Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Sérvia vence a Eslovênia e se sagra campeã europeia também no masculino

Janaína Faustino

29/09/2019 17h34

A Sérvia dominou a Europa em 2019 (Fotos: Divulgação/CEV)

O domínio sérvio na Europa é incontestável. Neste domingo (29), cerca de duas semanas após a conquista do título no naipe feminino, a seleção masculina pôs fim ao jejum de oito anos e se sagrou tricampeã continental – já havia vencido as edições de 2001 e 2011 – de forma invicta ao derrotar, em Paris, a ascendente Eslovênia de virada por 3 sets a 1, com parciais de 19-25, 25-16, 25-18 e 25-20.

Comandado por Slobodan Kovac, que assumiu a comissão técnica no lugar de Nikola Grbic depois do torneio Pré-Olímpico, o time dos Bálcãs começou a partida sofrendo com a incrível intensidade do jogo esloveno, que já havia feito vítimas de respeito nas fases anteriores deste Campeonato Europeu.

Confira mais:

Ouça o episódio #7 do Voleicast, o podcast de vôlei do Saída de Rede

Melhor líbero do mundo, Grebennikov fala com exclusividade sobre os desafios da seleção francesa

Para começar, nas quartas de final, a Eslovênia despachou ninguém mais do que a poderosa Rússia com uma vitória por 3 a 1 (25-23, 25-22, 21-25 e 25-21). Vale lembrar que a equipe do finlandês Tuomas Sammelvuo, detentora de 14 troféus no torneio, defendia o título com uma seleção que contava com suas grandes estrelas, entre elas, o oposto Mikhaylov e o central Muserskiy, além dos ponteiros Kliuka e Volkov.

Depois disso, em uma partida épica disputada em seus domínios, na capital Ljulbjana, a equipe liderada pelo italiano Alberto Giuliani garantiu a vaga na final ao impor outro 3 a 1 (25-23, 24-26, 25-22 e 25-23) sobre a atual bicampeã mundial Polônia com León, Kubiak e companhia em quadra.

Na final, contudo, os eslovenos se depararam com uma Sérvia que já chegou à decisão com a moral bastante elevada. Afinal, o time calou os 12 mil torcedores que lotaram a Accor Arena ao vencer na semi o badalado conjunto francês, dono da casa, em um duelo emocionante, decidido apenas no tie-break (23-25, 25-23, 25-21, 17-25 e 15-7).

Vice-campeã, Eslovênia mostrou que está crescendo no cenário internacional ao fazer uma campanha surpreendente

A ótima Eslovênia começou a partida melhor, se impondo na virada de bola e no bloqueio. No entanto, os sérvios assumiram o controle do jogo a partir do segundo set, quando minaram a recepção e a confiança adversárias com um saque extremamente agressivo. A relação bloqueio-defesa também foi estabelecida à risca pelos sérvios, que chegaram a fazer 8 pontos de bloqueio somente na segunda parcial (ao total, foram 14 acertos no fundamento).

Assim, com muito volume de jogo e autoridade, os sérvios alcançaram o terceiro título continental. O oposto Aleksandar Atanasijevic foi o grande destaque da partida com 22 pontos, seguido de perto por seu companheiro de equipe, o habilidoso ponteiro Uros Kovacevic, que anotou 20. Do outro lado, Klemen Cebulj colaborou com 15 bolas no chão. Com o resultado, a Eslovênia ganhou a segunda medalha de prata no torneio – já havia sido vice-campeã em 2015, quando perdeu a decisão para a França.

Seleção polonesa, de León e Kubiak, levaram o bronze para casa

A Polônia acabou ficando com o bronze ao superar novamente os franceses em sets diretos (26-24, 25-22 e 25-21). Nesta temporada, os representantes do Leste Europeu já haviam batido o adversário por este placar no Pré-Olímpico de agosto. Sem dúvida, o resultado negativo no Europeu aumenta ainda mais a agonia francesa, uma vez que a seleção vem acumulando fracassos ao longo das últimas competições.

Além disso, tanto os atletas quanto a Federação local alimentavam esperanças de que uma conquista, em casa (o torneio foi co-sediado por França, Bélgica, Holanda e Eslovênia, e Paris recebeu a fase final), poderia servir para alavancar o vôlei no país.

O drama francês, contudo, parece estar longe de acabar. Para carimbar o passaporte rumo aos Jogos Olímpicos de 2020, a seleção terá que competir em um pré-olímpico continental em janeiro que promete ser um dos mais difíceis dos últimos anos. Entre outras equipes, estarão na disputa por uma vaga em Tóquio a Sérvia, a Eslovênia e a Bulgária.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede