PUBLICIDADE
Topo

Saída de Rede

Brasil se enrola nos próprios erros e estreia com derrota da fase final do Grand Prix

Carolina Canossa

02/08/2017 10h05

Seleção feminina teve grande dificuldade em um de seus pontos fortes, a virada de bola (Fotos: Divulgação/FIVB)

Depois de uma rodada empolgante há dez dias em Cuiabá, a seleção brasileira feminina de vôlei tomou uma "ducha de água fria" em sua estreia na fase final do Grand Prix. Diante da campeã olímpica China, a equipe nacional foi derrotada por 3 sets a 0, parciais de 25-22, 25-17 e 29-27, na manhã desta quarta-feira (2).

Méritos da China à parte, o revés por tal placar é consequência direta de momentos ruins das próprias brasileiras: para efeito de comparação, o time verde-amarelo cedeu 21 pontos em erros, contra apenas oito das adversárias. Assim como já havia ocorrido em outros jogos ao longo da competição, o time comandado por José Roberto Guimarães voltou a ter uma apresentação instável e deixou o rival crescer demais.

Quais as chances do Brasil na fase final do Grand Prix?

Conheça as armas dos adversários da seleção feminina nos jogos decisivos do GP

Um grande exemplo disto foi no primeiro set. Mais agressivo e com boa marcação sobre a estrela Ting Zhu, o Brasil perdeu a parcial por conta das falhas no ataque, especialmente com Tandara e Natália, as duas atacantes mais potentes da equipe. O saque também não entrou como deveria e as chinesas precisaram fazer apenas o básico para sair na frente no placar.

Passe, especialmente nos saques de Zhu, também voltou a oscilar

A vitória um tanto quanto inesperada na primeira parcial deu impulso à China, que em poucos minutos já tinha 6 a 0 na segunda etapa. A seleção feminina ainda conseguiu se ajustar, especialmente no bloqueio, encostando em 16-17. Mas aí um erro de arbitragem desmontou a reação: sem mais desafios disponíveis, o Brasil não teve como contestar uma bloqueio dentro de Adenízia que foi marcado como fora e o que seria o 17-17 virou um 16-18. A partir daí, uma sequência de falhas no passe fez com que as brasileiras fossem massacradas e derrotadas por 17-25 na parcial.

O passe continuou a ser problema no primeira metade do terceiro set, o que, somado, às dificuldades no ataque permitiu que a China chegasse ao segundo tempo técnico com quatro pontos de vantagem: 16-12. Mas a equipe de Zé Roberto não se entregou e, pressionando Zhu no saque, não só buscou o resultado como chegou a ter três sets points. Só que a ineficiência na hora de encerrar as jogadas deu as caras de novo e as asiáticas fecharam o jogo por 3 sets a 0.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Com o placar adverso, o Brasil agora joga sua sobrevivência na competição nesta quinta (3), contra a Holanda, às 8h30 (horário de Brasília), novamente na cidade chinesa de Nanjing. A China, por sua vez, folga e só volta à quadra na sexta (4), quando encara as europeias.

Mais cedo, pelo outro grupo da fase final, a Sérvia por pouco não entregou uma vitória que parecia certa diante dos Estados Unidos: com 2 a 0 no placar e 14-07 no terceiro set, a equipe do Leste Europeu simplesmente sofreu um apagão do qual só foi se recuperar no tie-break. No final, o resultado ficou em 25-22, 25-17, 23-25, 18-25 e 15-11 para as  vice-campeãs olímpicas.

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede