts, Podcasts da Apple, Breaker e PocketCasts.

E você, concorda com as jornalistas? Na sua opinião, o Cruzeiro é favorito à conquista do tetracampeonato mundial? Diga o que acha através da caixa de comentários abaixo, na nossa fanpage no Facebook, no nosso Twitter, no nosso Instagram ou pelo e-mail saidaderede@uol.com.br. Você também pode aproveitar a oportunidade para dar sugestões, fazer críticas ou até mesmo elogiar o Voleicast.

]]>
0
Marcelo Mendez: “O Mundial será um desafio muito grande para o Sada” http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/02/marcelo-mendez-o-mundial-sera-um-desafio-muito-grande-para-o-sada/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/12/02/marcelo-mendez-o-mundial-sera-um-desafio-muito-grande-para-o-sada/#respond Mon, 02 Dec 2019 09:00:09 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19221

Sada Cruzeiro, de Marcelo Mendez, se garantiu no Mundial ao vencer o Sul-americano (Foto: Divulgação/FIVB)

Betim é sinônimo de sucesso para o Sada Cruzeiro: nas três vezes que a cidade da região metropolitana de Belo Horizonte recebeu o Mundial de clubes de vôlei masculino, o time celeste se sagrou campeão. E é justamente lá, mais precisamente no ginásio Divino Braga, que o clube mineiro espera conquistar o tetracampeonato na edição 2019 do torneio, que será disputada entre esta terça-feira (3) e domingo (8).

Único representante brasileiro na competição, o Sada sabe que não terá vida fácil: do outro lado da quadra estarão adversários do porte do Lube Civitanova (Itália) e Zenit Kazan (Rússia), respectivamente campeão e vice-europeu, além do Al-Rayyan (Catar), que é comandado por Carlos Schwanke, assistente de Renan Dal Zotto na seleção brasileira.

“Vamos enfrentar os melhores jogadores das maiores equipes do mundo. Será um desafio muito grande para nossa equipe, neste momento em que reconstruímos um grupo”, comentou o técnico do Sada, Marcelo Mendez, em entrevista ao Saída de Rede.

E mais:

– Voleicast: quais são as chances do Brasil no Mundial de Clubes feminino?

– Fernanda Garay elogia força do Praia e acredita em pódio no Mundial

– Para Nicola Negro, será difícil Minas repetir façanha do Mundial 2018

Quando fala em reconstrução, Mendez se refere às diversas mudanças que o elenco passou desde 2016, ano do último título mundial cruzeirense: desde então, peças importantes como o levantador William Arjona, o ponteiro Yoandy Leal, o central Robertlandy Simón e o líbero Serginho deixaram a equipe. Para esta temporada, também houve mudanças significativas como as chegadas do argentino Facundo Conte e do canadense Gordon Perrin.

“Estamos vivendo uma temporada de muito trabalho com tantas novidades no elenco. Mas o perfil do time é o mesmo, com jogadores com espírito vencedor e muita disposição para trabalhar. Seguimos focados em colocar o nosso melhor dentro de quadra, tanto nos treinos quanto nos jogos, e vamos continuar nos entregando em busca dos melhores resultados”, garante o treinador, lembrando o que o time já dá sinais de entrosamento. “O Mineiro foi uma conquista importante no começo de temporada. E vamos fazendo uma boa campanha na Superliga, mesmo ainda oscilando em alguns momentos, e conscientes de que temos muito a crescer ainda”, destacou.

Em relação às expectativas para o Mundial, Mendez prefere não falar em resultados diretamente, mas deixou claro que espera que a torcida seja, mais uma vez, um reforço em quadra. “A expectativa é sempre muito alta quando se disputa um Mundial de Clubes (…) Estamos trabalhando muito para apresentar o nosso melhor, e jogar em casa, onde conquistamos tanto, é um fator muito positivo”, afirmou.

* Colaborou Carolina Canossa

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

 

]]>
0
Com tie-break arrasador, Sesc bate Osasco no clássico e segue invicto http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/11/30/com-tie-break-arrasador-sesc-bate-osasco-no-classico-e-segue-invicto/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/11/30/com-tie-break-arrasador-sesc-bate-osasco-no-classico-e-segue-invicto/#respond Sat, 30 Nov 2019 03:10:01 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19207

Equipe carioca passou por momentos de incerteza na partida, mas venceu o rival em um tie-break espetacular (Foto: Marcio Mercante)

No grande clássico do vôlei brasileiro, válido pela sexta rodada da Superliga feminina, o Sesc-RJ visitou o Osasco Audax na noite desta sexta-feira (29). Até então invictas, as duas equipes fizeram um jogo igual até o quarto set. Mesmo empurrado pela entusiasmada torcida que lotou o José Liberatti, o time de Luizomar de Moura, contudo, viveu um apagão na quinta e última parcial e acabou superado por parciais de 23-25, 25-21, 22-25, 25-21 e 5-15.

A partida ainda marcou o reencontro da levantadora Roberta, hoje titular em Osasco, com o Sesc, clube onde ela atuou durante nove anos. As maiores pontuadoras do jogo foram Tandara e Ana Bjelica, com 22 e 21 acertos, respectivamente.

O saque foi o fundamento mais utilizado como arma ofensiva por ambas as equipes desde o começo do duelo. Em um primeiro set bastante disputado, as donas da casa, entretanto, arriscaram mais e acabaram mostrando maior eficiência, quebrando a recepção carioca. Deste modo, explorando a fragilidade do passe de Drussyla e Amanda, o selecionado osasquense abriu 12 a 6.

As comandadas de Bernardinho, no entanto, não esmoreceram e reagiram a partir da metade do set. As representantes do Rio diminuíram a quantidade de erros, investiram em um serviço mais direcionado e apostaram principalmente nas boas coberturas de defesa que geraram contra-ataques bem aproveitados. A virada de bola também cresceu no fim da parcial, propiciando a reviravolta.

Assim como na etapa anterior, Osasco começou melhor. Mais regular na recepção e no ataque – sobretudo com as ponteira Jaqueline e Ellen -, as paulistas impuseram logo 17 a 10 no marcador. Do outro lado da quadra, o Sesc não se encontrava a fim de reverter novamente a situação.

Veja também:

Ouça no Voleicast: o equilíbrio de forças da Superliga feminina 2019/2020

Quais são as chances das equipes brasileiras no Mundial de Clubes feminino?

Passando por momentos de instabilidade na sua virada de bola com a central Juciely e a oposta Tandara, o grupo visitante também não contou com uma boa performance de Drussyla, que seguiu pecando tanto no passe quanto no sideout ao enfrentar excessivamente o bloqueio – somente neste fundamento, Osasco fez 7 pontos contra 3 do adversário no set.

Em um terceiro set mais equilibrado, o Sesc melhorou o aproveitamento no sistema ofensivo. Os dois times continuaram se sobressaindo na defesa, gerando ralis muito bem disputados. O Rio, contudo, contou com um desempenho mais regular de Tandara e Juciely no ataque. O saque e o bloqueio também acabaram fazendo a diferença a favor da equipe de Bernardinho.

Com tanta rivalidade, a temperatura subiu um pouco na quarta etapa. Em um jogo de alternâncias e muitas provocações de parte a parte, além da tensão com a arbitragem, o Sesc voltou a cometer erros bobos e a sofrer com a virada de bola, parando diversas vezes no bloqueio osasquense. Em oposição, destaque para a sérvia Ana Bjelica, que atuou em sua função de origem – na saída de rede – e foi a bola de segurança de Roberta a partir do terceiro set.

Diante de tanto equilíbrio, esperava-se uma última parcial também bastante parelha. No entanto, iniciando o tie-break de forma espetacular, o Sesc colocou rapidamente 10 a 3 no placar e não deu qualquer chance ao arquirrival no José Liberatti.

Com um saque mais regular e se valendo da performance de uma Juciely inspirada no sideout, as visitantes passaram a tocar em todas as bolas, imprimindo ótimo volume de jogo, o que desestabilizou completamente o ataque osasquense. Com o triunfo, a equipe quebrou a invencibilidade do adversário e manteve a ponta na Superliga feminina.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede  

]]>
0
Após nove anos no Rio, Roberta enfrenta o Sesc pela primeira vez http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/11/29/apos-nove-anos-no-rio-roberta-enfrenta-o-sesc-pela-primeira-vez/ http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/2019/11/29/apos-nove-anos-no-rio-roberta-enfrenta-o-sesc-pela-primeira-vez/#respond Fri, 29 Nov 2019 09:00:44 +0000 http://saidaderede.blogosfera.uol.com.br/?p=19199

Para a levantadora, Osasco terá que diminuir erros se quiser ganhar do Rio (João Pires/Fotojump)

O primeiro encontro entre Vôlei Osasco-Audax e Sesc-RJ na temporada 2019/2020, nesta sexta-feira (29) às 21h30 no ginásio José Liberatti, terá um reencontro especial. Depois de nove anos defendendo a equipe carioca, a levantadora Roberta optou por aceitar o convite do arquirrival e estará do outro lado da rede.

E é justamente por conhecer bem o Sesc-RJ que Roberta espera um duelo complicado – quem sair derrotado perderá também a invencibilidade na atual edição da Superliga. “Sei o quanto o Bernardo (Rezende, técnico do Sesc) estuda e prepara o time para o que é preciso fazer taticamente. Tenho consciência da dificuldade que será esse jogo e do quanto vamos estar bem marcados, até porque o Rio montou um time muito consistente esse ano, com uma linha de passe e uma defesa muito boas”, afirmou a levantadora.

Veja também:

 Fernanda Garay elogia força do Praia e acredita em pódio no Mundial de Clubes

 Ouça no Voleicast: quais são as chances das equipes brasileiras no Mundial de Clubes feminino?

Na visão de Roberta, o segredo para a vitória osasquence está em um bom serviço. “Temos que vir com um saque muito agressivo para tirar a bola das mãos da Fabíola, para ela não trabalhar com velocidade. Nosso bloqueio vai ter que estar muito bem ajustado e nossa defesa precisará ajudar muito para tentar fazer com que o Rio tenha problemas de colocar a bola no chão”, afirmou a armadora, que lembrou da vitória contra o São Paulo-Barueri no tie-break para apontar outro fator fundamental no “clássico”. “Fomos muito irregulares contra Barueri e não podemos nos permitir estar assim neste jogo. Se diminuindo a quantidade de erros, já será metade do caminho”, acredita.

Entre as adversárias de Roberta estão amigas, como a central Juciely, que defende o Sesc-RJ desde 2010. “Vai ser muito estranho jogar contra a Roberta pelo carinho que sinto por ela, sabe? Está sendo estranho vê-la com outro uniforme”, admitiu a meio-de-rede. “Osasco e Rio sempre é um confronto com muita história ao longo das edições da Superliga. A Roberta é uma jogadora experiente e, assim como a conhecemos, ela também nos conhece e sabe da importância deste jogo”, complementou.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

]]>
0