Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Título do Barueri é a melhor notícia recente do vôlei feminino brasileiro

Carolina Canossa

09/11/2019 12h41

Jovem equipe do São Paulo/Barueri passou pelos favoritos Sesi Bauru e Vôlei Osasco-Audax para faturar o Campeonato Paulista (Fotos: Rubens Chiri/São Paulo FC.net)

Em tempos conturbados não só para a seleção brasileira feminina adulta como também para as categorias de base do país de uma maneira geral, o histórico título do São Paulo/Barueri no Campeonato Paulista é uma daquelas notícias para encher o fã de vôlei de esperanças. Com um elenco cuja média de idade é de 20,7 anos, a equipe da Grande São Paulo mostrou, nas últimas duas semanas, que há material humano de qualidade para os ciclos olímpicos que virão após Tóquio-2020.

Bastar ter alguém que saiba trabalhá-lo. E José Roberto Guimarães resolveu assumir esta missão, ao lado de uma comissão técnica experiente, com nomes como o auxiliar Wagner Coppini e o médico Julio Nardelli. Prestes a se despedir da seleção brasileira feminina, equipe que dirige desde 2003 (ano em que todas suas comandadas em Barueri eram crianças), o treinador soube fazer "do limão uma limonada", transformando a queda no orçamento do time, que impediu a manutenção e a contratação de grandes estrelas, em uma oportunidade para jovens talentos ganharem experiência.

O que está sendo feito em Barueri guarda semelhanças com o que ocorreu com o Club Itália, time italiano criado pelo prestigiado técnico Julio Velasco em 1998 justamente com o objetivo de "dar rodagem" às jogadoras mais novas, que, em geral, tendem a ficar no banco de reservas em seus primeiros anos como profissionais. No projeto formaram-se nomes como Paola Egonu, Ofelia Malinov, Cristina Chirichella, Anna Danesi e Elena Pietrini, todas vice-campeãs mundiais com a Itália no ano passado.

Leia mais:

+ Base feminina: por que não estão surgindo novos talentos?

+ Livro de Bebeto de Freitas conta brigas da "Geração de Prata" e mico com Senna

É verdade que a estrutura dos projetos são distintas: aqui não há, por exemplo, o apoio institucional da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) como o dado pela Fipav (Federação Italiana de Vôlei); tampouco há alguma garantia que Barueri não passará por apuros financeiros que comprometam a manutenção do projeto nos próximos anos. Ainda assim, é bom ver nomes como a própria Lorenne, a ponteira Tai Santos, a meio Mayany e a líbero Nyeme, entre outras, jogando toda semana contra times teoricamente mais fortes e elencos estrelados.

"Este título é muito importante para mim. Fiquei dois anos parada em Osasco, sem chance de jogar, e agora estou tendo oportunidade. Agradeço muito às meninas, ao Zé Roberto, a toda comissão técnica que me dá todo o apoio para fazer o meu trabalho. Esse espírito que mostramos hoje, onde conseguimos vencer nos divertindo em quadra, sem pressão, é a marca do nosso time. Nossa equipe é muito nova e conseguimos jogar sem pressão. Não desistimos nunca, fomos em todas as bolas sem cansar", afirmou a oposta Lorenne, 23 anos e que já havia sido uma grata surpresa na temporada de seleções.

Jogadoras do São Paulo pareciam não acreditar no que fizeram

Zé Roberto, por sua vez, não escondeu a euforia com a conquista. "Se a gente chegasse na semi, já seria um resultado muito importante. Tínhamos perdido em casa para o Bauru por 3 a 0, mas com placares muito próximos. Para avançar à final, teríamos que ganhar duas vezes, no jogo e no Golden Set. E mesmo enfrentando o time que fez a melhor campanha no Paulista, vencemos por 3 a 0 e também o set desempate, na casa delas. Um time com jogadoras jovens, com 50% do elenco que ainda atua na nossa base, um feito destes diante do Sesi, candidato a ser campeão da Superliga, é histórico. Aí, conseguimos bater o Osasco em casa por 3 a 0 e aqui saímos perdendo por 2 a 0 e conseguimos a virada, onde acontece outro milagre, vencemos o quinto set e ganhamos o Campeonato Paulista na casa delas, acredite se quiser", comemorou.

Importante também não criar grandes expectativas sobre o São Paulo: como todo time jovem, é esperado que ocorram altos e baixos ao longo da Superliga feminina, que começa já na terça-feira (12). A meta inicial de ficar entre os oito melhores colocados na fase classificatória para avançar aos playoffs deve ser mantida. O que vier daí pra frente se somará ao lucro que a equipe já conquistou neste início de temporada. Mais importante que resultados é que essas jogadoras sigam em evolução constante, para que a conquista do Paulista não se transforme na única grande conquista da carreira de cada uma delas.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede