Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Por Tóquio-2020, seleção feminina inicia temporada com grupo renovado

Janaína Faustino

2021-05-20T19:06:00

21/05/2019 06h00

Sem algumas jogadoras mais rodadas, seleção buscará dar bagagem às atletas menos experientes na Liga das Nações (Fotos: Divulgação/FIVB)

Tendo como principal objetivo do ano a conquista da vaga para a Olimpíada de Tóquio no ano que vem, a seleção brasileira feminina de vôlei começará, nesta terça-feira (21), uma temporada que promete ser novamente intensa. E, apostando em um conjunto formado por atletas experimentadas e caras novas, a equipe liderada pelo técnico José Roberto Guimarães fará sua estreia na segunda edição da Liga das Nações (antigo Grand Prix), encarando a campeã olímpica China às 20h no ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF).

A competição servirá para o treinador dar ritmo e testar o time de olho no Pré-Olímpico, o torneio mais importante para a seleção, que será disputado em quadras brasileiras entre 2 e 4 de agosto. O Brasil enfrentará Azerbaijão, República Dominicana e Camarões, podendo já carimbar o passaporte para o Japão se sair como vencedor do grupo D.

O local da disputa ainda não foi oficialmente anunciado, mas é provável que seja em Belo Horizonte (MG). Se a seleção brasileira não se classificar terá uma nova oportunidade no Pré-Olímpico continental em janeiro, o que deverá atravancar ainda mais o calendário uma vez que as atletas possivelmente já estarão disputando a Superliga e partidas da Copa Brasil.

Leia mais:

Qual é o impacto da saída de Bruna Honório para a temporada de seleção?

Zé Roberto: "Se pudesse, não jogaria a Liga das Nações"

Federação Internacional anuncia medidas para diminuir calendário intenso do vôlei

Estreia de Leal e Pré-Olímpicos agitam calendário do vôlei em 2019

Base feminina de vôlei: por que não estão surgindo novos talentos?

Quarto colocado na primeira edição da Liga das Nações, o Brasil enfrenta, além da China (que levou o bronze), a República Dominicana e a Rússia nas próximas quarta e quinta-feira, também na capital federal. Na sequência, a seleção embarca para Apeldoorn, na Holanda, onde joga de 28 a 30 de maio contra as donas da casa, a Polônia – que acaba de ganhar o Montreux 2019 – e a Bulgária.

O calendário ainda prevê, na terceira semana da competição, confrontos contra Alemanha, Coreia do Sul e Estados Unidos – seleção que é a atual campeã do torneio – entre os dias 4 a 6 de junho na cidade norte-americana de Lincoln. A primeira fase ainda terá mais duas sedes. Na quarta semana, entre os dias 11 e 13 de junho, a equipe verde e amarela estará no Japão para enfrentar as donas da casa, a Tailândia e a Sérvia campeã mundial.

Finalizando esta fase classificatória, o Brasil irá até Ancara, onde terá como adversárias as turcas – que ficaram com a prata na primeira edição -, as italianas e as belgas entre 18 e 20 de junho. Se ficar entre os cinco primeiros colocados, o selecionado nacional disputará a fase final em Nanquim, na China, entre 3 e 7 de julho.

Vale lembrar que a extensa programação deste ano da seleção feminina ainda inclui os Jogos Pan-americanos de Lima, no Peru (entre 26 de julho e 11 de agosto) e a Copa do Mundo no Japão (entre 14 e 29 de setembro).

Foco do técnico José Roberto Guimarães está no torneio Pré-Olímpico, que dará uma vaga para Tóquio-2020

Assim, além do desgaste físico e mental causado pelo exaustivo calendário, a seleção brasileira ainda precisará lidar com a ausência de peças importantes, como as opostas Tandara que, com uma lesão no tornozelo esquerdo, deverá estar à disposição somente na reta final do campeonato, e Bruna Honório, que se recupera da cirurgia realizada no coração para a retirada de um tumor benigno. O técnico Zé Roberto também não poderá contar com algumas jogadoras que pediram dispensa.

Em função de tantos desfalques, a comissão técnica acabou investindo em um grupo mais renovado para esta temporada, com atletas que tiveram poucas oportunidades na seleção principal até o momento, além daquelas que vão estrear na equipe na Liga das Nações. Jogadoras rodadas como, por exemplo, as pontas Natália e Gabi, são peças-chave e permanecem no time.

Contudo, atletas como as levantadoras Macris e Juma, as centrais Mayany e Milka, as opostas Paula Borgo e Lorenne – que deverão se revezar como titulares na saída de rede –, e as passadoras Tainara e Julia Bergmann são alguns dos nomes que os torcedores deverão ver com mais frequência vestindo a camisa amarela. O objetivo é dar bagagem internacional às mais inexperientes para que possam se firmar na seleção.

Os confrontos do Brasil contra China, República Dominicana e Rússia pela Liga das Nações nesta terça (21), quarta (22) e quinta (23) serão transmitidos ao vivo pelo SporTV2. Todos os jogos começam às 20h.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter:@saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.