Saída de Rede

Brasil cumpre obrigação, conquista o Sul-Americano e garante vaga no Mundial

Sidrônio Henrique

11/08/2017 23h03

O Brasil conquistou pela 31ª vez o Campeonato Sul-Americano (fotos: Max Montecinos/Fevochi)

Sem permitir que nenhum dos cinco adversários que enfrentou na competição passasse dos 21 pontos em um set, o Brasil conquistou, em Santiago, no Chile, na noite desta sexta-feira (11), o Campeonato Sul-Americano de vôlei masculino pela 31ª vez. O oponente na final foi a esforçada Venezuela, derrotada por 25-21, 25-6, 25-18. A seleção brasileira venceu todas as edições de que participou (não compareceu em 1964, ano em que a Argentina ganhou o torneio). Aliás, o Brasil jamais perdeu uma única partida na história do Sul-Americano, que começou a ser disputado em 1951. Com o título, a equipe campeã olímpica garantiu vaga no Mundial 2018, que será disputado na Itália e na Bulgária.

Siga @saidaderede no Twitter
Curta o Saída de Rede no Facebook

Esta conquista foi o primeiro ouro do treinador Renan Dal Zotto. O Brasil entrou em quadra com Bruno, Wallace, Lucarelli, Maurício Borges, Lucão, Maurício Souza e Tiago Brendle, a mesma base do vice-campeonato na Liga Mundial 2017 – à exceção da troca de Thales por Brendle na posição de líbero. Renan Buiatti e Raphael entraram ao longo do jogo na inversão do sistema 5-1. A Confederação Sul-Americana de Vôlei (CSV), assim como ocorreu durante todo o campeonato, não divulgou as estatísticas.

Após um primeiro set cheio de erros, quando permitiu que a Venezuela chegasse aos 21 pontos, o Brasil sufocou o jovem time adversário na segunda parcial, com uma relação equilibrada entre saque, bloqueio e defesa, além de muita eficiência no contra-ataque. No terceiro set, os brasileiros entraram desatentos e cederam vários pontos na primeira metade da parcial, mas se ajustaram o suficiente para ampliar a vantagem e fechar a partida.

O ponta Maurício Borges foi escolhido o melhor jogador do Sul-Americano. Outros brasileiros foram premiados como os melhores nas suas posições: Bruno (levantador), Wallace (oposto) e Lucarelli (ponteiro).

A próxima competição do Brasil será a Copa dos Campeões, de 12 a 17 de setembro, no Japão – torneio vencido pelos brasileiros nas três últimas edições.

O time brasileiro conquistou o torneio sem perder nenhum set

Argentina fora da final
Se já havia favoritismo antes da competição, a final acabou sendo uma ducha de água fria. É que o esperado confronto com a ascendente Argentina não ocorreu. Depois de engrossar o jogo contra os brasileiros nas quartas de final da Rio 2016, quando os hermanos perderam por 1-3, eles derrotaram o Brasil este ano na Liga Mundial pelo mesmo placar. O técnico Renan Dal Zotto falava com cautela da Argentina, apesar da superioridade brasileira. O treinador Julio Velasco, que comanda a Albiceleste, estava confiante em repetir o triunfo e finalmente quebrar a hegemonia do Brasil no Sul-Americano.

Valentia venezuelana
Quem barrou os argentinos foram os valentes venezuelanos, num duelo de cinco sets na semifinal. Aos hermanos coube o bronze, depois de derrotar o Chile por 3-0 nesta sexta-feira. A Venezuela vinha sem muita expectativa para o torneio, pois a equipe passa por uma renovação, havia trocado de técnico e ainda sente o baque pela morte do seu principal jogador. Em novembro do ano passado, o oposto Kervin Piñerua, que tinha 25 anos e era capitão da equipe, foi vítima de um ataque cardíaco. Com poucos recursos, em um país assolado por uma crise política com efeitos devastadores sobre a economia, a federação venezuelana enviou 11 atletas em vez dos 14 permitidos. Nenhum dos problemas impediu a limitada mas aguerrida Vinotinto de brigar de igual para igual contra uma displicente Argentina.

Foi o retorno da Venezuela a uma final de Sul-Americano após 14 anos. A última vez havia sido em 2003, quando a geração liderada pelo oposto Ernardo Gómez perdeu também em sets diretos, mas oferecendo resistência à melhor seleção brasileira de todos os tempos. A mesma equipe que os venezuelanos haviam surpreendido e vencido por 3-2 na semifinal dos Jogos Pan-Americanos, num raro tropeço daquele timaço brasileiro. A volta ao segundo lugar mais alto do pódio em um Sul-Americano foi bastante comemorada pela Venezuela.

Sobre o autor

Carolina Canossa - Jornalista com experiência de dez anos na cobertura de esportes olímpicos, com destaque para o vôlei, incluindo torneios internacionais masculinos e femininos. João Batista Junior - Já cobriu campeonatos mundiais e a Liga Mundial. Sidrônio Henrique - Trabalhou para publicações da Europa e da América do Norte, produziu conteúdo para a Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Sobre o blog

O Saída de Rede é um blog que apresenta reportagens e análises sobre o que acontece no vôlei, além de lembrar momentos históricos da modalidade. Nosso objetivo é debater o vôlei de maneira séria e qualificada, tendo em vista não só chamar a atenção dos fãs da modalidade, mas também de pessoas que não costumam acompanhar as partidas regularmente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Blog Saída de Rede
Topo