PUBLICIDADE
Topo

Campeão de tudo, Bruno diz: “Nem nos melhores sonhos imaginei isso”

Carolina Canossa

09/12/2019 06h00

Levantador celebra título junto com companheiros de equipe (Fotos: Divulgação/FIVB)

O título do Lube Civitanova no Mundial masculino de clubes de vôlei teve um gosto especial para Bruno Rezende, que, com a conquista, levou para casa o último troféu de importância que faltava em sua carreira. Um feito que o próprio jogador diz que não conseguia projetar para si mesmo há alguns anos.

"Nem nos meus melhores sonhos imaginei que poderia conquistar o que conquistei na minha carreira. Hoje fecho um ciclo com todos os títulos possíveis, por clubes e seleção", comemorou o jogador em sua conta no Instagram.

Bruno ainda aproveitou o bom momento para agradecer a todos que lhe deram suporte nesta caminhada: "Sou grato a todos os meus companheiros, de hoje e de todos que fizeram parte da minha carreira. Dos técnicos e pessoas que me ajudaram a conseguir me manter em alto nível. A minha família e meus amigos que sempre estiveram ao meu lado, nos momentos mais complicados! Agradecer a Deus por me dar saúde e fazer o que amo todos os dias. GRATIDÃO é a Palavra! Obrigado pessoal".

E mais:

– Mais constante, Civitanova bate Cruzeiro e ganha Mundial pela primeira vez

– Egonu brilha de novo e Conegliano, da Itália, é campeão mundial feminino

Eleito o melhor levantador do torneio, Bruninho também faturou o título de MVP (Most Valuable Player), dado ao melhor atleta da competição, mas fez questão de repassá-lo ao ponteiro Yoandy Leal, companheiro não só no Civitanova como na seleção brasileira.

O atacante, aliás, fez questão de ressaltar os talentos que jogam ao seu lado. "O Sada Cruzeiro jogou muito bem na final, nos colocaram muita pressão, mas acho que a nossa qualidade individual fez a diferença. Merecemos ganhar", constatou Leal, que também usou o Instagram para agradecer Bruno pelo gesto e criticar a organização da disputa. ""O merecimento muitas vezes não é reconhecido, mas sigo fazendo o meu melhor, porque um prêmio não apaga tudo o que fiz até hoje na minha carreira. Ao Bruno, meu agradecimento, por reconhecer meu desempenho neste campeonato, já que a FIVB não soube reconhecer", comentou.

Bruno fez questão de dar o título de MVP para Leal (à esquerda), que não foi lembrado pela organização do Mundial

Além de Bruno, a seleção do Mundial de clubes 2019 contou com outros três jogadores do time italiano: o ponteiro Juantorena, o central Simon e o líbero Balaso. Completaram a equipe os cruzeirenses Evandro (melhor oposto) e Conte (melhor ponteiro), além do russo Volvich, do Zenit Kazan, terceiro colocado.

Ao falar sobre a medalha de prata, Evandro se disse orgulhoso. "O nosso time foi até o limite, cansou um pouco no final, mas foi bonito jogar a final, foi gostoso. Eu estou triste sim, mas eu não saio daqui de cabeça baixa. Estou triste porque eu sei que dava pra gente ter ganhado. Não foi nada impossível. E estou feliz pela doação de todo mundo, pelo campeonato que a gente fez e pelo que a gente apresentou", analisou.

Siga o Voleicast no Instagram: @voleicast

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede