Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Alison: “O momento não é meu, mas eu quero muito mais que eles”

Carolina Canossa

24/07/2019 06h00

Alison: "Se não aguenta o peso do País nas costas, não tem de estar entre os melhores" (Foto: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool)

A exatamente um ano da abertura da Olimpíada de Tóquio, a vaga ainda não está garantida. Com uma parceria formada apenas no mês de março com Álvaro Filho, o campeão olímpico Alison Cerutti sabe que não ostenta mais o favoritismo de antes. A confiança, porém, continua em alta.

"Eu não chego como favorito, mas chego como nome de peso. O momento, agora, não é meu, mas eu quero muito mais do que eles. O que me conforta e me dá tranquilidade é que eu treinei para aquilo já. Eu já estudei para a prova, então, eu sei como chegar lá. Eu quero muito chegar lá. E não tem nada que vai me parar", comenta o atleta, que, por coincidência, está em Tóquio para mais uma etapa quatro estrelas do Circuito Mundial. "Eu gosto de momentos decisivos. E esse momento da minha carreira é decisivo", avisa.

O torneio no Japão, aliás, não só é um evento-teste pra Olimpíada como mais um dos que contam pontos para a corrida olímpica brasileira, que definirá as duas duplas representantes do país em Tóquio 2020. Atualmente, ele e Álvaro Filho ocupam a segunda posição na lista, com 3.830 pontos, pouco à frente de André Stein e George, que somam 3.520 – as duas duplas, inclusive, fizeram a final da etapa de Portugal, no último fim de semana, com vitória do time de Alison. A liderança da corrida olímpica é de Evandro e Bruno Schmidt, que tem com 4.640 pontos.

E mais:

– Ouça o Voleicast, podcast de vôlei do Saída de Rede

– Curta o Saída de Rede no Facebook

– Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Curiosamente, Bruno foi justamente o parceiro com quem Alison conquistou o ouro olímpico há três anos. Ambos decidiram seguir novos rumos e, neste período, o "Mamute" ainda tentou uma dupla com André Stein. Em âmbito internacional, duplas como os noruegueses Mol/Sorum, os alemães Thole/Wicker e os russos Krasilnikov/Stoyanovskiy são as maiores ameaças.

"Não vai ser fácil. O estresse físico é muito grande. O emocional também. Se você não aguenta pressão, se não aguenta torneios grandes, se não aguenta o peso de um país nas costas, você não tem de estar entre os melhores", avisa Alison, antes de acrescentar: "Tem de ter humildade para saber que vai recomeçar, para saber que vai ser tudo de novo. Tem de saber o peso de você ser o Alison, dos títulos que você tem… humildade de encarar isso tudo e olhar para frente".

PROTAGONISTA DE SÉRIE

Quem quiser ficar por dentro do dia a dia de Alison pode acompanhar a série "Se Prepara", feita por um dos patrocinadores do atleta, a Red Bull. Em vídeos curtos e divertidos, Alison revela suas paixões, como a pelos seus cachorros, as superstições, os rituais, a composição da alimentação e os principais aspectos do treinamento para se manter no auge. Os episódios com Mamute pode ser acessados pelo link https://www.redbull.com/br-pt/videos/se-prepara-acao-alison-cerutti.

O episódio principal, inclusive, pode ser visto abaixo:

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.