Saída de Rede

Sobe e desce do vôlei feminino 2017 tem prêmios de Zhu e gigantes em crise

João Batista Junior

28/12/2017 06h00

Ting Zhu segura a taça de campeão europeu do VakifBank: time e jogadora premiados (foto: CEV)

Fim de ano é sempre um momento propício a retrospectivas, avaliações e algum saudosismo. Dentro desse paradigma, dá para dizer que o VakifBank e sua grande estrela, a ponta Ting Zhu, têm motivos de sobra para guardar o 2017 com carinho na parede da memória, assim como a meio de rede Adenízia, do Scandicci e da seleção brasileira. O mesmo não se diz, no entanto, de algumas equipes europeias do primeiro escalão do vôlei.

No Brasil, o Sesc-RJ teve um 2017 de altos e baixos, mas possui motivos para avaliá-lo positivamente, enquanto o Vôlei Nestlé não encontrou muitas razões para comemorar neste ano.

Veja o sobe e desce do vôlei feminino 2017:

Siga o @saidaderede no Twitter
Curta a página do Saida de Rede no Facebook

SOBE
VakifBank
Campeão europeu e mundial, o VakifBank dominou a modalidade em 2017. Com a pesada concorrência caseira do Fenerbahçe e do Eczacibasi VitrA, o time – que também conquistou a Copa da Turquia no último dia 24 – só não teve um ano perfeito porque caiu nas semifinais da liga turca passada, depois de liderar folgadamente todo o campeonato.

Com um elenco que tem nomes como a central sérvia Milena Rasic, a oposta holandesa Lonneke Slöetjes e a levantadora turca Naz Aydemir, a craque do time é a maior jogadora de vôlei das últimas temporadas, a ponta Ting Zhu.

Ting Zhu
Falando em Ting Zhu, dá para dizer que, mais uma vez, o ano foi dela. Com 23 anos completados em novembro passado, a atacante chinesa, além de conduzir sua seleção ao título da Copa dos Campeões e o VakifBank ao topo do mundo, ainda aumentou sua coleção de prêmios individuais.

Rotina: Zhu foi escolhida MVP da Copa dos Campeões: (foto: FIVB)

Zhu foi eleita a melhor jogadora da Liga dos Campeões 2016/2017, do Mundial de Clubes deste ano e da Copa dos Campeões. Nada mal para quem já tinha no currículo os prêmios de MVP da Copa do Mundo 2015 e das Olimpíadas de 2016.

Adenizia
Além do bom desempenho que teve com a seleção brasileira este ano, a central Adenizia vive, no Savino Del Bene Scandicci, da Itália, o auge de sua carreira.

Com 31 anos de idade, a atacante de meio de rede foi a maior bloqueadora da liga italiana 2016/2017 e segue a mesma trilha na atual temporada: após 12 rodadas, tem 52 pontos anotados de bloqueio no campeonato nacional, 15 a mais que a segunda colocada nesse quesito. Sua equipe está no terceiro lugar do campeonato, com dez vitórias em 12 jogos.

Dentil/Praia Clube
Depois de duas temporadas entre os grandes da Superliga (vice-campeão em 2015/2016, semifinalista em 2016/2017), o Dentil/Praia Clube parece firme no caminho para um inédito título nacional desta vez.

Praia, de Claudinha e Fê Garay, lidera Superliga (foto: Divulgação/Praia Clube)

Mesclando jogadoras remanescentes de outras empreitadas, como a levantadora Claudinha e as centrais Walewska e Fabiana, com atletas recém-contratadas, como a oposta norte-americana Nicole Fawcett, a líbero Suelen e as pontas Amanda e Fernanda Garay, o time de Uberlândia dominou amplamente o primeiro turno da Superliga, com 11 vitórias em 11 jogos e apenas dois sets perdidos. Ninguém, no vôlei nacional, termina o ano mais em alta do que o Praia.

Sesc-Rio
Se levássemos em conta só a temporada atual, quando tem convivido com lesões e oscilações, o time de vôlei feminino do Rio não constaria do “sobe” nessa nossa avaliação – talvez ficasse, simplesmente, fora de qualquer lista. Contudo, a equipe aparece aqui porque, embora a parceria de décadas com a Unilever tenha terminado, sua despedida foi em grande estilo.

Além de conquistar a Superliga pela 12ª vez, com uma vitória no tie break sobre o arquirrival Vôlei Nestlé, o então Rexona-Sesc obteve o vice-campeonato mundial em Kobe, no Japão. As cariocas caíram para o VaifBank na disputa do ouro, mas não sem antes superarem equipes do quilate do Dínamo Moscou, na primeira fase, e do Volero Zürich, nas semifinais.

DESCE
Vôlei Nestlé
Vice-campeão da última Superliga, o time do Osasco, apesar de todo o investimento que tem no voleibol, tem tido uma temporada bem oscilante no nacional. O tamanho do problema da equipe pode ser medido na tabela de classificação do campeonato.

Vôlei Nestlé vê líderes a distância na Superliga (foto: João Pires/Fotojump)

Como reflexo do voleibol inconsistente que vem apresentando, o time está a longínquos 11 pontos do Praia na classificação e a seis do Sesc-RJ, segundo colocado. Além disso, as osasquenses, terceiras na classificação, não venceram nenhuma das cinco melhores equipes da tabela.

Camponesa/Minas
Depois da boa campanha na temporada passada, quando esteve a ponto de eliminar o Rexona-Sesc nas semifinais, esperava-se que o Camponesa/Minas lutasse pela ponta da tabela nesta Superliga. Mas não é o que tem ocorrido.

Sem contar com a qualidade do passe de Jaqueline, que foi para o Hinode Barueri, e dependente das cortadas de Destinee Hooker – que demorou para entrar em ação e não tem repetido as boas atuações passadas –, o time sofreu derrotas para as equipes da parte de cima da tabela, como Praia e Sesc, e também para esquadras do pelotão intermediário, como Pinheiros e São Cristóvão Saúde/São Caetano – que venceu as mineiras na ida e na volta.

Dínamo Krasnodar
Bicampeão da Copa CEV – o segundo torneio interclubes mais importante da Europa – em 2016, o Dínamo Krasndar, nos últimos anos, tem convivido com problemas financeiros. O time, que chegou a ter Fernanda Garay e Tatiana Kosheleva no elenco há algumas temporadas, perdeu muitas jogadoras importantes e neste ano, está descendo mais um degrau.

Ao fim de dez rodadas da liga russa, o sexteto de Krasnodar não venceu nenhuma partida, somou apenas dois pontos e amarga a lanterna da competição. O curioso é que, há algumas semanas, a ponteira Liubov Sokolova, de 40 anos, deu uma pausa na aposentadoria e voltou à ativa para defender a equipe, mas isso ainda não foi o bastante para melhorar a situação da equipe no nacional.

Volero Zürich
Acostumado a nadar de braçada no campeonato nacional e a figurar entre as grandes no cenário europeu, o Volero Zürich tem tido uma temporada bem modesta. Com a queda no aporte financeiro, a equipe perdeu titulares como Akinradewo, Rykhliuk, Rabadzhieva, Mammadova e Zvikovic, e, como esperado, sentiu o baque.

Volero Zürich tem tido derrotas na liga suíça (foto: CEV)

Depois de quase seis anos sem saber o que era perder na liga suíça, o Volero já sofreu três reveses na atual temporada e ocupa, ainda assim, a vice-liderança. Na estreia da Liga dos Campeões, uma derrota para o modesto Alba Blaj (Romênia) por 3 a 1 indica um ano difícil para as suíças no torneio. Além disso, o ex-oposto Anderson, campeão olímpico de 2004, começou a temporada como técnico, mas deixou o comando da equipe uma semana antes da estreia na Champions – foi substituído pelo holandês Avital Selinger.

Casalmaggiore e Bergamo
O Pomì Casalmaggiore venceu a liga italiana em 2015 e a Champions League em 2016. Já o Foppapedretti Bergamo, mais tradicional, é sete vezes campeão continental, oito vezes campeão italiano e ganhou, ano passado, a Coppa Itália. Mas, na atual temporada, a situação da dupla é de amargar.

Entre 12 equipes, o Casalmaggiore, de Lo Bianco, Brayelin Martinez, Sarah Pavan, Martina Guiggi aparece na décima posição, com duas vitórias e dez pontos em 12 jogos, e o Bergamo, de Myriam Sylla, Sanja Malagurski, no penúltimo lugar – um triunfo a mais e um ponto a menos que o Pomì.

Não bastasse a campanha vexatória, a direção do Casalmaggiore teve também uma atitude que vai totalmente na contramão do profissionalismo: o presidente do clube, Massimo Boselli, anunciou, no último dia 17, que os salários das jogadoras estavam suspensos até que o desempenho em quadra fosse satisfatório.

(Há alguns meses, fizemos uma avaliação do ano das seleções. Clique aqui para ver.)

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo