Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Primeiro turno da Superliga masculina reforça equilíbrio entre favoritos

Janaína Faustino

2027-12-20T18:06:00

27/12/2018 06h00

Líder do campeonato, Sesc-RJ perdeu para o Taubaté e para o Cruzeiro (Foto: Rafinha Oliveira/EMS Funvic Taubaté)

Em recesso para as festas de fim de ano, quando encerrou o primeiro turno com um grande duelo entre Sada Cruzeiro e Sesi-SP, dois dos candidatos ao título nacional, a Superliga masculina de vôlei retornará no ano que vem com a promessa de aperfeiçoamento do desempenho dos times e, consequentemente, uma disputa mais acirrada entre as equipes em busca de uma vaga nos playoffs. A competição será retomada no dia 11 de janeiro com o duelo entre Fiat Minas e Corinthians-Guarulhos.

Fazendo um balanço do primeiro turno, como esperado, o equilíbrio é maior entre os quatro primeiros colocados – Sesc-RJ, Sada Cruzeiro, Sesi-SP e EMS Taubaté Funvic. Dificilmente, o campeão não sairá deste quarteto formado pelas equipes com maior investimento. Com o oposto Wallace – que já aparece nas estatísticas como o maior pontuador da competição, com 186 acertos – e o búlgaro Rozalin Penchev como importantes reforços, a equipe carioca fez uma campanha com ótimo aproveitamento no primeiro turno e soma 27 pontos (com 2 revezes em 11 partidas).

O problema é que, além de ter sofrido para vencer o modesto Vôlei Ribeirão no tie-break, o time liderado por Giovane Gávio foi derrotado justamente por dois concorrentes diretos ao título: Taubaté, para quem perdeu por 3 sets a 2, e Cruzeiro por 3 a 1. Assim, para testar seu poderio, é fundamental que o Sesc confirme os bons resultados contra os rivais de mesmo peso neste returno.

Hexacampeão da competição, Sada Cruzeiro teve um começo ruim de temporada, mas aos poucos está mostrando sua força (Foto: Agênciai7/Sada Cruzeiro)

Segunda colocada, a hexacampeã equipe cruzeirense iniciou a temporada em busca de uma nova identidade. Totalmente reformulado em função da saída de Yoandy Leal, Robertlandy Simon e Nico Uriarte, o time do argentino Marcelo Mendez contratou o ponteiro Taylor Sander, o central Kévin Le Roux e o oposto Luan Weber (que tem se destacado bastante quando entra no lugar do titular Evandro), dando ao levantador Fernando Cachopa a chance de atuar como titular. O começo, contudo, não foi nada empolgante: além de ter perdido a final da Supercopa para o Sesi-SP, a Raposa obteve o pior resultado em sua história nos Campeonatos Mundiais de clubes ao ser eliminado ainda na primeira fase. Tudo isso só fez aumentar ainda mais a desconfiança dos torcedores.

No entanto, se no cenário internacional o Cruzeiro sucumbiu, na competição doméstica o time manteve a regularidade neste primeiro turno. Apesar de ainda necessitar de uma sintonia bem mais apurada entre o armador e seus atacantes, sobretudo com o meio-de-rede Le Roux – o que poderá acontecer neste returno –, a Raposa já aparece em segundo lugar na classificação geral, com 26 pontos (1 a menos do que o Sesc-RJ). Além disso, a equipe de Belo Horizonte conseguiu derrotar times que, desde o começo da temporada, surgiram como candidatos a desbancar o seu favoritismo, caso de Taubaté, que foi massacrado em pleno Abaeté por 3 sets a 0, e do próprio Sesc, que perdeu por 3 sets a 1 no ginásio do Riacho.

Equipe do técnico Rubinho derrotou o Cruzeiro pela segunda vez na temporada (Foto: Amanda Demétrio/FIESP)

Conforme mencionado, o time celeste, entretanto, não foi capaz de devolver a derrota sofrida na final da Supercopa, perdendo, mais uma vez, para o Sesi-SP, terceiro colocado na tabela. Com 24 pontos, o time do técnico Rubinho tem incomodado o multicampeão mineiro com muito volume de jogo e uma postura taticamente disciplinada. A despeito de ter sido batido pelos rivais diretos Sesc por 3 sets a 0 e Taubaté por 3 a 1, a equipe paulista também tem lastro para crescer na competição e, sob a batuta do experiente William Arjona, conta com um plantel extremamente rodado para tentar ganhar o título nacional pela segunda vez.

Por outro lado, dos principais candidatos ao troféu da Superliga masculina, o Taubaté, quarto colocado, talvez seja aquele que mais tem oscilado. Com um elenco estrelado – com nomes como Lucarelli, Rapha, Douglas Souza, Facundo Conte e Lucão, entre outros –, mas sem um time titular definido e, por conseguinte, sem um padrão de jogo bem entrosado, a equipe do Vale do Paraíba foi capaz de derrotar o líder do campeonato por 3 a 2 e o terceiro colocado paulista por 3 sets a 1.

Dos candidatos ao título, o EMS Taubaté Funvic é a equipe que tem oscilado mais (Foto: Rafinha Oliveira/EMS Taubaté Funvic)

Ao mesmo tempo, sofreu um acachapante 3 a 0 para o ascendente Vôlei Renata, de Campinas, e outro duro revés por 3 a 1 para o despretensioso Vôlei Um Itapetininga. Sem contar que o time de Daniel Castellani ainda teve uma performance tecnicamente muito ruim na derrota em casa para o Cruzeiro. Assim, mesmo tendo todas as condições para competir de igual para igual com todos os demais favoritos, ainda parece difícil imaginar o que Taubaté poderá render neste returno e nos playoffs com tantos revezamentos na equipe.

Superliga tem início com hegemonia do Sada Cruzeiro ameaçada

Planos de Guedes causam apreensão nos times de vôlei do Sesc e Sesi

Já a Superliga feminina não segue o mesmo calendário da competição masculina. Por causa do Mundial de Clubes, o primeiro turno irá terminar somente em 11 de janeiro, recomeçando no dia 17.

COPA BRASIL

Paralelamente ao recomeço do returno da Superliga masculina, os 8 primeiros colocados da competição disputarão a primeira fase da quinta edição da Copa Brasil nos dias 10 e 16 de janeiro. Atual campeão do torneio, o Cruzeiro irá enfrentar o Itapetininga.

Em formato de jogo único, assim foram definidos os duelos: Sesc-RJ x Fiat/Minas (MG), Sada Cruzeiro (MG) x Vôlei UM Itapetininga (SP), Sesi-SP x Copel Telecom Maringá Vôlei (PR) e EMS Funvic Taubaté (SP) x Vôlei Renata (SP).

A fase final será realizada em Lages, Santa Catarina, nos dias 26 e 27 de janeiro, reunindo as 4 equipes que vencerem seus respectivos confrontos.

Confira a tabela:

Quinta-feira (10) – Sesi-SP x Copel Telecom Maringá Vôlei (PR), às 19h, no Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo (SP)

Quinta-feira (10) – EMS Funvic Taubaté (SP) x Vôlei Renata (SP), às 20h, no ginásio Abaeté, em Taubaté (SP)

Quarta-feira (16) – Sesc-RJ x Fiat/Minas (MG), às 20h, na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro (RJ)

Quarta-feira (16) – Sada Cruzeiro (MG) x Vôlei UM Itapetininga (SP), às 20h, no ginásio do Riacho, em Contagem (MG)

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.