Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Brasil joga bem, atropela Turquia e vai à final da Liga das Nações

Carolina Canossa

06/07/2019 05h28

Seleção feminina teve sua melhor atuação da temporada na semi deste sábado (6) (Fotos: Divulgação/FIVB)

Com uma grande atuação coletiva, a seleção brasileira feminina conseguiu, pela primeira vez, uma vaga na decisão da Liga das Nações de vôlei ao bater a Turquia na madrugada deste sábado (6) por 3 sets a 0. As parciais do duelo disputado em Nanquim (China) foram 25-23, 25-15 e 25-10.

Na disputa pela taça, o time do técnico José Roberto Guimarães enfrentará novamente os Estados Unidos que, em um jogo marcado por erros de recepção, bateu o time B da China por 3 sets a 1 (25-11, 15-25, 25-17 e 25-20) na outra semifinal. A partida será realizada a partir das 8h30 (horário de Brasília) deste domingo (07).

Leia mais:

 Voleicast: como o Brasil chega às fases finais da Liga das Nações?

– André e George formam a única dupla brasileira ainda com chances no Mundial de vôlei de praia

Diante de um adversário em ascensão no cenário internacional, para quem havia perdido tanto na semifinal da Liga das Nações 2018 quanto na fase classificatória este ano, o Brasil mostrou um voleibol consistente, com muito volume de jogo no passe e na defesa. Isso permitiu que a levantadora Macris ficasse à vontade, acionando com eficiência as atacantes à sua disposição.

Sorriso aberto: Natália e Lorenne tiveram boas atuações e foram as maiores pontuadoras do Brasil

Além de Macris, que também teve ótimas passagens no saque, outros destaques individuais do Brasil foram a ponteira Natália, maior pontuadora do jogo com 15 pontos e a central Mara, responsável por oito bolas no chão.

Méritos para Zé Roberto, que teve a percepção de se aproveitar do entrosamento trazido pelas atletas do Itambé/Minas (cinco das sete titulares foram campeãs da Superliga com a equipe) e também foi rápido para notar o mau dia de Paula Borgo. Ainda na metade do primeiro set, ele colocou Lorenne em quadra e a jovem oposta finalmente correspondeu, terminando com nove pontos, sendo cinco de ataque e quatro de bloqueio.

Pela Turquia, chamou a atenção a fragilidade psicológica: depois de equilibrar as ações na metade inicial do jogo, a equipe do italiano Giovanni Guidetti sofreu um apagão numa passagem de Macris pelo saque no meio do segundo set e não mais se recuperou, errando jogadas corriqueiras por nervosismo e facilitando a vida das brasileiras.

O time também teve dificuldades para impor o seu saque agressivo e, como consequência, cedeu nada menos que 26 pontos para o Brasil em erros – quando o serviço entrou, do outro lado da quadra estava Gabi, que foi muito bem no fundamento recepção. Guidetti ainda fez diversas mudanças para reverter o placar, mas nada deu certo. A principal atacante turca, Ebrar Karakurt, marcou somente dez pontos, enquanto Kubra Caliskan apareceu em seguida, com seis.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

*Nota atualizada às 10h22

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.