Topo
Saída de Rede

Saída de Rede

Saque faz a diferença e Sesc-RJ bate o Sesi-SP na Superliga

Janaína Faustino

2012-12-20T18:21:34

12/12/2018 21h34

Com a vitória sobre os paulistas, equipe do técnico Giovane Gávio se isolou na liderança da Superliga (Foto: Reprodução/Instagram Sesc-RJ)

Um grande confronto agitou a parte de cima da tabela deste primeiro turno da Superliga masculina de vôlei nesta quarta-feira (12), na Jeunesse Arena, no Rio. Em uma partida extremamente disputada, o Sesc-RJ, líder do campeonato, derrotou o Sesi-SP, então segundo colocado na classificação geral, por 3 sets a 0, com parciais de 31-29, 25-22 e 25 a 23. Com o triunfo, os cariocas se isolaram na liderança da competição, com 25 pontos. Já a equipe paulista permaneceu com os seus 19 pontos, mas foi ultrapassado pelo Sada Cruzeiro, que venceu o EMS Taubaté Funvic e agora está em segundo lugar, com a mesma pontuação.

Para o duelo, o técnico Giovane escalou Thiaguinho no levantamento, os ponteiros Japa e Penchev na entrada de rede, Thiago Barth e Mauricio Souza pelo meio, Wallace na saída e o líbero Thiago Brendle. Por outro lado, Rubinho escalou o levantador William, os ponteiros Renato e Lucas Lóh, os centrais Gustavão e Eder, o oposto Alan e o líbero Murilo.

Mesmo com um desempenho hesitante, marcado pela instabilidade na recepção e erros de ataque, o Sesi-SP conseguiu jogar de igual para igual com os donos da casa, disputando a partida ponto a ponto. Entretanto, é importante mencionar que este equilíbrio se deveu muito mais aos pontos cedidos em erros ao rival (foram 20 ao total) do que propriamente pelos méritos do time paulista, já que os comandados de Giovane Gávio se saíram melhor na virada de bola e nos contra-ataques. Para se ter uma ideia, somente no primeiro set, o líder da competição marcou 20 pontos de ataque contra apenas 12 do time do técnico Rubinho. Desta forma, apesar de terem evoluído na virada de bola no decorrer do confronto, isso não foi suficiente para reverter o resultado do jogo.

Agora capitão, levantador Thiaguinho busca se firmar no Sesc e na seleção

Má organização e falta de estrutura fazem Superliga passar vergonha

Superliga tem início com hegemonia do Sada Cruzeiro ameaçada

Durante toda a partida, os cariocas buscaram colocar a linha de passe paulistana em dificuldades com uma estratégica variação de saque, visando retirar o passe das mãos do levantador William. Com isso, precisando se deslocar para obter as melhores combinações de ataque, o levantador do Sesi optou pelas bolas altas e marcadas pelas extremidades, favorecendo o bloqueio rival. E foi justamente o saque que fez a diferença em favor do Sesc-Rio nos momentos cruciais do confronto. Pelo lado carioca, o armador Thiaguinho contou com uma estável linha de passe em praticamente todo o duelo, principalmente com o líbero Thiago Brendle e o búlgaro Rozalin Penchev, em boa forma após um período sem atuar por lesão, para realizar uma distribuição que poderia ter acionado mais os centrais.

Destaque para a organização tática da equipe carioca, que dificultou muito o ataque adversário e para o sistema defensivo, que salvou bolas difíceis, gerando contra-ataques precisos. Vale ressaltar também a grande atuação de Wallace na saída de rede, com 24 pontos, demonstrando que vem adquirindo mais entrosamento com o levantador Thiaguinho. Entre os paulistas, o oposto Alan foi quem mais se sobressaiu, com 14 acertos. Além disso, é importante salientar a luta do Sesi que, apesar do esforço, não conseguiu anular a força do ataque adversário.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @saidaderede

Sobre a autora

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos.

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.