Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Ranking da Superliga: para mudar, atletas devem ir além das redes sociais

Carolina Canossa

03/04/2019 06h00

Jogadoras como Natália acreditam que machismo está relacionado à manutenção do ranking. No próprio post da ponteira, porém, o ex-jogador Gustavo Endres lembrou que decisão não é da CBV e que foi preciso envolvimento nos bastidores para acabar com a medida no masculino (Foto: Reprodução/Instagram)

Dani Lins, Fabiana, Gabi, Natália, Sheilla, Tandara e Thaisa. Poderia ser a convocação da seleção brasileira de vôlei, mas essa lista, na verdade, reúne as jogadoras que se posicionaram abertamente contra a manutenção do ranking da Superliga feminina por mais um ano. Criada na temporada 1992/1993, a regra determina quais são as melhores jogadoras do Brasil e tem como objetivo impedir que todas se reúnam em um só time, evitando um suposto desequilíbrio na competitividade do torneio – para a temporada 2019/2020, por exemplo, cada equipe só poderá contar com duas elas, classificadas com sete pontos pelos critérios da medida.

O ponto deste texto, porém, não é sobre a justiça ou a efetividade do ranking. Tal discussão é ampla e ambos os lados possuem argumentos válidos. A questão aqui é que, entra ano, sai ano, tão certo quanto a realização mais uma Superliga, é que haverá protestos das atletas contra o ranking. Por que então elas insistem em uma tática que já provou ineficiente? É preciso ir além de posts em redes sociais e ameaças – nesta terça (2) mesmo, Thaisa divulgou um comunicado à imprensa alegando que a manutenção do ranking aumentam suas chances de jogar fora do país.

Leia mais:

Praia e Minas confirmam favoritismo e saem na frente nas semis da Superliga

Pois esta é justamente uma das soluções: se os protestos pacíficos não estão dando resultados, é hora de partir para atitudes mais contundentes. Todas as "sete pontos" insatisfeitas, por exemplo, poderiam decidir somente fechar com clubes que votaram contra o ranking ou do exterior enquanto a medida prevalecer – mercado para isso certamente não falta para elas. Trata-se de uma medida que afetaria diretamente os times, os responsáveis de fato pela continuidade da lista (a CBV dá o poder de decisão a eles, com cada uma das dez melhores equipes da Superliga tendo direito a voto junto com um representante da comissão dos atletas). Sem dúvida, é um sacrifício do ponto de vista pessoal, mas vale pelo causa, não?

Outra solução é seguir o exemplo dos jogadores do masculino, "infiltrando-se" no sistema de decisões: ex-jogadores como Gustavo Endres e Giovane Gávio viraram dirigentes/técnicos e tiveram grande influência na mudança. Já no feminino, qual ex-atleta se interessou por seguir caminho semelhante? Uma terceira alternativa é pressionar a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) no que, de fato, ela deve ser pressionada: aumentar o poder de voto dos atletas para tentar equilibrar a eleição em que também participam os clubes.

Se continuarem apenas nas redes sociais, é provável que tais jogadoras se aposentem vendo o ranking em vigor, enquanto buscam explicações erradas, como o machismo (algo muito presente no esporte brasileiro, mas que não se aplica ao caso).

Em tempo: na última votação, apenas o Dentil/Praia e a comissão dos atletas votaram pelo fim do ranking. Todos os demais times optaram por seguir com a medida, que também classificaram como sete pontos as levantadoras Fabíola e Macris e as ponteiras Fernanda Garay e Tifanny Abreu.

Em tempo 2: acabar com o ranking é importante, mas o problema do vôlei brasileiro vai além disso e envolve a capacidade financeira dos clubes de bancarem o salário pedido pelas atletas.

Em tempo 3: no ano passado, houve até uma tentativa de intervenção judicial no ranking feminino, mas não deu em nada e nem se fala mais nisso.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.