Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Atentos ao pós-carreira, jogadores de vôlei apostam no empreendedorismo

Carolina Canossa

15/03/2019 06h00

Dani Lins e Sidão (à direita na foto) costumam receber amigos do vôlei como Camila Brait e Ana Tiemi na hamburgueria que possuem em São Paulo (Foto: Reprodução/Instagram)

Ser atleta significa, na maioria das vezes, instabilidade, demora para alcançar uma renda que permita uma vida confortável (quando isso é possível) e aposentadoria do esporte antes dos 40 anos. Assim, diante de tanta vulnerabilidade, o empreendedorismo tem sido um caminho bastante trilhado para a manutenção da tranquilidade financeira após o auge da carreira.

Nas quadras de vôlei, tal alternativa culminou com a sociedade entre o casal Dani Lins e Sidão, multimedalhistas com as seleções brasileiras, e Adenízia, que também tem uma história de conquistas com a camisa amarela. O trio é dono de uma hamburgueria, a [D] Burguer, localizada no bairro da Vila Mariana, em São Paulo.

"A oportunidade surgiu através do Victor, noivo da Adenízia. Somos muito amigos e uma vez disse que tinha vontade de entrar em algum negócio para investir em algo diferente. Somos um total de seis sócios, eles me convidaram para entrar como sócio investidor. A hamburgueria ainda é pequena, mas a gente pensa em expandir no futuro, apesar da dificuldade que é abrir negócios aqui no Brasil", explicou Sidão.

Leia mais:

– De olho em mercado carente, loja aposta em showroom de camisas de vôlei

Giba diz ter feito empréstimos para pagar pensão: "Não quero ser preso"

Atualmente defendendo o Corinthians-Guarulhos, Sidão, 36, pretende, nos próximos anos, investir em um curso superior justamente para suprir a defasagem teórica que a rotina intensa de treinos e jogos lhe impôs.

"Penso em fazer um curso de Administração ou algo do gênero. Como a gente sabe, a carreira do atleta acaba cedo, com 38 ou 39 anos, e na vida, estamos apenas na metade", observou o central. "Pelo fato de ter a carreira mais curta, a gente tem que tentar expandir os nossos investimentos para vários lados. Dinheiro no banco, abrindo negócios, bolsa de valores e é isso o que tentamos fazer", complementou.

Dani, por sua vez, confessa que mantém maior distância dos negócios ("Eu aprovo os hambúrgueres e ele toca as outras coisas da hamburgueria!", brinca), mas também tem planos para quando não jogar mais. "Minha área é mais para ONGs de animais, pretendo fazer parte de várias entidades de ajuda a animais abandonados. Mas lógico que gostaria de aprender sobre tudo isso. Daí, o Sidão me ensina, porque ele é muito bom com isso", garantiu.

ADENÍZIA: DOIS EMPREENDIMENTOS E AJUDA DO NOIVO  

Adenízia: "Se eu tivesse começado a empreender antes, estaria com um patrimônio maior e com mais tranquilidade" (Foto: Reprodução/Instagram)

No caso de Adenízia, o relacionamento com Victor culminou também na sociedade de outro bar em São Paulo, o Oh Freguês, na Freguesia do Ó.  "Meu noivo já é do ramo faz tempo, é especializado em administração e me mostrou como seriam bons investimentos, já que estou pensando no pós-carreira", contou a meio-de-rede, de 32 anos.

Jogando na Itália desde 2016, onde defende o Savino Del Bene Scandicci, Adenízia diz que procura visitar os estabelecimentos e saber como estão as coisas sempre que vem ao Brasil. Ela também tem planos de voltar a estudar para participar mais do dia a dia dos negócios.

"Se eu tivesse começado antes, estaria com um patrimônio maior e com mais tranquilidade. Essa é a necessidade que temos de grandes profissionais para o atleta, que sejam mais participativos na nossa vida financeira, não só na hora de fechar contratos", destacou.

THIAGUINHO: EMPREENDIMENTO DESDE CEDO

 

"Vício" em açaí fez Thiaguinho virar dono de uma franquia na Paraíba (Foto: Arquivo Pessoal)

Falando em começar antes, o levantador Thiaguinho, de 25 anos, possui uma unidade da franquia de uma loja de açaí, a Maria Pitanga Açaiteria, em Recife (PE) – considerado um dos nomes mais promissores da nova geração, o jogador atualmente mora no Rio de Janeiro, onde joga pelo Sesc-RJ.

A ideia do empreendimento surgiu de uma maneira curiosa, através da esposa do jogador, Luiza. "Estávamos em uma unidade e ela resolveu perguntar se era uma franquia, pois éramos viciados no açaí de lá (risos). Conversamos com o dono e ele explicou como funcionava. Já saímos de lá amadurecendo a ideia", comentou o atleta.

Por conta dos compromissos no vôlei, Thiaguinho designou os irmãos Ylton e Michel para a administração do dia a dia do negócio, sempre que possível com a sua supervisão. "Acompanho o rendimento diário da loja, e estou falando constantemente com os meus irmãos sobre como podemos melhorar as vendas, dando ideias de como divulgar, etc", explicou.

MARIA ELISA: INVESTIMENTO NO ESPORTE E PLANOS OUSADOS

Escolinhas de Maria Elisa no Rio contam com mais de 230 alunos (Fotos: Arquivo pessoal)

Há também quem resolva investir em no próprio esporte. É o caso de Maria Elisa, campeã do Circuito Mundial de vôlei de praia em 2014 e que, hoje em dia, forma ao lado de Carol Solberg uma das duplas mais fortes do Brasil.

Graças à parceria com um amigo, que tinha uma escola de futevôlei e treinamento funcional no Rio de Janeiro, ela expandiu o negócio com aulas de vôlei de praia em novembro de 2016, antecipando um plano que pretendia colocar em prática só depois que deixasse as quadras. Deu tão certo que o empreendimento atualmente conta com quatro filiais: Barra, Recreio, Taquara e Ipanema, somando mais de 230 alunos.

Assim como os demais colegas de profissão, a rotina intensa faz com que Maria Elisa confie a administração do negócio a um familiar, o marido Paulo Victor, e outros dois amigos, Bruno Fragoso e o Thiago Costa.

"Nas férias ou nos períodos com menos viagens eu consigo participar mais, algo que gosto muito, pois é bom estar em contato com os alunos, ensinar, aprender… O mais legal é que acaba virando um grupo mesmo, as vezes rola churrasco, reunião, então é muito gratificante. Quando eu me aposentar, espero poder participar mais ainda", declarou a jogadora.

Ela, que também faz faculdade de Educação Física, tem planos ousados para o futuro. "Quando parar de jogar, com certeza irei administrar estes núcleos: pretendo ter cinco escolas mais um projeto social que deve acontecer até o final do ano em São Conrado para os moradores da Rocinha. Posso dizer que meu marido está administrando agora e preparando o terreno para mim", destacou.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

*Atualizado às 11h15

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.