Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Voleicast: quais são as chances do Brasil no Mundial de Clubes feminino?

Janaína Faustino

26/11/2019 06h00

Com problemas no ataque pelas pontas neste começo de temporada, o Minas enfrentará adversários complicados na competição (Foto: Ignácio Costa/MTC)

O Campeonato Mundial de clubes de vôlei feminino 2019 começa na terça-feira da semana que vem (3) com a promessa de ser um dos mais equilibrados dos últimos anos. Sediado na cidade de Shaoxing, na China, a competição terá oito equipes na luta pelo troféu: os anfitriões Guangdong Evergrande e Tianjin Bohai, os italianos Novara e Conegliano, os turcos Vakifbank (atual tricampeão) e Eczacibasi e os brasileiros Itambé Minas e Dentil Praia Clube.

Todos estão divididos em dois grupos de quatro equipes cada que se enfrentarão. Os dois melhores de cada grupo avançam à semifinal, sendo que o primeiro encara o segundo da outra chave. A partir de então, as partidas serão disputadas em esquema de mata-mata para a definição dos finalistas e do campeão.

Em função do nível dos times em disputa, será complicado o Minas repetir o feito da edição passada. Para quem não lembra, em uma partida histórica, o time campeão brasileiro superou o poderoso Eczacibasi na semifinal e acabou superado pelo Vakifbank na decisão, terminando com o vice-campeonato.

Este é o assunto da 14ª edição do Voleicast, o podcast de vôlei do Saída de Rede. No programa, as jornalistas Carolina Canossa e Janaina Faustino avaliam quais são as chances dos brasileiros no torneio, chamando a atenção para o atual momento de instabilidade vivido pelo time minastenista, que perdeu o técnico italiano Stefano Lavarini e as ponteiras Natália e Gabi, protagonistas na vencedora campanha do ano passado, e contratou as bicampeãs olímpicas Thaísa e Sheilla.

E mais:

Natália e Gabi mostram serviço na Europa a menos de um ano da Olimpíada de Tóquio

– Ouça nos outros episódios do Voleicast: qual é o equilíbrio de forças da Superliga feminina e da Superliga masculina?

Além disso, analisamos as possibilidades e o começo de temporada do Praia Clube, equipe que não manteve em seu plantel nomes de respeito, como a bicampeã olímpica Fabiana e a levantadora norte-americana Carli Lloyd. Por outro lado, assinou com a ponta/oposta domincana Braylein Martinez e preservou jogadoras, como a passadora Fernanda Garay e a oposta americana Nicole Fawcett. As novas peças indicam que, aparentemente, o time de Uberlândia conseguiu fazer escolhas mais acertadas na recomposição do elenco para 2019/2020. Apontamos, ainda, quais são as equipes favoritas ao título.

É só apertar o play abaixo:

Também é possível ouvir o Voleicast no seu celular através dos principais agregadores de podcast do mercado, caso do Spotify, Google Podcasts, Podcasts da Apple, Breaker e PocketCasts.

E você, concorda com as jornalistas? Na sua opinião, o Itambé Minas pode surpreender e repetir a campanha do ano passado no Mundial de Clubes? E o Praia Clube, tem chances de medalha? Diga o que acha através da caixa de comentários abaixo, na nossa fanpage no Facebook, no nosso Twitter, no nosso Instagram ou pelo e-mail saidaderede@uol.com.br. Você também pode aproveitar a oportunidade para dar sugestões, fazer críticas ou até mesmo elogiar o Voleicast.

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede