Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

William quer chance para novos levantadores, mas descarta adeus à seleção

Carolina Canossa

23/10/2018 06h00

Arjona diz que vai estar à disposição da seleção "até parar de jogar" (Foto: Divulgação/FIVB)

William Arjona se despediu ou não da seleção brasileira após a prata no Campeonato Mundial? Uma mensagem enigmática deixada no Instagram pelo levantador de 39 anos após o torneio deixou os fãs em dúvida sobre a continuidade do jogador com a camisa verde-amarela.

A resposta é sim e não. Em entrevista ao Saída de Rede, o jogador afirmou que vai dar espaço para o técnico Renan Dal Zotto testar novos nomes na posição. Porém, ao contrário do ponteiro Lipe, ele não quer falar em aposentadoria do time.

"É difícil falar "não" para a seleção. É um lugar muito legal, com campeonatos que eu gosto, de alto nível. Acredito que a seleção precise de uma renovação natural, mas vou estar pronto se precisarem de mim e vou defender o meu país sempre, até o dia em que eu parar de jogar", comentou o jogador.

Destaque do Mundial luta contra o racismo e busca afirmação como jogadora

Falhas no bloqueio derrubam Brasil, mas saldo do Mundial é positivo

William deixou claro que 2019 é o momento ideal para a busca de novos levantadores. "Acredito que, principalmente o ano que vem, seja de testes, uma hora de pensar nisso. Sem o menor egoísmo, digo que outros levantadores devem ser testados no meu lugar. Caso necessite, se não der certo, estarei pronto", ressaltou.

O levantador contou que o combinado com Dal Zotto era ele ficar à disposição até 2018. Independente do que aconteça, porém, ele destacou o orgulho de ter deixado a Itália com a medalha de prata no peito depois de uma temporada marcada por lesões de colegas de equipe e a ausência de pódio na Liga das Nações (antiga Liga Mundial).

"A seleção é difícil, pois você não pode perder para ninguém que já começam a achar que o time "não vai". Mas a equipe superou mais uma vez, jogou de igual para igual e, na final, infelizmente não estávamos em um bom dia, enquanto que a Polônia jogou quase que 100%. Ser vice campeão do mundo para mim é um mérito total", comentou.

De volta ao Brasil após o torneio mais importante do ano, o jogador mal teve tempo de descansar, já que precisou defender o Sesi nas finais do Campeonato Paulista, onde foi vice-campeão, e na Supercopa, faturando o título após bater o Sada Cruzeiro. Só agora é que ele terá um tempo para respirar um pouco, perdendo os primeiros jogos da Superliga. "Vou poder dar uma descansada antes de retomar, pois foi bem complicado. Tentei ajudar da melhor maneira possível", garantiu.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.