Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Bruno: "Nossa Superliga tem que ser mais organizada"

Carolina Canossa

21/11/2018 06h00

Para Bruno, Brasil tem a aprender com a Itália em organização e na parte tática (Foto: Divulgação/Civitanova)

Brasil ou Itália. Desde que o vôlei virou profissão, Bruno Rezende esteve em algum clube destes dois países. Com baixo interesse em jogar em alguma outra liga, o levantador aproveita a experiência no país europeu, que considera ter "o melhor campeonato do mundo", para indicar o que pode melhorar por aqui.

"Nosso país, nossa Superliga tem que ser mais organizada", comentou o jogador, que atualmente defende as cores do Lube Civitanova. "Espero que possam copiar de certa forma o estilo de como o campeonato é organizado na questão de televisão, patrocinadores… Estamos um pouco atrás ainda e acredito que essas sejam as coisas importantes para a Superliga seguir crescendo", complementou.

Após lesão assustadora na China, Tandara mostra otimismo

Base feminina: por que não estão surgindo novos talentos no Brasil?

O que se vê dentro de quadra também é alvo de ponderações do armador campeão olímpico na Rio 2016. "O nível de jogo, a parte tática também precisa crescer no Brasil. Todos os brasileiros sabem jogar muito bem na parte técnica, mass falta um pouco da parte tática, que aqui é muito forte. Podemos pegar isso também para fazer que a Superliga cresça", analisou.

Assim como Yoandy Leal, Bruno acredita que a falta de entrosamento entre os jogadores é a causa das oscilações do Civitanova neste início de temporada. Aliás, o fato de agora estar constantemente jogando ao lado do ponteiro, seu companheiro de quarto nas viagens, é visto com otimismo pelo levantador quando o assunto é seleção brasileira – após cumprir os dois anos de afastamento de seleções exigidos pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB) em casos de naturalização, o cubano-brasileiro poderá ser convocado por Renan Dal Zotto a partir de maio do ano que vem.

"Ele tem me perguntado, quer saber… O Leal está ansioso pela oportunidade de servir a seleção brasileira. Eu disse que o bicho pega lá, pois treinamos muito e tem que estar acostumado. Tenho tentado deixar ele bem a par de como é na seleção brasileira. Acho que ele que pode ajudar bastante a seleção se vier com essa filosofia e essa mentalidade", destacou.

*Entrevista concedida a Euclides Neto, em Modena (Itália)

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.