Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Consistência e erros rivais fazem Sesc sair na frente na final da Superliga

Carolina Canossa

15/04/2018 13h30

Sesc-RJ: ótima atuação de todas as titulares (Foto: Alaor Filho / Sesc-RJ)

Maior campeão da história do vôlei feminino brasileiro de clubes, o Sesc-RJ deu um importante passo para conquistar mais um título da Superliga feminina ao bater, neste domingo (15), o Dentil/Praia Clube na primeira partida da decisão da temporada 2017/2018. O placar foi de 3 sets a 1, parciais de 26-24, 25-19, 22-25 e 25-17.

Fosse no formato utilizado até o ano passado, estaríamos agora falando do 13º título da equipe do Rio de Janeiro na competição. Mas as regras agora são outras e o Praia, melhor time da fase classificatória, tem a chance de se recuperar no domingo que vem (22), quando será realizado o segundo jogo da final em Uberlândia (MG). Para ficar com a taça, o time mineiro terá que não só vencer o jogo como também o golden set, parcial extra disputada logo após a partida para definir o campeão. Em caso de novo triunfo do Sesc, o time carioca levanta a taça mais uma vez.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Para sair na frente na grande final, o Sesc baseou seu jogo em dois pilares: executar seu jogo da maneira mais bem feita possível e forçar os erros rivais. O que é simples na teoria é algo complicado de colocar em prática, especialmente contra um adversário que tem várias estrelas no elenco e o trabalhador Paulo Coco no comando. É aí que entram os méritos da comissão técnica comandada por Bernardinho.

Tomem como exemplo Drussyla: principal alvo do saque praiano na partida inteira, a ponteira estava muito bem preparada para a pressão que viria. Errou algumas recepções, é verdade, mas conseguiu também entregar bolas aceitáveis para a levantadora Roberta e compensou as falhas no ataque. Terminou o jogo como maior pontuadora e foi eleita pelo público a melhor em quadra.

Bloqueio do Sesc complicou a vida das atacantes do Praia (Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

Apesar de o prêmio ter sido dado para a ponteira, qualquer jogadora do Sesc poderia ter sido agraciada com a homenagem. Todas, sem exceção, tiveram ótimas atuações. Ao seu estilo, a levantadora Roberta mais uma vez fez um ótimo "feijão com arroz", sendo muito disciplinada taticamente e sensível ao momento de suas atacantes para não insistir demais em ninguém ao longo do duelo. Como bônus, ainda sacou muito bem.

Gabi, por sua vez, foi um ótimo desafogo para Drussyla tanto no ataque quanto protegendo a jovem na linha de passe, função que dividiu com a líbero Fabi, de novo responsável por defesas que geraram contra-ataques importantes. Já a oposta Monique se destacou especialmente no bloqueio, acompanhada pelas centrais Juciely e Mayhara. Juntas, as três complicaram demais a vida do ataque do Praia.

Praia que teve uma manhã de altos e baixos. Depois de perder um equilibrado primeiro set, o time mineiro mais uma vez mostrou falta de estabilidade emocional e simplesmente foi massacrado na segunda etapa, marcada por dois erros graves de arbitragem: primeiro, no 5-2, uma bola atacada por Fawcett tocou no bloqueio, mas o ângulo da câmera usada no sistema de desafio não pegou a ação. Minutos depois, Gabi fecharia a parcial com ataque "caixinha", mas o árbitro Rogério Espicalsky não viu que a bola claramente bateu na quadra no Praia antes da defesa das líbero Suelen.

A despeito da péssima atuação no set, o time mineiro ainda teve forças para buscar uma reação na reta final da etapa, fundamental para que o Praia jogasse o terceiro set com outra postura. Foi aí que brilhou a americana Nicole Fawcett, que passou a virar diversos ataques e liderou a equipe no 2 a 1. O problema é que o restante do time não a acompanhou, cometendo diversos erros de passe e ataque. Para piorar, a levantadora Claudinha esteve imprecisa e ponteira Fernanda Garay fez uma de suas piores partidas na temporada. Paulo Coco ainda tentou diversas alternativas, colocando Carla e Ellen em quadra, mas não foi bem sucedido e agora terá uma semana para quebrar a cabeça na tentativa de reverter a final e acabar com a hegemonia do Sesc na Superliga.

Paulo Coco tem uma semana para pensar em como reverter o resultado da final (Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.