Saída de Rede

Campeã mundial, Polônia demite 4º treinador em 7 anos

Sidrônio Henrique

23/09/2017 06h00

O italiano Ferdinando De Giorgi ficou apenas uma temporada no cargo de técnico da Polônia (foto: CEV)

Um país onde o voleibol é realmente popular, com uma das principais ligas do mundo e uma federação razoavelmente organizada, mas que, apesar de um cenário claramente favorável, não consegue se consolidar como potência na modalidade. A campeã mundial Polônia virou notícia mais uma vez e, para variar, o tema é negativo. Nove meses depois de ter sido anunciado como técnico da seleção masculina daquele país, numa corrida com ingredientes de novela, o italiano Ferdinando De Giorgi foi demitido pela Federação Polonesa de Vôlei (PZPS), nesta quarta-feira (20), após sequer avançar às finais da Liga Mundial e de uma eliminação precoce, em casa, no Campeonato Europeu. Ele foi o quarto treinador a ser dispensado do cargo nos últimos sete anos.

Siga @saidaderede no Twitter
Curta o Saída de Rede no Facebook

Foi o período mais curto de um técnico à frente da seleção polonesa neste século. Mais grave: desde que o argentino Raul Lozano cumpriu todo o ciclo olímpico, de 2005 a 2008, que culminou nos Jogos de Pequim, nenhum profissional ficou mais do que três temporadas no comando e todas as demissões resultaram em dramalhões. Depois da conquista do Mundial 2014, a Polônia vem acumulando fracassos – seu melhor resultado foi o bronze na esvaziada Copa do Mundo 2015.

Não falta apoio ao vôlei polonês, mas não há tantos talentos no time adulto (CEV)

Sequência
Após Lozano, dispensado porque a PZPS queria obrigatoriamente uma medalha em Pequim 2008 (a Polônia foi eliminada pela Itália, por 3-2, numa partida dramática nas quartas de final), veio outro argentino, Daniel Castellani, atual treinador do Funvic Taubaté. Ele durou de 2009 a 2010. Um italiano, Andrea Anastasi, ficou no cargo de 2011 a 2013. Depois foi a vez do mais bem sucedido deles, o francês Stéphane Antiga, técnico de 2014 a 2016, campeão mundial há três anos. Escolhido no final do ano passado, De Giorgi assumiu o posto em abril de 2017 e tinha contrato até Tóquio 2020 – nem a PZPS nem o treinador revelaram se houve acordo na rescisão.

A federação reiterou que sua principal meta com a seleção masculina é uma medalha nos Jogos de Tóquio. A única conquistada pelo país no naipe masculino foi o ouro de Montreal 1976, período em que a popularidade do voleibol estava restrita aos países do leste europeu e ao Japão. A Polônia se classificou para as quatro últimas edições das Olimpíadas, mas em todas caiu nas quartas de final.

Búlgaro Stoychev está cotado mais uma vez para o cargo (FIVB)

Bicampeonato na liga local
De Giorgi começou seu trabalho à frente da seleção credenciado pelo bicampeonato na concorrida liga nacional dirigindo o Zaksa Kedzierzyn Kozle. O treinador, aliás, havia deixado o clube para se dedicar exclusivamente ao selecionado polonês. O Zaksa, time pelo qual passaram os ponteiros brasileiros Lipe (2012/2013) e Lucas Lóh (2014/2015), agora é treinado pelo também italiano Andrea Gardini, ex-colega de De Giorgi nos anos de ouro da seleção italiana, na década de 1990, quando foram tricampeões mundiais. Presente no Mundial de Clubes, que será disputado na Polônia, em dezembro, o Zaksa está no mesmo grupo do brasileiro Sada Cruzeiro, tricampeão mundial.

A temporada de especulações já começou na mídia polonesa. Ainda é cedo, sem dúvida. A PZPS não tem pressa para escolher o nome do profissional que vai tentar, com muita dificuldade, diga-se, a defesa do título mundial no ano que vem. O nome do búlgaro Radostin Stoychev, um dos favoritos na corrida passada, desponta como o principal candidato. Stoychev, que fez história no comando do clube italiano Trentino e teve uma conturbada passagem como técnico da seleção do seu país, não escondia seu desejo de dirigir a seleção polonesa, depois de perder em 2015 a disputa pelo mesmo cargo na Itália para Gianlorenzo Blengini. Atualmente, Stoychev treina o Modena, equipe do levantador Bruno Rezende.

Poloneses comemoram o título mundial sub21: esperança de dias melhores no adulto (FIVB)

Cobertor curto
Com dificuldade na reposição de peças, a seleção da Polônia luta para ter um oposto confiável e um ponteiro que faça dupla com o capitão Michal Kubiak. Destaque da final do Mundial 2014, o ponta Mateusz Mika sofre com uma lesão crônica na região lombar e tem se ausentado. Já o ponteiro cubano naturalizado polonês Wilfredo León só poderá defender a seleção do seu novo país em 2019 e sua possível convocação é motivo de polêmica. O time também ainda não encontrou um levantador à altura do aposentado Pawel Zagumny – atualmente, Fabian Drzyzga e Gregorz Lomacz se revezam, sem convencer.

A imprensa e os comentaristas apostam suas fichas nos juvenis que conquistaram o Mundial sub21 este ano – derrotaram o Brasil na semifinal por 3-2. Essa mesma equipe venceu o Mundial sub19 em 2015, o Europeu sub20 em 2016 e o Europeu sub19 em 2015 – está invicta há 48 partidas.

Há dois problemas no caminho: o tempo para maturação desses atletas e a óbvia variação no desenvolvimento de qualquer jogador – desempenho acima da média nas categorias de base não é sinônimo de sucesso no adulto.

Com tantos empecilhos, tantas lacunas, definir o técnico parece ser o menor dos problemas para a seleção masculina polonesa.

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo