Saída de Rede

Superliga feminina: vem briga boa pelo título?

João Batista Junior

17/10/2017 06h00

Sem um grande favorito, Sesc e Minas estão entre os candidatos ao título da Superliga (foto: Jarbas Oliveira/MPIX/CBV)

A temporada 2017/2018 da Superliga feminina começou no domingo (15), com uma vitória do Fluminense por 3 a 0 sobre o BRB/Brasília, e prossegue nesta terça-feira com cinco partidas. Com transmissões via internet desde o início da competição (veja abaixo a programação de jogos do dia), a configuração das equipes este ano promete (repito: PROMETE) um campeonato com raro equilíbrio entre os times do pelotão dianteiro.

É claro que o abismo técnico e financeiro entre as equipes de ponta e as demais concorrentes não deixa margem para pensar que um dos fortes passe algum perrengue para chegar aos playoffs. Contudo, a saída do parceiro de décadas e de jogadoras importantes do Sesc RJ e a chegada de um time que pretende se estabelecer entre os grandes, como o Hinode Barueri, levam a crer que, desta vez, as cartas da Superliga feminina poderão estar mais embaralhadas.

Siga o @saidaderede no Twitter
Curta a página do Saida de Rede no Facebook

LUTAM PELO TÍTULO – Sesc RJ, Vôlei Nestlé, Camponesa/Minas, Dentil/Praia Clube
Num universo tão reduzido de times como é o da Superliga, dizer que o título deve ser disputado com mais afinco entre quatro equipes específicas não chega a ser nenhum exercício de adivinhação. Mas, como fugir do óbvio e não dizer que o troféu desta edição fica com um dos últimos semifinalistas? E, por outro lado, como atribuir a um deles favoritismo exacerbado em relação aos outros três?

Tàssia, ex-Praia, em ação pelo Osasco: elenco bastante modificado para o campeonato (João Pires/Fotojump)

Todas essas equipes perderam jogadoras titulares em relação ao campeonato anterior e terão de se remodelar durante a competição: o representante do Rio não contará com Carol nem com Anne Buijs, enquanto o sexteto de Osasco não terá as sérvias Ana Bjelica e Tijana Malesevic, tampouco Dani Lins e Camila Brait, grávidas, ao que o Minas, sem Jaqueline, ainda espera pelo retorno da norte-americana Destinee Hooker.

Até se poderia dizer que o Praia, que contratou a oposta norte-americana Nicole Fawcett, a ponteira Fernanda Garay e a líbero Suelen, largou à frente na montagem do elenco, mas, por haver sido a equipe que mais titulares perdeu entre as grandes (Daymi Ramirez, Alix Klineman, Michelle e Tássia não defendem mais o clube) e por ter perdido duas vezes para o Minas no estadual, é bom esperar algumas rodadas para ver se o time de Uberlândia consegue se destacar das demais.

FIQUE DE OLHO – Hinode Barueri
Estreante na Superliga, o time de Barueri bem poderia estar satisfeito em oferecer resistência aos grandes, fazer frente às equipes de baixo orçamento e caminhar tranquilo por entre os que ambicionam apenas uma vaga nos playoffs. Porém, a equipe montada pelo técnico José Roberto Guimarães pode, de fato, pleitear um lugar entre os melhores.

Jaqueline vai defender o time de José Roberto Guimarães (divulgação/Barueri)

Além de jogadoras experientes como Érika, Suelle e Ana Cristina, remanescentes da campanha vitoriosa na divisão de acesso, Barueri conta agora com jovens valores como Naiane e Edinara, que defenderam a seleção neste ano.

O time deu trabalho ao Vôlei Nestlé nas finais do Paulista e vai ter, no nacional, o reforço da oposta polonesa Kasia Skowronska e da ponteira Jaqueline, cuja contratação foi anunciada pelo clube na noite da segunda-feira (16). Existe ainda a possibilidade de a equipe contar com a meio de rede Thaisa, que está se recuperando de uma cirurgia no joelho e tem a permissão de seu clube, o Eczacibasi VitrA, para jogar por uma equipe brasileira nesta temporada.

BRIGA POR VAGA NOS PLAYOFFS – Vôlei Bauru, Pinheiros, Fluminense, São Cristóvão Saúde/São Caetano
Imaginando que as cinco equipes mencionadas anteriormente não tenham muito trabalho para chegar às quartas de final, sobrariam três vagas aos playoffs para Bauru, Pinheiros, São Caetano e Fluminense disputarem.

Fluminense estreou com vitória fácil sobre Brasília (Mailson Santana)

Nesse pelotão, destaque para o tricolor carioca, que tem seu ponto forte nas ponteiras Michelle e Thaisinha, como ficou claro na vitória sobre as brasilienses na estreia.

Chama a atenção, além da ida da central argentina Mimi Sosa do Pinheiros para o São Caetano, o grande número de mudanças por que passou o elenco do Bauru: o time tem novo treinador (saiu Marcos Kwiek, entrou Fernando Bonato) e sofreu grande reformulação no elenco (Mari Cassemiro e Bruna Honório foram para o Pinheiros, e também saíram as dominicanas Brenda Castillo e Priscila Rivera, além de Mari Steinbrecher, e vieram Paula Pequeno, a cubana Yoana Palacios e a líbero porto-riquenha Shara Venegas).

PELA PERMANÊNCIA – Sesi, Renata Valinhos/Country, BRB/Brasília
Infelizmente, não dá para esperar muito mais de Sesi, Valinhos e Brasília do que lutar contra o rebaixamento.

As sesistas se mantiveram na divisão principal graças à Taça Ouro e perderam sua principal atacante – Lorenne foi para o Vôlei Nestlé. O time de Valinhos jogaria a Superliga B, mas ganhou a permanência na elite do voleibol nacional por conta da desistência do Rio do Sul. E o Brasília, única equipe fora do sudeste nesta temporada da Superliga feminina, perdeu várias atletas para esta temporada, como Amanda, Paula Pequeno e Andréia Sforzin, e já mostrou na estreia, diante do Fluminense, que passe e ataque serão um problema.

reprodução/CBV

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo