Saída de Rede

Como explicar a dificuldade da seleção feminina contra rivais asiáticos em 2017?

Carolina Canossa

16/07/2017 04h26

Japonesa explora mão de fora da bloqueadora brasileira: jogada repetida à exaustão no fim de semana (Fotos: Divulgação/FIVB)

A bela vitória sobre a vice-campeã olímpica Sérvia parecia um início promissor para a seleção brasileira feminina de vôlei na atual rodada do Grand Prix. Mas aí vieram dois duelos contra seleções asiáticas e tudo mudou: depois do inédito 3 a 0 sofrido diante da Tailândia, na madrugada deste domingo (16) o time comandado pelo técnico José Roberto Guimarães foi derrotado pelo Japão, desta vez por 3 a 2, parciais de 25-22, 26-24, 19-25, 20-25 e 17-15.

O resultado complica as chances de classificação das brasileiras para a fase final da competição: se o time não quiser ficar fora da disputa por medalhas pela primeira vez desde 2003, será preciso conquistar bons resultados contra Bélgica, Holanda e Estados Unidos esta semana em Cuiabá (MT). Afinal, foram somados apenas um dos seis pontos possíveis contra seleções asiáticas até o momento, totalizando nada menos que seis sets perdidos (cinco em sequência).

Mas quais serão as dificuldades apresentadas por esta renovada equipe contra a escola asiática, tradicionalmente caracterizada por muita defesa, velocidade e ataques técnicos? O Saída de Rede tenta explicar:

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

1 – Bloqueio facilmente explorado

Quem não assistiu ao duelo contra as nipônicas pode estranhar este tópico. Afinal, está lá na estatística: foram 22 pontos de bloqueio a favor da seleção brasileira. Como então o fundamento pôde ser um problema? Simples: boa parte destes pontos foram basicamente feitos ao longo do terceiro e do quarto set. Assim como já havia ocorrido contra a Tailândia, o Japão conseguiu explorar muito bem os braços das bloqueadoras brasileiras. O resultado é que a defesa ou não chegava na bola ou acabava se atrapalhando. O problema foi minimizado com as entradas de Monique e Carol, que uniram-se a Adenízia, mas até isso acontecer o estrago já estava feito…

Natália (camisa 12): com mais responsabilidade no passe, ela tem rendido menos no ataque

2 – Natália irregular

Testada no posto de ponteira de preparação nesta temporada de 2017, Natália não tem correspondido bem ao desafio. Além de a recepção brasileira estar falhando mais do que o desejável, a capitã perdeu rendimento no ataque e vem apresentando pouca variação de golpes. Isso ficou especialmente evidente neste fim de semana, quando as diagonais atacadas das posições 2 e 4 estavam muito bem marcadas pelos adversários. Tandara até conseguiu se adaptar, mas o mesmo não ocorreu com a jogadora do Fenerbahce, que foi mantida em quadra pela comissão técnica.

3 – Falta de jogadas com as centrais

É verdade que o passe não tem ajudado muito, mas a levantadora Roberta poderia ter utilizado mais Adenízia, Bia e Carol como opções ofensivas. É o tipo de bola que as asiáticas tendem a ter mais dificuldades para defender, seja pela trajetória mais curta, seja pela velocidade.

4 – Sistema defensivo perdido

Bem postado contra seleções de mais força física, caso das europeias, o sistema defensivo brasileiro claramente sentiu a mudança contra times que conseguem jogar rápido mesmo quando a recepção não é a ideal. Não bastasse ser bastante explorado, o bloqueio constantemente chegava quebrado, dando pouco tempo para as atletas no fundo de quadra armarem o gesto técnico que possibilitaria um bom contra-ataque. O que mais se viu foi a bola batendo em alguma defensora e indo para fora da quadra…

Seleção agora terá que mostrar força mental para buscar classificação em Cuiabá

Coisas que eu acho que acho…

Tomando emprestado o nome da seção criada pelo colega Alexandre Cossenza, blogueiro de tênis aqui no UOL Esporte, vamos a rápidos palpites sobre o que poderia ter sido feito contra as tailandesas e as japonesas:

Suelen testada em ao menos um dos jogos – Ok, é compreensível que a comissão técnica queira dar espaço para várias jogadoras neste início de ciclo, mas não fez muito sentido ter colocado Gabi de líbero em duas partidas de características parecidas se a intenção era compará-la com Suelen, que vinha de titular até então. Talvez o melhor fosse ter colocado a atleta que defendeu o Vôlei Nestlé em algum jogo da rodada anterior e a nova defensora do Dentil/Praia Clube em uma das partidas do fim de semana para ver como ela se sairia diante da escola oriental;

– Tandara como ponteira – Muita gente não entendeu porque a oposta foi sacada ao longo da partida para dar lugar a Monique, já que vinha com um bom índice de virada de bolas. A resposta é simples: ela não estava efetiva no bloqueio e nem na defesa. Não por acaso, o Brasil chegou ao empate com a atacante reserva em quadra. Só que, diante desta situação e do fato de Natália não estar bem, uma alternativa era ter colocado Tandara na entrada, posição que ela já exerce no clube;

– Nova levantadora – É um fato que levantadora precisa de rodagem. Provavelmente essa foi a intenção de Zé Roberto ao bancar tanto a opção por Roberta, ainda que a armadora do Sesc-RJ não estivesse bem. Mesmo assim, não custava ter dado uma chance de verdade para a reserva Naiane ao longo do jogo, especialmente devido à insistência de a titular acionar as extremidades, deixando de lado as bolas chinas e de meio fundo.

Depois destes dois baques, é hora de ver se esse time terá a força mental para reagir no próximo fim de semana e buscar a classificação no último Grand Prix da história. A longa viagem de volta ao Brasil será um obstáculo extra, mas o fato de não haver asiáticos no grupo já traz um certo alívio para a torcida verde-amarela.

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo