Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Definidos os grupos do Campeonato Europeu masculino de 2019

Carolina Canossa

18/01/2019 06h00

Atual campeã, seleção russa tentará o décimo quinto título no Europeu 2019 (Fotos: Divulgação/FIVB)

Por Janaina Faustino

Em sorteio realizado em Bruxelas, na Bélgica, foram definidas as quatro chaves com as 24 seleções que participarão do Campeonato Europeu masculino de vôlei nas 4 sedes – França, Eslovênia, Bélgica e Holanda – entre 12 e 29 de setembro.

As seleções participantes foram divididas em 4 grupos de 6 cada. Pelo grupo A jogarão França, Itália, Bulgária, Portugal, Grécia e Romênia. As partidas serão realizadas em Montpellier, cidade francesa. A capital belga Bruxelas receberá os confrontos da chave B, contando com os donos da casa, sérvios, alemães, eslovacos, espanhóis e austríacos.

Já o C terá como sede a cidade de Ljubljana, na Eslovênia. Além dos anfitriões, competirão neste grupo Rússia, Finlândia, Turquia, Macedônia e Bielorrússia. Finalizando, na chave D a Holanda receberá Polônia, República Tcheca, Estônia, Ucrânia e Montenegro em Roterdã e na capital Amsterdã.

Uma das mais tradicionais do vôlei mundial, Itália muda de patamar quando pode contar com Ivan Zaytsev e Osmany Juantorena

Na fase classificatória, todas as equipes se enfrentarão dentro de cada chave e os quatro primeiros colocados avançarão para a etapa eliminatória. De acordo com os cruzamentos, o grupo A jogará contra o C e o B terá pela frente os representantes do D. As semifinais serão disputadas na França e na Eslovênia, enquanto que a grande final acontecerá em Montpellier.

Fazendo uma avaliação preliminar, alguns confrontos bastante interessantes, portanto, já estão programados para a fase de grupos. O duelo entre França e Itália, válido pelo grupo A, certamente será um dos mais aguardados pela rivalidade e por todos os ingredientes que envolvem a seleção francesa, uma das melhores do mundo na atualidade, e a tradicional e atual vice-campeã olímpica Itália.

Liderados pelo fantástico Earvin Ngapeth, os "Bleus" ainda estão devendo nas grandes competições e necessitam conquistar um título de peso que consagre aquela que já é considerada por muitos a mais talentosa geração da história do voleibol francês.

Repleta de estrelas e sempre favorita, seleção francesa luta para quebrar série de fracassos em grandes torneios

Por outro lado, não há dúvida de que a tradicional Itália, com Ivan Zaytsev e Osmany Juantorena à frente, muda de patamar e se torna uma equipe bastante perigosa que concilia bem força física e qualidade técnica. Vale lembrar que a Bulgária, de Tsvetan Sokolov e Rozalin Penchev, é uma equipe que não deve ser menosprezada e, como avançam os quatro primeiros, não deverá ter problemas para também alcançar a classificação.

Pela chave B, destaque para o cotejo entre a talentosa (e instável) Sérvia, de Uros Kovacevic e Aleksandar Atanasijevic, contra a seleção belga, repetindo o jogo que deu a medalha de bronze aos representantes dos Bálcãs no Europeu de 2017. Ainda neste grupo, aparece a jovem Alemanha, treinada pelo ícone italiano Andrea Giani que levou a seleção à inédita conquista da prata na última edição do torneio.

Tricampeã mundial, a Polônia poderá contar com o polonês naturalizado Wilfredo León, estrela que aumentará ainda mais o poder de ataque da equipe

A atual campeã Rússia é a grande favorita do grupo C ao lado da emergente Eslovênia. Comandada pelo técnico Sergey Shlyapnikov, que acumula grande experiência com as equipes de base, a seleção russa vem se renovando e, aos poucos, tem transformado sua forma de jogar voleibol, investindo em um jogo mais acelerado e técnico. A equipe, que conta com nomes do naipe de Maxim Mikhaylov e Dmitriy Muserskiy, além dos promissores Egor Kliuka e Dmitry Volkov, seguirá em busca de seu 15º título na competição – considerando as 11 conquistas da extinta União Soviética e uma da Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

Na última chave da fase de grupos, a tricampeã mundial Polônia não deverá encontrar grandes dificuldades para se classificar. Além do poderio de ataque de Bartosz Kurek, Michal Kubiak e do jovem Artur Szalpuk, o time do Leste Europeu poderá contar já com a força do astro Wilfredo León, o que certamente agitará o cenário internacional do vôlei masculino.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.