Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Centrais brilham na primeira rodada dos playoffs na Superliga feminina

Janaína Faustino

20/03/2019 09h47

A central bicampeã olímpica Fabiana foi o nome do Praia Clube na vitória sobre o Tricolor carioca (Foto: Reprodução/Instagram)

A primeira rodada das quartas de final da Superliga feminina de vôlei teve um brilho mais do que especial das centrais. Destaque do Dentil Praia Clube, atual campeão da competição, que derrotou o Fluminense em casa por 3 sets a 0 (parciais de 25-23, 25-17 e 25-19) na segunda-feira (18), Fabiana foi a maior pontuadora do jogo, com 15 acertos. Ela foi seguida de perto por sua companheira de time e posição, a meio de rede Carol, que anotou 14.

A pontuação significativa de ambas logo na partida que abriu a série de mata-matas, evidencia uma evolução no entrosamento da armadora norte-americana Carli Lloyd com suas atacantes de meio, algo já vinha sendo observado nos últimos confrontos do returno. Em grande parte do campeonato, contudo, a levantadora teve um rendimento abaixo do esperado, encontrando grandes dificuldades na construção das jogadas. A central bicampeã olímpica comemora o crescimento.

"[A vitória] representou um grande passo principalmente no entrosamento com a Carli. A gente vem buscando essa melhora a cada partida. Então, para mim, foi um jogo muito bom, pois conseguimos estabelecer mais confiança que, acredito, daqui para frente vai poder ajudar muito mais a equipe no ataque e em todos os outros fundamentos", aponta a central.

A meio de rede praiana espera que tanto ela quanto o time sigam nesta crescente neste momento decisivo do torneio. "Fico super feliz com a nossa vitória. Acho que é um momento muito importante para nós. Para mim, a parte mais gostosa do campeonato. Então fico feliz com o meu desempenho e sei que posso ajudar e melhorar muito mais".

Para o técnico Paulo Coco, apesar de fundamental, o triunfo não pode encobrir alguns problemas que a equipe enfrentou diante do rival principalmente no primeiro set, quando o Tricolor carioca deu mais trabalho. "Foi uma vitória importante, mas cometemos alguns erros acima da média, principalmente de saque no primeiro e terceiro sets. Também houve falhas no sistema defensivo, porque apesar de termos quebrado muito o passe, o número de bloqueio foi baixo e muitas bolas que poderiam ter sido mais bem trabalhadas no contra-ataque não conseguimos concretizar", coloca.

Leia mais:

Lutadora, Mara, do Minas, busca força para superar drama pessoal

Equilíbrio marca a 25a edição da Superliga feminina

Quem tem mais chance de chegar às semifinais da Superliga masculina?

Para o confronto de volta, nesta quinta-feira (21), no Rio, Paulo Coco prega atenção redobrada. "Para o próximo jogo, elas vão arriscar tudo que podem. Portanto, temos que estar prontos para qualquer tipo de situação nova que possa 'pintar' do lado deles. Eles jogarão empolgados junto à torcida. Enfim, precisamos ter a cabeça no lugar e, ao mesmo tempo, pensar no nosso jogo, sermos um pouco mais consistentes", destaca o treinador.

Além das praianas, quem também se sobressaiu na rodada foi a central Mara, do Itambé Minas. A jogadora teve participação essencial na vitória da equipe mineira também por 3 sets a 0 (parciais de 25-18, 32-30 e 25-19) sobre o valente Curitiba Vôlei. Ela foi a maior pontuadora do time, com 17 acertos.

A central Mara teve papel determinante no triunfo do Minas na primeira rodada (Foto: Orlando Bento/MTC)

O êxito na capital paranaense, entretanto, não foi fácil. Se no primeiro set o time da casa demonstrou extrema fragilidade e respeito diante das atuais vice-campeãs mundiais, permitindo que a força do ataque mineiro aparecesse, a partir da segunda parcial o jogo mudou totalmente.

Mais agressivas, as paranaenses cresceram e chegaram a abrir 5 a 0 no segundo set. Com o sistema defensivo ajustado e um saque variado, o Curitiba conseguiu minar a recepção mineira e aproveitou diversos contra-ataques. As comandadas de Lavarini, acuadas, fecharam o set em 32 a 30, contando com importante colaboração da meio de rede.

Para a atleta, apesar do resultado positivo, outras dificuldades deverão aparecer já no próximo confronto. "Eu achei que foi um jogo bastante difícil por ter sido na casa delas. Além da torcida a favor, elas estavam confiantes, com a autoestima elevada. Mas, conseguimos fazer o nosso papel e superar tudo isso. Foi um espetáculo muito bonito e saímos com a vitória. Na quinta-feira, teremos mais um jogo para tentar vencer e seguir em frente na competição. Acho que vai ser uma partida muito complicada. Tudo ou nada tanto para nós quanto para elas", afirma a central.

"Os playoffs são outro campeonato. Então, todo mundo resolve jogar, todo mundo quer mostrar o seu trabalho. É briga de gigantes. E todo mundo pode ganhar, chegar a uma semifinal ou final. (…) Trabalhei a temporada inteira para chegar bem, para estar no meu melhor momento. Graças a Deus, estou conseguindo. Estou bem focada, traçando minhas metas. Mas, ninguém faz nada sozinho. Todo mundo está jogando, se superando. Isso não se deve a um desempenho meu, individual, mas a um conjunto. Devo meu desempenho a todas as minhas colegas", complementa Mara, elogiando o trabalho em grupo.

Assim como sua colega de posição, Carol Gattaz também fala sobre a força da equipe adversária e explica que detalhes podem ser decisivos em confrontos de mata-mata. "A gente sabe que o Curitiba é um bom time, com atletas experientes. A nossa equipe sabia que não seria fácil e a gente veio para dar o nosso melhor. Tivemos dificuldades, especialmente, no segundo set, quando deixamos cair um pouco o nível de atenção na defesa. Jogo de quartas de final é assim, qualquer detalhe pode decidir. Que bom que vencemos e esse placar de 3 sets a 0 foi muito importante para a nossa equipe", salienta a capitã minastenista.

A meio de rede Thaísa ultrapassou a marca dos mil pontos de bloqueio na Superliga no confronto contra Osasco (Foto: Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

Já no clássico paulista entre Hinode Barueri e Osasco Audax, ocorrido nesta terça-feira (20) no Ginásio José Correa, foi a vez de outras duas campeãs olímpicas brilharem. A equipe de Luizomar de Moura foi superada pelas comandadas de José Roberto Guimarães por 3 sets a 2 (22-25, 25-23, 25-23, 19-25 e 16-14) na partida mais emocionante da primeira rodada das quartas de final.

Mesmo com o revés, a meio de rede Walewska não deixou por menos e pontuou 19 vezes no confronto. Segundo a jogadora, a intenção é que o time mantenha o nível e corrija falhas para o jogo de volta na próxima sexta-feira (22) diante da apaixonada torcida osasquense.

"Historicamente, o confronto entre Osasco e Barueri tem sido duro. Sabíamos que não seria fácil aqui na casa delas. Mas nosso time jogou bem e soube reverter as situações difíceis. Agora vamos jogar no nosso ginásio, com o apoio da nossa torcida e vamos com tudo, com a mesma pegada. Claro que sempre há margem para melhorar. Vamos trabalhar até sexta-feira para fazer alguns ajustes táticos, tentar evoluir nosso bloqueio e defesa. E vamos em busca da vitória para empatar a série", aponta a experiente central.

Do lado oposto da quadra, a bicampeã olímpica Thaísa demonstrou que segue evoluindo técnica e fisicamente ao ser determinante na vitória de Barueri, batendo um incrível recorde na Superliga: a central ultrapassou os mil bloqueios marcados em toda a história da competição – ela saiu do jogo com 1.002 pontos anotados neste fundamento. Ao total, a atleta colocou 17 bolas no chão.

Com o triunfo, a equipe começou a reverter uma vantagem que é de Osasco – Barueri venceu apenas dois sets do rival na fase classificatória. A central festeja a vitória e a marca alcançada: "Fico muito feliz. Representa ainda mais por eu ter passado tudo que passei e hoje estou aí, voltando. Simboliza superação, resiliência. Me sinto feliz por ter ajudado o time, mas sei que posso fazer ainda mais. E vou treinar a cada dia para isso", completa.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter:@saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.