Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Natália e Gabi mostram serviço na Europa a menos de um ano de Tóquio

Janaína Faustino

21/11/2019 06h00

Após sofrer na seleção feminina de vôlei com problemas físicos, Natália está se saindo bem na Europa (Fotos: Divulgação/CEV)

Às vésperas dos Jogos de Tóquio, o torcedor brasileiro pode, pelo menos até o momento, respirar aliviado. Depois de passarem por maus bocados neste ciclo olímpico em função das recorrentes lesões, Natália e Gabi, titulares na entrada de rede da seleção feminina de vôlei, estão dando conta do recado nos turcos Eczacibasi e Vakifbank, seus respectivos clubes na Europa.

A temporada 2019/2020 tem sido especial principalmente para Natália, que se machucou em julho, na final da Liga das Nações, competição na qual o Brasil ficou com a medalha de prata. Com uma lesão muscular na panturrilha esquerda, a ponteira nem jogou o Pré-Olímpico de agosto, torneio mais relevante do ano que classificou a seleção para a Olimpíada no ano que vem. Entretanto, de volta à Turquia após a vitoriosa passagem pelo Itambé Minas, ela tem mostrado que se recuperou e vem correspondendo.

Nesta terça-feira (19), a jogadora foi o maior destaque ofensivo do time no clássico caseiro contra o Fenerbahçe, clube onde atuou entre 2016 e 2018, na abertura da fase de grupos da Champions League. Pelo grupo A, o Eczacibasi, comandado pelo brasileiro Marco Aurélio Motta, venceu o rival por 3 a 2 (25-23, 25-18, 23-25, 22-25 e 15-10) e a atacante marcou 26 pontos, saindo como a MVP da partida.

Confira mais:

Sesc saca melhor, bate o surpreendente Barueri fora de casa e mantém 100% na Superliga

Zé Roberto: "O Paulista foi um dos títulos mais importantes da minha vida"

Ouça no Voleicast: Brasil passa sufoco nos torneios Pré-Olímpicos

A oposta sérvia Boskovic apareceu logo em seguida, com 20 acertos, enquanto que a ponta sul-coreana Kim Yeon-Koung fez 9. Pelo Fenerbahçe, liderado por Zoran Terzic, treinador da seleção dos Bálcãs, a cubana Melissa Vargas se destacou ao colocar 23 bolas no chão pela saída de rede e a ponta norte-americana Kelsey Robinson colaborou com 18 pontos.

Já Gabi, que está tendo sua primeira experiência fora do país, não viveu uma jornada muito feliz em sua estreia na mais importante competição interclubes do planeta. Um dos candidatos ao título da Champions, o Vakifbank, do italiano Giovanni Guidetti, foi superado em casa pelo italiano Savino Del Bene Scandicci em jogo válido pelo grupo B, nesta quarta-feira (20).

Na partida decidida somente no tie-break (25-21, 19-25, 13-25, 25-15 e 15-11), a brasileira anotou 13 pontos. Apesar do revés, Gabi ainda liderou as estatísticas de recepção com um aproveitamento de 60%.

A oposta sueca Isabelle Haak enfrentou o seu ex-clube pela primeira vez na temporada e terminou como a maior pontuadora do time de Istambul, marcando 18 vezes. A meio de rede sérvia Milena Rasic e a ponta/oposta turca Ebrar Karakurt fizeram 12 e 11 pontos, respectivamente. Do outro lado, destaque para a passadora mexicana Samantha Bricio, responsável por 15 acertos.

Apesar de ainda buscar a melhor adaptação ao voleibol turco, Gabi já vem se sobressaindo no poderoso Vakifbank. Na foto, ela aparece recebendo instruções do técnico Guidetti

A dupla também tem se sobressaído no campeonato local neste começo de temporada. Ambas aparecem nas estatísticas de melhor passe da competição, o que é excelente para a seleção brasileira uma vez que a equipe andou oscilando excessivamente no fundamento, sobretudo na Liga das Nações.

Com 64% de aproveitamento no passe, Natália tem ajudado o Eczacibasi a se manter na liderança do torneio com 26 pontos (9 vitórias em 9 jogos). Gabi, por outro lado, tem 62% de rendimento no fundamento e seu Vakifbank, campeão turco em 2018/2019, soma 24 pontos, com 8 vitórias e 1 derrota para o Fenerbahçe.

Além disso, as brasileiras também se destacam entre as melhores ponteiras da competição. Enquanto Gabi ocupa a sétima posição no ranking em que se avalia o desempenho de cada atleta na recepção, no saque, no bloqueio e no ataque, Natália aparece em décimo lugar.

A expectativa do fã de vôlei, certamente, é que, em um ano em que a seleção ficou tão marcada por problemas físicos diversos, as jogadoras consigam manter o ritmo, cresçam ainda mais até o final desta temporada pré-olímpica e não sofram novas lesões, já que qualquer desgaste além da conta pode custar a vaga em Tóquio.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede