Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Deficientes no ataque, Praia e Minas estreiam com derrota no Mundial

Janaína Faustino

03/12/2019 08h18

A oposta Brayelin Martínez foi o destaque ofensivo em um Praia Clube que pouco produziu na estreia do Mundial (Fotos: Divulgação/FIVB)

Na madrugada desta terça-feira (3), o Dentil Praia Clube não teve uma estreia feliz no Mundial de Clubes feminino 2019. Em sua segunda participação na história da competição, o time de Uberlândia (MG) enfrentou, em partida válida pelo grupo B, em Shaoxing (China), o tricampeão (atual bi consecutivo) VakifBank, da Turquia.

E, apesar do espírito de luta, a equipe não conseguiu se encontrar para fazer frente ao poderio ofensivo do time mais vitorioso do vôlei feminino nos últimos anos. Assim, acabou batido em sets diretos, com parciais de 27-25, 25-20 e 25-20. Na outra chave, o Itambé Minas, com os mesmos problemas no ataque, também acabou superado pelo chinês Guandong Evergrande por 3 sets 1 (25-22, 28-26, 23-25 e 25-22).

Apesar da primeira parcial apertada, o time de Uberlândia, na verdade, fez um jogo de recuperação no começo do confronto. Quarto lugar no Mundial passado, o representante brasileiro começou muito mal a partida. Teve imensa dificuldade no ataque – para se ter uma ideia, praticamente só a oposta dominicana Brayelin Martínez virou bolas, tanto que fez 11 pontos no set de abertura -, e também demonstrou fragilidade na recepção do saque turco.

Tudo começou a mudar, no entanto, a partir da metade do set. Com um serviço mais agressivo, as brasileiras passaram a testar a linha de passe do atual campeão mundial. E foi através do fundamento que o conjunto mineiro desfez a diferença imposta pelo adversário desde o começo da partida. Na reta final da parcial, porém, um erro da arbitragem, assinalando uma condução inexistente da levantadora Claudinha, e o excesso de erros do Praia – 9 ao total, especialmente de saque – acabaram dando a vitória ao esquadrão europeu.

As comandadas de Paulo Coco iniciaram o segundo set novamente tendo que correr atrás no placar, pecando na recepção e no sideout. Destaque bastante negativo para as ponteiras Pri Daroit e Fernanda Garay, que somaram apenas 3 e 2 pontos de ataque, respectivamente, nas duas primeiras parciais.

Sem ter com quem dividir a responsabilidade no ataque, a oposta Martínez seguiu sendo o desafogo da levantadora Claudinha. Já do lado turco quem brilhou foi a jovem sueca Isabelle Haak, que contou com o auxílio da ponta brasileira Gabi e da meio de rede sérvia Rasic para abrir 2 a 0 com tranquilidade.

O jogo do tetracampeão europeu seguiu bem mais distribuído do que o do rival brasileiro na terceira e última etapa. Tranquila e com ótima leitura do adversário para a armação, a levantadora Ognjenovic forçou bolas de primeiro tempo mesmo quando não tinha o passe A nas mãos. O VakifBank também se sobressaiu nos bloqueios, marcando 9 pontos neste fundamento contra 5 do oponente.

Do outro lado, identificando a deficiência no sideout, o técnico Paulo Coco deslocou Martínez para a entrada de rede e lançou a americana Fawcett à quadra. Entretanto, a estratégia não surtiu o efeito esperado, e o VakifBank fechou o duelo em 3 a 0.

As opostas Haak e Martínez foram os destaques com 22 pontos cada. Pelo lado europeu, Gabi somou 12 e as centrais Rasic e Gunes anotaram 11 cada. Já no time brasileiro, a oposta Fawcett, que entrou somente no terceiro set, colaborou com 8 bolas no chão. A meio de rede Carol teve 7 acertos.

E mais:

Voleicast: quais são as chances dos times brasileiros no Mundial de Clubes feminino?

Fernanda Garay elogia força do Praia e diz que acredita em pódio no Mundial

Para Nicola Negro, técnico do Minas, será difícil o Minas repetir a façanha do Mundial 2018

O Minas também foi derrotado pela Guandong Evergrande nesta terça-feira (3)

No grupo A, jogando no Centro Olímpico de Shaoxing, o Minas também teve uma estreia muito difícil contra o Guangdong Evergrande. Mostrando a mesma insegurança na recepção – especialmente com as pontas McClendon e Acosta – que vem apresentando neste começo de temporada no Brasil, o time ainda ficou devendo demais na virada de bola.

Assim, quem acabou fazendo a diferença no sideout na primeira parcial foi a oposta Bruna Honório, que se virou bem nas bolas altas quando acionada pela levantadora Macris na saída de rede. Ela também teve um papel importante no saque, recolocando a equipe belo-horizontina – que via o rival disparar no marcador – na disputa do set.

Do outro lado da quadra, a russa Kosheleva, que viveu uma temporada 2018/2019 bem abaixo enquanto esteve no Sesc-RJ por conta dos problemas físicos, exibiu ótima forma e foi a responsável pela vantagem aberta pelo Evergrande. A ponteira virou a maioria das bolas do selecionado chinês – 10 no total somente na primeira etapa.

O time liderado pelo italiano Nicola Negro ensaiou uma reação na segunda parcial. Mais regular no sideout, também passou a conjugar melhor a relação bloqueio-defesa. Ao total, foram 10 pontos marcados neste fundamento. Contudo, o time da casa rapidamente se recuperou, contando com a excepcional atuação de Kosheleva.

O confronto, no entanto, mudou a partir do terceiro set. A inversão 5-1 com a levantadora Bruninha e a oposta Sheilla – campeã mundial também em 2012 – fez o Minas mudar a forma de atuar. A equipe reverteu uma vantagem de 15 a 9 a favor do adversário e apresentou mais consistência ofensiva e tática.

A atacante bicampeã olímpica colocou 9 bolas no chão somente nesta parcial, comandando a vitória mineira. A líbero Leia, que se machucou enquanto buscava uma bola nas placas de publicidade, permaneceu em quadra e fez defesas importantes. Com o triunfo, a equipe brasileira "respirou", evitando o triunfo chinês em sets diretos.

Com as titulares de volta à quadra na quarta parcial, o time, contudo, não conseguiu manter a mesma continuidade e voltou a pecar na virada de bola em momentos decisivos. Apesar de não ter deixado o rival desgarrar no placar, a equipe minastenista ainda cometeu erros (26 em todo o confronto), especialmente no sistema defensivo, que acabaram favorecendo o triunfo chinês.

Como imaginado, a maior pontuadora no duelo foi Kosheleva, com 28 acertos. Rabadzhieva apareceu logo em seguida com 15 acertos. No time brasileiro, destaque para Bruna Honório, com 15 e Sheilla, que marcou 14. Thaísa e Carol Gattaz, que têm sido bolas de segurança da levantadora Macris nos jogos da Superliga, apareceram com 10 e 6 acertos, respectivamente.

Com as derrotas, as duas equipes farão jogos de vida ou morte na segunda rodada. Nesta quarta-feira (4), o Minas encara o Eczacibasi, de Natália, que foi derrotado pelo o Conegliano por 3 a 1 (25-20, 25-22, 22-25 e 25-21) na estreia. Já o Praia Clube enfrenta, na quinta (5), o chinês Tianjin, de Ting Zhu.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

 

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede