PUBLICIDADE
Topo

Saída de Rede

Problemas em amistosos reforçam importância do Montreux para o Brasil

Carolina Canossa

25/08/2018 06h00

(Créditos: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

Por Daniel Rodrigues

Foram quatro partidas amistosas envolvendo a seleção brasileira feminina e os Estados Unidos, que nem estavam com força máxima:  a líbero Kelsey Robinson, a levantadora Carly Lloyd, a central Foluke Akinradewo, as ponteiras Jordan Larson e Kimberly Hill e a oposta Kelly Murphy sequer viajaram com o grupo. Ainda assim, foram quatro triunfos para equipe norte-americana, sendo um deles por 3 sets a 0, dois por 3 sets a 1 e outro no tie-break.

É verdade que o time comandado por José Roberto Guimarães também não contou com sua força máxima nos duelos que visaram a preparação para o Campeonato Mundial, que começa no dia 29 de setembro. Fernanda Garay, Natália e a líbero Suelen não foram escaladas entre as 14 jogadoras, pois não apresentavam condições físicas ideais de jogo. As três têm papel fundamental no esquema tático brasileiro e podem dar um upgrade interessante com seus futuros retornos, mas suas ausências não devem ser justificativa para as quatro derrotas consecutivas.

Leia também: Recepção não funciona e Brasil fecha série de amistosos com quatro derrotas

Dez anos do ouro em Pequim: como o Brasil se superou e calou os críticos?

O que se pôde ver nos jogos contra as atuais campeãs mundiais foi uma seleção brasileira ainda sem identidade, apática. O grupo parecia sem confiança e liderança, principalmente nos momentos mais críticos. As oscilações tão presentes na Liga das Nações também seguem assombrando a equipe e preocupam para a disputa do Campeonato Mundial.

O retorno de Dani Lins e Thaisa foi positivo, mas ainda é preciso muita paciência e tempo para que ambas retomem ao voleibol que costumavam apresentar, algo plenamente justificável pelo longo período que estiveram longe das quadras. Outro ponto alto ficou por conta da ponteira Gabi, destaque absoluto pelo lado brasileiro nos amistosos. A jovem atleta do Minas mostrou-se bastante preparada e suas condições físicas parecem bastante próximas dos 100%. Bem em todos os fundamentos, Gabi foi a principal atacante e bola de segurança entre as brasileiras.

Destaque da seleção ao longo da atual temporada, a oposta Tandara deixou a desejar desta vez e não foi a jogadora decisiva que tanto chamou a atenção na Liga das Nações. A forte marcação das adversárias pode ser um dos motivos do desempenho abaixo do habitual, assim como o fato de ela estar se preparando física e tecnicamente para voltar ao auge somente daqui a um mês. De qualquer maneira, a "Tandaradependência" apresentada nos últimos compromissos da seleção pauta e provavelmente continuará pautando a estratégia dos rivais brasileiros, que fundamentam sua marcação de acordo com a grande quantidade de bolas recebida pela jogadora. Desta forma, Tandara passa a ter mais dificuldade de fazer pontos e compromete o sistema tático da equipe. Para o Mundial, esta filosofia precisa e deve ser modificada, com o objetivo de descentralizar a distribuição de bolas levantas para a campeã olímpica.

Outro fato preocupante, e que impossibilita levantadas mais criativas, é a recepção brasileira. A linha de passe demonstrou muita insegurança e foi alvo de vários pontos norte-americanos. A líbero Gabiru estava desconfortável na posição e não passou a confiança necessária às suas ponteiras. Sem o passe na mão das levantadoras, o Brasil se tornou presa fácil para o obediente time de Karch Kiraly.

Entre as centrais, o ponto alto foi o bloqueio. Mesmo com as jogadas aceleradas dos Estados Unidos, o fundamento funcionou na medida do possível e segue sendo um diferencial da equipe bicampeã olímpica. Já no ataque, a participação pelo meio de rede foi seriamente comprometida pelos problemas na recepção. O Brasil tem boas centrais, que precisam receber mais bolas, podendo se tornar uma importante válvula de escape das levantadoras.

A seleção brasileira ainda tem pouco mais de um mês para engrenar e encontrar o seu melhor padrão de jogo. O Volley Masters de Montreux, que será disputado 4 e 9 de setembro, na Suíça, nunca teve tanta importância para o Brasil. A competição deverá ser a oportunidade de ver todas as jogadoras em ação e finalmente analisar como o grupo se comportará com as titulares definidas pelo técnico José Roberto Guimarães. Na chave brasileira no torneio também estão Rússia, Polônia e Camarões. Do outro lado aparecem China, Turquia, Itália e as anfitriãs.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede