PUBLICIDADE
Topo

Saída de Rede

Tifanny diz que permanece no Brasil e se prepara para possível convocação

Carolina Canossa

05/04/2018 06h00

Tifanny planeja estar com a agenda livre para atender um possível chamado de Zé Roberto (Foto: Guilherme Cirono/Camponesa Minas)

Depois de atrair diversos holofotes e causar muita polêmica, eventos e descanso. Esta tem sido a rotina de Tifanny Abreu desde que seu clube, o Vôlei Bauru, foi eliminado pelo Dentil/Praia Clube nas quartas de final da Superliga feminina. A primeira jogadora transexual a atuar na elite do esporte brasileiro, porém, não desliga totalmente a cabeça do vôlei e já planeja seus próximos passos.

A primeira decisão já foi tomada: apesar de ter recebido propostas do exterior, como um clube da Coréia do Sul, Tifanny vai permanecer no voleibol nacional, provavelmente no próprio Bauru. As negociações do novo contrato já estão em andamento.

"Até pela torcida e pelo pessoal lá, que me acolheram com muito amor e carinho, não seria legal de minha parte dizer 'não', ainda mais agora que eles estarão juntos do Sesi, que é outro clube que me apoia. Pretendo sim ficar", comentou a oposta, em entrevista exclusiva ao Saída de Rede.

Tifanny em números: a estratégia de jogo do Vôlei Bauru

Clubes mantém ranking na Superliga feminina; Tifanny vira sete pontos

Ao avaliar seu desempenho na temporada, que teve até recorde de pontos, Tifanny diz estar satisfeita com o período que classificou de "experiência e aprendizado".

"Para a segunda Superliga espero poder estar melhor", destacou a atleta, que também falou sobre a performance abaixo da média que apresentou na segunda partida contra o Praia, quando marcou apenas três pontos e foi para o banco ainda no segundo set. "Estava com um pouco de dor no ombro direito e também não entendi direito o que o meu técnico pediu para fazer. Sou uma jogadora de mais força e ele queria que eu jogasse com bolas mais trabalhadas. Não estava conseguindo realmente fazer o que foi pedido. Aí, acabei não rendendo o que esperava", admitiu.

No entanto, na visão dela, a vaga na semifinal foi perdida no primeiro confronto da série melhor-de-três. "Tivemos a oportunidade de vencer, mas não conseguimos manter até o fim", lamentou.

PLANEJAMENTO PARA A SELEÇÃO

Desde a eliminação do Bauru, em 16 de março, Tifanny usou o tempo livre para participar de eventos em três unidades do Sesc (Osasco, Taubaté e Carmo). Agora, a jogadora tem aproveitado o período de descanso para viajar com o namorado, antes que o técnico José Roberto Guimarães faça a convocação para a seleção brasileira, o que deve ocorrer em 15 ou 16 de abril.

"Quero curtir um pouquinho até porque tem a convocação da seleção logo. E, se eu for convocada, preciso estar livre para a seleção", destacou a atleta, que recentemente foi elogiada por Zé Roberto ("Mostrou bom nível"). Caso o chamado não ocorra desta vez, ela também tem planos. "Continuarei de férias e farei alguns procedimentos estéticos. Vou aproveitar agora que é o momento que a gente tem", brincou.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede