Blog Saída de Rede

Arquivo : Nati Martins

Juciely desafia o tempo e segue como referência no esporte
Comentários Comente

Sidrônio Henrique

Juciely conquistou mais uma Superliga este ano (foto: Guilherme Cirino/Instagram @guilhermectx)

Com velocidade e tempo de bloqueio impressionantes, eficiente no ataque, Juciely Barreto é, aos 36 anos, referência entre as meios de rede brasileiras. Não se surpreenda se o técnico José Roberto Guimarães convocá-la para a seleção neste ciclo. Juciely desafia o tempo. Terá 39 anos em Tóquio 2020. Mesma idade que a também central americana Danielle Scott tinha em Londres 2012. “Eu penso nela, viu”, diz ao Saída de Rede a mineira da cidade de João Monlevade, admitindo que a estrangeira duas vezes vice-campeã olímpica é um exemplo. “Quando reflito sobre quanto chão teremos até lá, pergunto a mim mesma: ‘será que dá?’ Hoje em dia a resposta é ‘não sei’, mas até bem pouco tempo era ‘não’. Se o Zé Roberto me chamar, vamos conversar”.

Siga @saidaderede no Twitter
Curta o Saída de Rede no Facebook

Quem acompanhou a decisão da Superliga 2016/2017, domingo passado, com a vitória do Rexona-Sesc por 3-2 sobre o Vôlei Nestlé, a viu fazer a diferença na reta final da partida. Só no tie break foram seis pontos, o último deles marcado quando sua equipe chegou a nove no placar e ela foi para o saque. Ao longo do torneio, a veterana esbanjou regularidade e muitas vezes foi o desafogo da levantadora Roberta Ratzke. “Eu peço bola mesmo, quero ajudar. Ali no tie break era a nossa temporada resumida em 15 pontos”, relembra.

Taubaté capitaliza erros do Sesi e decide Superliga pela primeira vez
Sada Cruzeiro está na sétima final consecutiva de Superliga

Jucy sabe que a renovação deve ser a tônica na seleção, mas sem deixar de lado a experiência de algumas peças, numa mescla que possa garantir sucesso. Contra si, além do tempo que ela insiste em desafiar, a exigência constante de esforço extra diante dos ataques e bloqueios mais altos no cenário internacional. Se a convocação não vier, segue a vida no clube. Já são sete temporadas no atual Rexona-Sesc – venceu seis Superligas com o time carioca (já havia ganhado uma com o Minas Tênis Clube) e deve permanecer. Parar não está em seus planos.

Vôlei entrou tarde em sua vida
Ser apontada como uma das principais centrais do País parece estranho para alguém com um minguado 1,84m e que descobriu o voleibol tão tarde. Tinha 18 anos quando, em 1999, começou no Usipa, clube de Ipatinga (MG), a pouco mais de 100 quilômetros de João Monlevade, onde vivia com os pais, que moram lá até hoje. “Eu brincava de vôlei na escola, gostava, mas não pensava em ser jogadora. Até que alguém me viu e fui parar no Usipa, achavam que eu tinha que ser central”, conta a atleta.

Zé Roberto chama nove jogadoras em sua 1ª convocação pós-Olimpíada

Em 2000 foi para o Macaé. Chamou a atenção do Minas Tênis Clube e no ano seguinte seguiu para a tradicional equipe de Belo Horizonte – um timaço onde jogavam, entre outras, Fofão, Cristina Pirv, Ângela Moraes, Érika, Elisângela e Ana Maria Volponi, além das juvenis Fabiana e Sheilla, sob o comando do treinador Antônio Rizola. Ganharam a Superliga derrotando o BCN Osasco de José Roberto Guimarães na final.

Ângela Moraes lidera volta olímpica em 2002 no Mineirinho: ídolo de Juciely (foto: CBV)

Pouco experiente, estando apenas na sua terceira temporada na modalidade, treinava mais do que jogava. Encontrou naquele time, na época MRV Minas, seu grande ídolo no vôlei: a central Ângela Moraes, de 1,81m. “Eu parava só para ficar olhando ela treinar. A Ângela me influenciou de todas as formas, eu ficava tentando fazer tudo igualzinho a ela, que atacava uma china linda, incrível na velocidade de perna e de braço. Ela tinha também uma bola de dois tempos que era única: ela quicava no tempo frente e atacava uma chutada. Essa eu tentei fazer muitas vezes e nunca consegui”, conta Juciely.

Oposta?
No segundo ano no MRV Minas não jogou, apenas treinava. “Queriam me transformar em oposta, diziam que eu era baixa demais para ser meio de rede, mas eu não levava jeito para atacar na saída. Tenho todos os cacoetes de atacante de meio, tinha que ser central, apesar de pequena”. A baixa estatura é compensada com velocidade e impulsão. Aliás, a jogadora do Rexona-Sesc diz que não sabe o quanto salta. “Não sei qual é a minha impulsão ou o meu alcance, mas sei que salto bastante”. Os dados no site da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) estão longe da realidade.

Fique por dentro do mercado do vôlei

Passou uma temporada em Osasco, depois foram duas no Brasil Telecom, de Brasília. Voltou ao Minas para mais um ano. Então, no período seguinte, 2008/2009, novamente no Brasil Telecom, desta vez em Brusque (SC), ela acredita que explodiu de vez. “A partir daquela temporada em Brusque, comecei a jogar bem mesmo”. A equipe contava com jogadoras como Fabíola e Elisângela. Ao lado de Nati Martins, atualmente no Vôlei Nestlé, Juciely formava a dupla de centrais titulares.

Com o troféu da Superliga 2016/2017 (foto: Guilherme Cirino/Instagram @guilhermectx)

Despertando o interesse de Bernardinho
O Brasil Telecom quase foi responsável por uma das maiores zebras da história da Superliga. Após eliminar o Pinheiros nas quartas de final, o time de Brusque encarou simplesmente na série melhor de três partidas da semifinal a equipe de Bernardinho, na época Rexona-Ades. O primeiro jogo, em Santa Catarina, foi vencido pelo Brasil Telecom por 3-2. No seguinte, em pleno Tijuca Tênis Clube, no Rio, a equipe visitante abriu 2-0, para desespero do técnico multicampeão. O Rexona viraria a partida e venceria o jogo seguinte, mas o adversário impôs respeito. Jucy chamou tanto a atenção que recebeu um convite de Bernardinho para jogar no Rio de Janeiro.

Wiiliam pede dispensa, mas quer voltar à seleção ainda este ano

“Minha pontuação no ranking das atletas não me ajudou e eu não me encaixava no Rexona. Fui jogar na temporada seguinte no São Caetano/Blausiegel, que tinha também a Fofão, a Sheilla, a Mari”, recorda a central.

Que times foram bem e que times decepcionaram na Superliga

Porém, no período 2010/2011, finalmente pôde jogar no Rexona. “Aquele time patrocinado pela Blausiegel acabou e fomos Sheilla, Mari e eu jogar no Rio, treinadas pelo Bernardinho”. Começava para Juciely uma história que segue até hoje. Várias atletas entraram e saíram da equipe, mas a meio de rede mineira segue firme.

Recebendo prêmio de melhor central no GP 2015 (foto: FIVB)

Primeira convocação e cortes
Após sua temporada inicial no Rexona, veio também sua primeira convocação para a seleção adulta – jamais havia sido chamada nas categorias de base. “Com o Bernardo cresci a ponto de me tornar uma atleta da seleção brasileira. O Zé Roberto apontou muitos caminhos, me deu soluções quando comecei a disputar jogos internacionais, onde a realidade é completamente diferente. São grandes técnicos”, elogia Jucy, sem esquecer de afagar os dois.

Dos cortes sofridos na seleção, ela fala com resignação. “É algo doloroso, é um sonho que fica para trás, mas é um risco com o qual o atleta convive”.

Ficar fora da Olimpíada de Londres, em 2012, “doeu demais”, admite a atleta, que no entanto ressalta: “Apesar de ter sofrido, tinha consciência que a Adenízia estava melhor, ela vinha jogando muito bem”. O corte da lista de jogadoras que foi ao Mundial 2014 era esperado, pois Juciely sofria com uma lesão no joelho esquerdo.

