Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Renan sobre o desafio de assumir Taubaté: "Ninguém veio pra fazer milagre"

Carolina Canossa

26/02/2019 06h00

Técnico da seleção masculina, Renan admitiu que ficava incomodado de não trabalhar também em clubes (Foto: Renato Antunes/Maxx Sports)

"Paixão por estar ali na quadra". Foi esta a justificativa que Renan Dal Zotto deu quando questionado sobre o que o levou a aceitar o convite para assumir a equipe da EMS Taubaté Funvic no meio da temporada 2018/2019, substituindo o argentino Daniel Castellani. Também responsável pela seleção brasileira masculina, o técnico revelou que se sentia incomodado por não trabalhar em um clube.

"Quando recebi o convite aqui, levei o assunto à CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) e eles na hora disseram que seria bom para o voleibol. Será um ano intenso, mas gratificante. Claro que depende uma engrenagem adequada, como acontecia com o Bernardinho (ex-técnico da seleção masculina, que também trabalha no Sesc-RJ feminino) e acontece com o Zé Roberto (treinador da seleção feminina e do Hinode Barueri). Não vejo problema algum. O importante é o discernimento de ter foco no clube quando estou no clube e na seleção quando estou na seleção", afirmou o técnico.

Leia mais:

– O que não deu certo no Taubaté de Daniel Castellani?

– Provável estreia de Leal na seleção e Pré-Olímpicos agitam o calendário do vôlei em 2019

Renan não perdeu tempo e assumiu o time nesta segunda-feira (25). Ele já comandará a equipe do Vale do Paraíba no jogo de quinta (28), contra o São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão, pela Superliga.

Para poder exercer as duas funções com tranquilidade, Renan contará com a ajuda dos auxiliares Mauricio Thomas, que chega com ele a Taubaté, e Marcelo Fronckowiak, com quem já trabalha na seleção brasileira.

"O Maurício vai ser meu braço direito aqui dentro", afirmou o treinador, deixando claro quem será seu substituto nos momentos de ausência. Sobre a seleção, ele diz já ter o trabalho para a temporada 2019 esquematizado. "A convocação sai dois dias depois do último jogo da final da Superliga, onde espero estar com Taubaté. Nesse momento, o Marcelo começará o trabalho com os mais jovens e depois me apresento para darmos sequência com o trabalho para a Liga das Nações", explicou.

SEM MILAGRES

Ao falar sobre o desafio em Taubaté, cujos resultados abaixo do esperado para o investimento resultaram na demissão de Castellani, Renan preferiu a cautela.

"Ninguém veio pra fazer milagre. O esporte é um trabalho de construção, de dia a dia. A gente até vê isso de trocar de técnico e dar resultados acontecer no futebol, mas é por um período pequeno. Acredito em trabalho, planejamento e foi isso o que me provocou a assumir esse desafio. Teremos um tempo bom, com a parada do Carnaval, para treinar muito e  encontrar o melhor padrão para essas peças que temos. O mais importante é tentar tirar o melhor de cada um", analisou.

Para o treinador, o grande problema do trabalho de Castellani foi a oscilação.

"Tenho uma admiração grande pelo Daniel, que é também meu amigo pessoal e um profissional competente com uma filosofia de trabalho que talvez não tenha conseguido traduzir em resultados visíveis. Houve coisas boas, como o fato de o time estar em terceiro na Superliga, uma competição equilibrada, mas talvez tenha oscilado um pouco e temos que tentar entender o que aconteceu", destacou.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

Blog Saída de Rede