Saída de Rede

Seleção masculina fecha 2017 com saldo positivo

Sidrônio Henrique

20/09/2017 06h00

Jogadores brasileiros comemoram título da Copa dos Campeões, o segundo do ano (fotos: FIVB)

Dois ouros, uma prata. Quando se olha para os resultados não há dúvida, a seleção brasileira masculina de vôlei foi bem na temporada 2017. Na condição de sucessor do multicampeão Bernardinho, o técnico Renan Dal Zotto se apegou ao que havia de melhor entre os atletas, como fez questão de ressaltar durante a recém-encerrada Copa dos Campeões. Parece óbvio procurar o que há de melhor, mas o início de um ciclo olímpico é aquele período ideal para dar descanso aos veteranos e abrir espaço para novos talentos. É aí que vem o porém. Entrando em quadra na maioria das vezes com os titulares, que só se ausentavam se estivessem contundidos, o time triunfou quase sempre diante de rivais enfraquecidos. Quando foi mais exigido, na final do principal torneio do ano, a Liga Mundial, perdeu – foi por pouco, mas saiu derrotado.

Siga @saidaderede no Twitter
Curta o Saída de Rede no Facebook

O Brasil já começou a Liga Mundial classificado para as finais, na condição de país-sede. Mas tendo a base campeã olímpica em 2016, com um ou outro acréscimo, a equipe perdeu três vezes na fase inicial e para seleções que sequer ficaram entre os seis primeiros – reveses para a inconstante Polônia com vários reservas, para a sacadora Bulgária e para a Argentina sem o ponta Facundo Conte e com o levantador Luciano De Cecco se reintegrando ao time.

Renan Dal Zotto manteve a base do time campeão olímpico

Derrota em casa
Vieram as finais em Curitiba e o time tinha no seu grupo a equipe B da Rússia e o bom mas inexperiente Canadá. Vitória sobre ambos, com dificuldade diante dos novatos russos. Na semifinal, o Brasil superou a seleção B dos Estados Unidos. Na decisão diante da França, numa partida equilibrada, o ponta Earvin N’gapeth, o central Kevin Le Roux e o levantador Benjamin Toniutti fizeram a diferença no tie break.

A segunda competição em 2017 foi o Sul-Americano, torneio em que a seleção brasileira saiu vencedora em todas as edições de que participou. Favorito, o Brasil viu sua vida ficar ainda mais fácil quando a Argentina, única fonte de preocupação, conseguiu perder a semifinal para a frágil Venezuela. Na final, o time de Renan Dal Zotto marcou 25-6 em uma das parciais.

Chegou a Copa dos Campeões, torneio analisado nos últimos dias pelo Saída de Rede. O Brasil ainda perdeu para a desfalcada Itália, mas faturou o título no saldo de sets. Curiosamente, em uma competição sem tanta importância, Renan não abriu mão de manter os titulares em quadra mesmo contra o inexpressivo Japão. Veja esta declaração do treinador ao SdR sobre esse campeonato, numa entrevista publicada em maio: “É uma oportunidade de levar alguns garotos interessantes para enfrentar aquelas seleções, vai ser um laboratório muito importante”. Até que alguns jovens foram ao Japão, caso dos ponteiros Rodriguinho e Douglas, mas não viram a cor da bola.

Seleção brasileira durante a final da Liga Mundial em Curitiba

O que vem por aí
A próxima temporada é ano de Mundial. A seleção brasileira, tricampeã do mundo, foi prata na última edição, em 2014. Sem a benesse de adversários à meia-força como em 2017, quais serão os resultados do time de Renan Dal Zotto em 2018? Terá condições de subir ao pódio e trazer uma medalha? No papel, sim. A equipe titular, formada por Wallace, Bruno, Lucarelli, Maurício Borges, Lucão, Maurício Souza e os líberos Tiago Brendle e Thales, é um conjunto forte.

A dúvida é se, com os ajustes táticos feitos ano a ano na modalidade, o Brasil estará preparado para superar os principais adversários, lembrando que o time já capitulou diante de forças intermediárias. Renan, como se esperava, aproveitou o legado imediato de Bernardinho. Mas essa geração, como o ex-técnico da seleção ressaltou mais de uma vez, é composta por operários, diferentemente da constelação de gênios da década passada.

A seleção brasileira segurou várias vezes a prata ao longo desta década, até comemorar o ouro na Rio 2016. E se os vice-campeonatos são importantes e devem ser valorizados, é bom não esquecer que Bernardinho, com seus métodos e visão, conduziu o time a essas conquistas. Foi assim, por exemplo, no Mundial 2014, quando o Brasil com vários atletas contundidos, num torneio longo e desgastante, chegou a mais uma final.

Será que o Brasil se manterá entre os melhores do mundo em 2018?

Conceitos
Inevitavelmente, quando há uma mudança de comando técnico numa equipe, o novo treinador tem que colocar em prática seus conceitos. Essa foi uma inquietação explicitada por profissionais como Julio Velasco e Stéphane Antiga, respectivamente, pouco depois de assumirem as seleções da Argentina em 2014 e do Canadá em 2017.

O Brasil está claramente em um patamar mais alto do que argentinos e canadenses e aí reside o desafio de Renan, independentemente da experiência dos seus jogadores. Ele não está guiando um carro popular, do qual se espera um rendimento mediano, mas um modelo sofisticado, que exige mais conhecimento de quem o pilota para aproveitar seu potencial. O SdR espera que em 2018, diante de confrontos mais difíceis, com um torneio de ponta pela frente, a seleção brasileira mantenha o bom desempenho.

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo