Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Zé Roberto: “Ainda não vejo minha vida sem a seleção”

Carolina Canossa

25/06/2017 06h00

Para o técnico tricampeão olímpico, maior vantagem do Brasil perante os rivais é o conjunto (Foto: Michael Dantas/Inovafoto/CBV)

Prestes a completar 14 anos à frente da seleção brasileira feminina de vôlei – assumiu o cargo em 29 de julho de 2003 –, José Roberto Guimarães poderia ter deixado o time após a Olimpíada do Rio 2016. Com duas medalhas olímpicas de ouro, três medalhas em Mundiais (duas pratas e um bronze) e oito títulos de Grand Prix no período, o treinador não deve satisfações a ninguém acerca de sua competência. Poderia curtir mais tempo com a família, se dedicar à paixão por cavalos ou mesmo ao projeto do Hinode Barueri, que iniciou do zero no ano passado e prepara para a disputa da primeira Superliga.

Mas quem disse que Zé Roberto está cansado? "Minha mãe dizia uma frase que me marcou a vida inteira: 'Quem corre por gosto não cansa'. Pra mim, estar na quadra não é um sacrifício", afirma o treinador, deixando claro que, no que depender dele, ainda permanecerá um bom tempo no cargo. A família também não faz pressão alguma para Zé mudar de ideia. "Pelo contrário: elas (a mulher Alcione e as filhas Maria Fernanda e Anna Carolina) compartilham comigo esses momentos no vôlei".

Criticado, mas fundamental: entenda a importância de Maurício Borges para a seleção

Após cogitar Brasil, cubano do Sada Cruzeiro tenta se naturalizar canadense

O maior desafio do técnico nesta nova fase é promover uma renovação na seleção brasileira, que viu dois de seus pilares, a central Fabiana e a oposta Sheilla, se aposentarem da equipe, unindo-se à líbero Fabi, que deixou o time em 2014.  Nomes importantes como Dani Lins, Fernanda Garay e Jaqueline também preferiram tirar um período sabático, enquanto Thaisa recupera-se de um problema no joelho. Como resultado, a seleção deste ano está repleta de caras novas e lideranças diferentes, algo que não se via há muitos anos.

Na primeira parte desta entrevista exclusiva ao Saída de Rede, Zé Roberto falou sobre o novo momento, assim como analisou a precoce eliminação na Olimpíada. O futuro e a evolução do vôlei nas últimas décadas também foram pautas. "A especialização precoce trouxe um mal. Pra ganhar campeonatos na base, muitos treinadores aceleram o processo de formação de atletas, que deveria estar focado em trabalhar na versatilidade e no gesto técnico", analisou o técnico, deixando claro que vai acentuar o trabalho de flexibilidade de funções de suas comandadas na seleção. "Talvez o Brasil seja o time que mais trabalhe todos os fundamentos com as jogadoras", comentou.

Leia a entrevista abaixo e não perca a segunda parte da conversa, que será publicada nesta segunda-feira (26):

Saída de Rede – A seleção está vivendo este ano a maior mudança em termos de renovação de atletas desde Atenas 2004. Que semelhanças e diferenças você vê entre o período de agora e o que vivemos há 13 anos?

Zé Roberto – É mais ou menos igual. Visualizando o futuro, a gente já estava colocando algumas dessas jogadoras para disputar alguns campeonatos: se não podíamos jogar Montreux, ia a seleção sub-23, em 2015 havia dois campeonatos juntos (Pan e Grand Prix), então dividimos o grupo após convocar 30 atletas… Muitas delas estão aqui nessa renovação. É algo que a gente esperava, até porque em ano pós-olímpico algumas jogadoras escolhem fazer um ano sabático, caso da Dani Lins, que quer engravidar. Quem se manifestou que encerraria o ciclo com a seleção foram a Sheilla e a Fabiana, mas as outras deixaram em aberto. A Fernanda Garay me ligou avisando que ia casar em 2017 e queria ficar fora, a Jucy está fora porque operou… ela tem 37 anos e não sei se vai estar na Olimpíada de Tóquio, mas enquanto estiver na atual forma, em que jogou muito na final da Superliga e no Mundial terá espaço… Hoje a gente está vendo no futebol e no vôlei uma longevidade maior e ela é uma jogadora que se cuida muito, gosta de treinar, concentrada. Não sei qual é o limite da Juciely. Não é porque tem 37 anos que está fora, nem ela e nem ninguém. Já a Gabi está com uma tendinite bastante significativa no joelho e está em tratamento pra tentar não operar, mas é uma jogadora com a qual a gente conta.

SdR – Com a Gabi é muito aquilo que você já comentou: há jogadoras, caso também da Natália, que já estão há tanto tempo na seleção que parecem ser mais velhas do que realmente são…

Zé Roberto – É. A Natália está desde os 16, a Gabi desde os 18 pra 19, então parece que estão há mais tempo do que realmente estão. A própria Bia: ela sempre esteve no pensamento da comissão técnica pra ser convocada, mas encontramos alguns problemas. E esse ano é o que ela está vindo inteira para participar. A Suelen jogou Montreux em 2013. Sempre procuramos trazer uma ou outra para participar do grupo, como é o caso da Edinara, da Fernanda Tomé e da Drussyla agora.

SdR – E no vôlei de uma maneira em geral, o que você acha que mudou nos últimos anos?

Zé Roberto – A gente procura se aproximar cada vez mais de características do vôlei masculino, como maior velocidade, mais ataques do fundo e bloqueios mais agressivos. O que ainda não conseguimos igualar no feminino é o saque: hoje, 98% dos atletas homens sacam viagem e entre as mulheres é uma ou outra. Pra fazer isso, a jogadora precisa treinar muito e ter regularidade, senão não adianta. Tem atletas no masculino que mais erram do que acertam o viagem, então vale a pena sacar assim? Isso não é uma crítica, é uma constatação.

Edinara (à esq) é uma das novatas no ciclo olímpico, enquanto Gabi já é uma "veterana" apesar da pouca idade (Foto: Divulgação/CBV)

SdR – Hoje o vôlei feminino também está mais físico do que na década passada? Há, por exemplo, uma carência mundial de boas passadoras, enquanto muitas atletas atacam bem…

Zé Roberto – Tudo isso é o mal que a especialização precoce trouxe. Pra ganhar campeonatos na base, muitos treinadores aceleram esse processo, que deveria estar focado em trabalhar na versatilidade e no gesto técnico. O problema é que isso demanda tempo e muitas vezes não ganha campeonato. Antigamente, mesmo as centrais passavam. Hoje, não tem: 99,9% das líberos entram no lugar da central. Eu mesmo tento não perder essa característica: não treino passes com as centrais, mas todas as nossas opostas treinam passe, caso da Monique, da Tandara, da Sheilla… a Sheilla, depois de uma certa idade, a gente passou a tirar deste exercício até para não desgastar muito, mas é importante você treinar, pois pode precisar em algum momento. Se uma oposta é nota 6, 7 no passe, ela já pode ajudar na linha de recepção.

SdR – E isso é algo que você pretende acentuar nesse ciclo olímpico?

Zé Roberto – Sim, nos nossos treinamentos a gente busca muito isso. Procuramos trabalhar o toque das meios para elas fazerem um bom levantamento quando a levantadora defende e a líbero está fora do jogo… Talvez o Brasil seja o time que mais trabalhe todos os fundamentos com as jogadoras. A Edinara, por exemplo, é uma atleta que temos que trabalhar o passe, pois ela se mostrou uma atleta de personalidade, de atitude e foi bem. Não é alta e tem algumas dificuldades, mas a Mari também tinha no passe. E nunca podemos nos esquecer que ganhamos a Olimpíada de 2008 com Mari e Paula Pequeno de pontas, formando uma linha de passe teoricamente mais vulnerável. Mas elas também estavam muito bem nas bolas altas, que a gente treinou muito para caso o passe não saísse como deveria.

SdR – Apostar na versatilidade é uma maneira de compensar o fato de historicamente as jogadoras do Brasil não serem tão altas como as estrangeiras?

Zé Roberto – Claro. Elas precisam ter mais habilidade e saber se virar melhor em situações difíceis.

Técnico preza pela versatilidade e capricho nos fundamentos em seus treinos (Foto: Leandro Martins/MPIX/CBV)

SdR – Você está iniciando um novo ciclo olímpico na seleção, o que significa mais trabalho e pressão. O que te motiva a seguir?

Zé Roberto – É uma missão. Eu gosto e ainda não vejo minha vida sem a seleção. Defender o meu país, ensinar, passar experiência para as jogadoras, fazê-las jogar pelo mundo contra algumas das melhores me motiva. É tentar também ganhar torneios que ainda não conseguimos, caso do Mundial, que me atrai muito, bem como a Olimpíada de 2020.

SdR – Mas é um custo pessoal muito grande, ainda mais agora que você também está tocando o projeto do Hinode Barueri.

Zé Roberto – Minha mãe dizia uma frase que me marcou a vida inteira: "Quem corre por gosto não cansa". Pra mim, estar na quadra não é um sacrifício. Ontem mesmo (a entrevista foi concedida na terça, 20 de junho), eu dei três treinos: de manhã e à noite com a seleção e à tarde para as meninas do Barueri. Eu venho pra cá feliz.

Saque viagem: a ideia de Renan Dal Zotto que inovou o vôlei

Russas e italianas se classificam para o Mundial. Já as holandesas…

SdR – A família não pede pra diminuir o ritmo?

Zé Roberto – Ao contrário, a família adora e compartilha comigo esses momentos. O que é legal é que eu consegui trazer a minha família junto pro vôlei, elas (a mulher e as filhas) participam ativamente, estão sempre antenadas, vão aos torneios… eu me sinto seguro.

SdR – China e Sérvia chegaram à final olímpica no Rio com elencos jovens. São os times a serem batidos neste ciclo?

Zé Roberto – Também, pois são dois elencos muito fortes. Na Sérvia, acho que vai depender muito do que acontecer com a Ognjenovic (levantadora), que por um lado mostrou interesse em parar com a seleção, mas por outro quer estar no Mundial. Algumas jogadoras são chave nesses times e é o caso da Ognjenovic pra Sérvia: construir uma levantadora como ela não é fácil. Na China, depende do que vai acontecer com a Zhu. Ela é um ponto de referência ali: a China é uma com e outra sem ela, que recebe a maioria das bolas decisivas. Eu gosto muito também da oposta Gong, que é excepcional e faz a diferença. No Brasil, o ponto forte sempre foi o conjunto: saía uma jogadora, entrava outra e a adaptação era mais fácil. Por exemplo: a Fofão saiu e demos mais rodagem pra Dani Lins e pra Fabíola, que responderam bem às expectativas. E olha que substituir uma Fofão é complicado…

SdR – Essa adaptação mais fácil tem a ver com o fato de geralmente o Brasil ir com força máxima pros torneios? A China, por exemplo, chegou a jogar finais de Grand Prix com o elenco completamente modificado.

Zé Roberto – A Lang Ping fez isso algumas vezes no último ciclo olímpico, mas não era uma característica dela quando dirigiu os Estados Unidos. Ela tentou não expor o elenco, mas correu um risco muito grande porque o que acabou ressuscitando a China na Olimpíada foi o jogo contra a gente. Antes, vinha muito mal. Não sei se vai repetir isso agora. O Brasil mesmo fez menos jogos completo no quadriênio da Fofão do que no seguinte, com Dani Lins e Fabíola.

SdR – Ainda assim, o Brasil costuma manter uma espinha dorsal. Os Estados Unidos também variam muito, a ponto de o Karch Kiraly ter chegado para o Rio com três levantadoras no elenco…

Zé Roberto – Isso aconteceu porque ele acreditava muito naquela levantadora que jogou aqui, a Courtney Thompson. Ele acreditou que isso daria resultado…

SdR – Ele também jogou a Olimpíada com duas opostas de características semelhantes

Zé Roberto – Isso foi uma escolha dele, de achar que aquelas duas eram as ideais.

SdR – Mas não falo nem quem estava melhor ou não, é de variação de jogo mesmo.
Zé Roberto –
É, eu acho que se a gente ficar mudando muito, vira uma situação comprometedora. O time não cria um conjunto, um sincronismo. As jogadoras precisam se conhecer, se entender, ter uma situação de familiaridade. Cada levantadora tem um timing, um gesto diferente… Apesar que ainda temos algumas levantadoras pra jogar, como a Juma, do sub-23, a Dani que ainda não encerrou o ciclo na seleção e a própria Fabíola. Temos feito uma progressão nesse quesito. O que temos carência é em algumas posições: conhecendo a base do Brasil, vejo uma falta maior em opostas e em ponteiras passadoras com altura. Por outro lado, há quatro centrais acima de 1,90 m na seleção sub-20, o que é muito bom. Nossa busca agora também é pela altura e não tem aparecido tantas ponteiras e opostas grandes como nos países europeus e nos Estados Unidos.

SdR – Você nunca escondeu sua admiração pela Kim. Ela ainda é a melhor do mundo, na sua opinião?

Zé Roberto – Ela e a Zhu são hoje as duas protagonistas do voleibol mundial.

Derrota nas quartas do Rio doeu, mas Zé diz não se martirizar por isso (Foto: Divulgação/FIVB)

SdR – A China foi campeã olímpica com a Lang Ping, sendo um caso raro de técnica mulher no vôlei de alto rendimento. Por que você acha que tão poucas mulheres viram treinadoras bem sucedidas?

Zé Roberto – É uma pergunta que eu também me faço e fiz em um curso técnico no qual dei uma aula recentemente. Eram duas mulheres entre 31 pessoas. Talvez elas se preocupem mais com a formação do que com o alto rendimento. Isso, inclusive, também acontece com muitos homens. A cobrança do alto rendimento é muito complicada de lidar.

SdR – E agora a Fofão está fazendo cursos de formação…

Zé Roberto – Acho que é o caminho, pois ela fez o nível 2 recentemente, inclusive com um de nossos treinadores aqui. Acredito que, no futuro, ela vai aceitar o desafio. Ela quer ver primeiro, mas acho que leva jeito. É o que sempre digo: começa na formação, um passo de cada vez, para depois sentir se o alto nível é aquilo que ela quer realmente fazer.

Na opinião do treinador, Zhu é a grande protagonista do vôlei hoje ao lado de coreana Kim

SdR – A Rio 2016 ainda te martela a cabeça de vez em quando?

Zé Roberto – A Rio 2016 era uma situação que me preocupava antes. Eu tenho uma certa experiência em Olimpíadas e sei que o mais importante neste torneio é cair em um grupo forte, pois ou você passa ou você sucumbe e fica pelo caminho. Se consegue passar, o ritmo que adquiriu te dá uma base diferente. Quando, nessa trajetória, você perde um ou outro jogo, tal derrota também te mostra coisas importantes, onde seu time precisa evoluir. O duro é o que aconteceu com a gente: pegamos um grupo que, quatro anos antes, seria muito forte: Coreia e Japão foram semifinalistas em Londres, a Rússia foi um jogo pesadíssimo… só que, no quadriênio, nenhuma dessas equipes se apresentou bem. Quando vi que a gente iria cair nesse grupo, convidei Sérvia e China, que acabariam sendo as finalistas, para fazer amistosos. O grande problema é que não fomos exigidos na fase de grupos, ganhamos todos os jogos por 3 a 0. E aí, nas quartas, pegamos uma China vinda de uma situação difícil, mas que ia se classificar porque havia dois adversários mais fáceis na chave, não era como os nossos quando vivemos a mesma situação em Londres 2012, onde precisamos ganhar de Sérvia e China nas últimas rodadas. É uma situação diferente. Nas quartas, elas perderam o primeiro set, mas quando viram que podiam jogar de igual pra igual com o Brasil e ganharam o segundo set, criaram mais força no jogo até ganhar da gente no tie-break por dois pontos. Eu queria ter caído em um grupo mais difícil correndo todos os riscos do mundo. Mas não é algo que me martiriza.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

SdR – Há algo que estava sob o seu controle que você mudaria? O chaveamento dos grupos não dependia somente do Brasil.

Zé Roberto – É o dia. E naquele dia aconteceu o que? A Zhu fez uma partida formidável. Já nos amistosos contra elas, quando a número 10 (Liu Xiaotong)  entrou e arrumou o passe chinês, eu vi que, se isso acontecesse no jogo, ia complicar a nossa vida. Eu já sabia o que poderia acontecer. Como, de fato, aconteceu. Não conseguimos parar a Zhu em momento algum e mesmo assim perdemos no tie-break por 15 a 13. Foi um pecado. A Lang Ping e a China tiveram méritos, tanto que ganharam a Olimpíada depois, mas foi um time que começou muito mal.

SdR – E por que você não usou a Fabíola neste jogo contra a China?

Zé Roberto – Porque eu não achei que tivesse a necessidade de usá-la. Não era algo primordial. As coisas estavam equilibradas e o time estava bem em ataques pelo fundo… você usa a inversão quando há necessidade, a rede não casa ou precisa de um bloqueio mais pesado. Não era uma situação assim.

SdR – Apesar da derrota, tive a sensação que as pessoas aceitaram melhor a eliminação. Houve críticas, claro, mas não no nível que se esperaria antigamente. Você também sentiu isso?

Zé Roberto – As pessoas entenderam o esforço e a dedicação do time. Se esse jogo tivesse acontecido na fase de classificação, tudo poderia mudar. É tudo "se", como aconteceu em Londres e como não aconteceu em Pequim. A seleção feminina é um time que tem o respeito dos brasileiros pelo resultado que alcançou e cair em uma quartas de final com luta é entendido. Muita gente chorou e sentiu essa derrota.

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.