Alegria e tristeza na Rio 2016
A participação na Rio 2016, apesar do desfecho triste, com a queda diante da China nas quartas de final, é lembrada com carinho por ser a única em Jogos Olímpicos. “Quando você entra na vila olímpica, percebe que aquele sonho se realizou”. A presença dos pais e dos amigos no Maracanãzinho foi extremamente importante para ela.

Giovane: “No primeiro ano do Sesc, nosso objetivo não é lutar pelo título”

Questionada se a chave muito tranquila da primeira fase na Olimpíada havia preparado suficientemente o time para o duelo nas quartas, ela rebate: “Tínhamos consciência de que o mata-mata seria muito difícil. A (ponteira) Ting Zhu saiu do passe no segundo set, a (técnica) Lang Ping fez umas mudanças e a gente não conseguiu mais acompanhar o ritmo delas”.

Juciely comemora um ponto durante a Rio 2016 (foto: FIVB)

Saque perdido
A central fica com a voz embargada quando relembra o saque desperdiçado no final do tie break diante da China. O Brasil perdia por 11-12 das orientais e Juciely, no serviço, buscou uma paralela, mas a bola foi para fora – a oposta Sheilla Castro erraria outro no rodízio seguinte.

“O meu erro ainda me revolta. Como pude errar aquele saque? Não dormi aquela noite, chorei muito. Nos dias seguintes, sempre que alguém me abordava, falando do jogo, eu caía no choro. Fui pro interior do Rio, um lugar onde ninguém me conhecia, depois fui pra Minas, ficar com meus pais. Nós todas (jogadoras) procuramos respostas para aquela derrota contra a China e não temos. As chinesas jogaram demais”, afirma Jucy.

Mundial de Clubes
O foco agora é o Mundial de Clubes, de 9 a 14 de maio, em Kobe, no Japão. A chave, com o VakifBank da Turquia e o Dínamo Moscou, é complicada, mas ela se mantém otimista, mesmo sabendo o quanto é difícil enfrentar bloqueios mais elevados ou tentar conter atacantes mais altas. “É outro nível, muito puxado, tenho que me desdobrar. No Grand Prix 2015 ganhei o prêmio de melhor central e fiquei me perguntando como poderia ter sido a melhor no meio de tanta mulher alta”. Às vezes não é preciso ser alta para ser grande.


Gabi e Nati Martins: superação a serviço de Osasco na decisão
Comentários Comente

Carolina Canossa

Gabi tem apenas 1,73 m, altura baixa para quem não é líbero (Fotos: João Pires/Fotojump)

Quem vê um treino do Vôlei Nestlé, não deixa de reparar nela: após um ataque bem sucedido ou um bloqueio, a ponta Gabi sai comemorando efusivamente, como se estivesse em uma final olímpica. Como o clima é descontraído, ela se permite até mesmo uns gritos estando virada para o lado adversário, algo que seria passível de punição durante uma partida. É com esta garra que a jogadora de apenas 1,73 m se tornou a sétima titular da equipe paulista, que neste domingo (23) disputa a final da Superliga feminina contra o Rexona-Sesc.

“Eu grito mesmo, mas as meninas também”, sorri a atleta, que passou a temporada se revezando a sérvia Malesevic no posto de ponteira de preparação. “É competitividade. O jogo é um desafio, então tentamos ficar o mais próximo possível, deixar o treino  um pouco mais real”, complementa.

Aos 23 anos, a carioca está terminando sua quinta temporada no Vôlei Nestlé. Trata-se de um feito raro para um jogadora com altura abaixo da média e que, inclusive, chegou a cogitar ir para o vôlei de praia na tentativa de conseguir mais chances na carreira. “Por ser menor, tive que me adequar arrumar alguns recursos extras no ataque, ter um fundo de quadra bom e não dar tanto prejuízo na rede”, conta Gabi.

Integrante das seleções brasileiras de base, chegou a jogar como líbero no infanto-juvenil, posição que não descarta ocupar no futuro. “Mas enquanto tiver time me querendo na ponta, eu vou levando”, brinca. A jogadora é elogiada pelo técnico Luizomar de Moura pelo espírito de equipe, já que raramente começa um jogo como titular. “Na verdade, eu já me importei com a reserva (risos). Mas a gente vai crescendo, amadurecendo e sabendo qual é o nosso papel. Sei que vou entrar em momentos de dificuldade, quando a equipe precisa, então preparo a minha cabeça desta maneira”, afirma.

O apelido de Gabiru, recebido de um técnico aos 12 anos, também não a incomoda. “Como era um time com muitas Gabrielas e eu era pequenininha, ficou Gabiru. Todo mundo passou a me chamar assim  e ficou. Não me importo de maneira alguma”, assegura.

Nati Martins foi diagnosticada com um grave problema auditivo aos quatro anos

Nati Martins

Outra jogadora do Vôlei Nestlé que só conseguiu se firmar no vôlei profissional graças à superação é Nati Martins. Diagnosticada com um grave problema  auditivo aos quatro anos, a central é a primeira atleta nesta condição a competir no voleibol de alto nível no Brasil. No domingo (23), celebrará a primeira final de Superliga da carreira.

“Estou muito feliz, mas com os pés no chão. Tenho certeza que nosso time vai fazer o melhor para sermos campeãs”, destacou a jogadora, que usa aparelho e consegue entender o que lhe falam desde que esteja frente a frente com o interlocutor. Sem poder recorrer à audição, ela passou a se comunicar com a levantadora Dani Lins na base dos olhares e de sinais. “A Dani até brinca que eu entendo mais rápido que as outras meninas, pois não preciso de som e já peguei tudo o que ela quis dizer”, revela.

Na hora dos jogos, ela até consegue ouvir o barulho da torcida, mas não distingue o que está sendo falado. “São muitas vozes ao mesmo tempo. Mas isso vem de anos, não me atrapalha, ainda mais aqui em Osasco: é difícil outra torcida fazer mais barulho que a nossa. Consigo transferir meu problema para uma coisa boa”, afirma.


Enquanto Osasco espera adversário, Rio x Minas é promessa de grande duelo
Comentários Comente

João Batista Junior

Hooker ataca contra bloqueio do Bauru: classificação às semis em dois jogos (foto: Vôlei Bauru)

Favoritos nas quartas de final – tanto pela colocação na fase classificatória quanto pelo elenco que têm –, Rexona-Sesc, Vôlei Nestlé e Camponesa/Minas só precisaram de dois jogos para chegar às semifinais da Superliga feminina. Se o time de Osasco ainda não sabe se vai ter pela frente o também favorito Dentil/Praia Clube ou o bravo Terracap/BRB/Brasília, cariocas e minastenistas já têm por certo que se enfrentarão por uma vaga na final. E aí as expectativas do fã do voleibol são as melhores.

Rexona e Minas fizeram a final da Copa Brasil 2017: vitória carioca (William Lucas/Inovafoto/CBV)

O Rexona venceu o Minas nas duas partidas que disputaram nesta edição da Superliga, ambas por 3 a 1, e ainda venceu por 3-0 na final da Copa Brasil. Além disso, ressalte-se que o time do Rio só perdeu um jogo em 24 disputados na competição, ao passo que as mineiras sofreram sete reveses. Porém, o crescimento da equipe de Belo Horizonte no decorrer do campeonato, em muito devido às cortadas da oposta Destinee Hooker, leva a crer que as cariocas vão precisar de seu melhor voleibol para chegar a mais uma final.

(O próprio técnico Bernardinho, em entrevista ao Saída de Rede, chegou a dizer que o Minas era o adversário “mais perigoso” e que “se tornou favorito.”)

Siga o Saída de Rede no Twitter

Curta o Saída de Rede no Facebook

A vaga do Camponesa/Minas à semifinal veio contra o Genter Bauru, numa série em que as mineiras abusaram do pragmatismo: tanto na vitória de virada no jogo 1, sábado, quanto no 3-0 da terça-feira, Hooker foi responsável por quase 45% dos ataques de sua equipe (respectivamente, 62/141 e 44/98). Para efeito de comparação: nas derrotas contra Praia e Rexona, no returno, pouco menos de 30% dos levantamentos do time foram para ela, e na vitória sobre o Vôlei Nestlé, esse número ficou em 36%.

A estratégia mineira deu certo contra Bauru e a norte-americana, nos dois compromissos das quartas de final, levou o Minas à vitória e foi a maior pontuadora em ambos os jogos (com, respectivamente, 32 e 20 anotações). As bauruenses até conseguiram equilibrar as duas primeiras parciais do jogo 2, mas erraram muito no passe e perderam consistência no set final.

A nota preocupante para a torcida minastenista é que, se foi o Bauru, quando abriu 2 a 0, quem deu um susto no primeiro jogo, no segundo, quem assustou foi Rosamaria: a ponteira torceu o joelho durante o terceiro set, saiu carregada de quadra e nesta quarta-feira, segundo o SporTV, deve ser examinada para saber do grau da lesão.

Fim do ranking, por si só, não vai melhorar a Superliga de vôlei

No outro jogo da terça-feira, no Distrito Federal, o Terracap/BRB/Brasília frustrou o Dentil/Praia Clube em grande estilo. Enquanto em Uberlândia as mineiras ganharam de virada por 3-1, no Planalto Central a história foi diferente.

Amanda foi um dos destaques do Brasília na vitória sobre o Praia (Ricco Botelho/Inovafoto/CBV)

Com um sólido sistema defensivo, que sempre obrigava o adversário a atacar mais vez, o Brasília venceu um equilibrado primeiro set e aproveitou-se da instabilidade praiana nas parciais seguintes.

O time mineiro, ainda desfalcado da central Fabiana, lesionada há dez dias, tentou mudar o ritmo do jogo acionando, por vezes, as reservas Ju Carrijo e Ellen. Mas, com Amanda indo bem no ataque pela entrada de rede e as centrais Vivian e Roberta dominantes no bloqueio, a equipe anfitriã conseguiu igualar a série e levar a decisão da vaga na semifinal para o jogo 3 – que, pela tabela da CBV, será neste sábado, em horário ainda não definido.

GIGANTES ATROPELAM
Se, na primeira rodada, o Pinheiros poderia ter ido mais longe na partida contra o Rexona-Sesc e o Fluminense deu trabalho ao Vôlei Nestlé em duas parciais, na segunda, dá para dizer que os gigantes do vôlei nacional foram pouco testados. Cariocas e osasquenses passaram com folga, quase não foram perturbadas na jornada que as classificou para mais uma semifinal.

Atropelado pelo Rexona-Sesc na reta final do primeiro set, quando uma pequena desvantagem de 12-11 culminou com uma derrota por 25-13, o Pinheiros errou bastante na recepção e, por conseguinte, teve problemas na virada de bola. O time do Rio soube tirar proveito disso, anotando 11 pontos no bloqueio – seis só de Juciely. Gabi obteve 57% de aproveitamento no ataque e foi eleita a melhor em quadra, assim como também o fora no jogo 1.

Companheiras na seleção, Thaisa e Natália se enfrentam na Liga dos Campeões

Bia comemora: só Osasco não perdeu nenhum set nas quartas de final (Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

Na outra partida da segunda-feira, o Vôlei Nestlé, com a ponteira Tandara e as centrais Bia e Nati Martins em noite inspirada, pontuou em mais da metade das bolas que atacou, um aproveitamento incomum para uma equipe de voleibol feminino, e aplicou o segundo 3-0 da série. O Fluminense foi fustigado pelo saque adversário e despediu da competição marcando apenas 47 pontos em todo o jogo – número insuficiente para vencer dois sets.

Resultados da 2ª rodada dos playoffs da Superliga feminina:

Fluminense 0 x 3 Vôlei Nestlé (20-25, 14-25, 13-25)
Rexona-Sesc 3 x 0 Pinheiros (25-13, 25-20, 25-22)
Terracap/BRB/Brasília 3 x 0 Dentil/Praia Clube (27-25, 25-18, 25-19)
Genter Vôlei Bauru 0 x 3 Camponesa/Minas (22-25, 23-25, 17-25)


Vôlei Nestlé fecha o ano com vitória e vice-liderança da Superliga
Comentários Comente

João Batista Junior

 

Osasco aproveitou os erros de Bauru para comemorar mais uma vitória (fotos: Luiz Pires/Fotojump)

Osasco aproveitou os erros de Bauru para comemorar mais uma vitória (fotos: Luiz Pires/Fotojump)

Antes de subir a bola no ginásio José Liberatti, na noite da quinta-feira, apenas um ponto separava o Vôlei Nestlé, segundo colocado na Superliga feminina, e o Genter Vôlei Bauru, que ocupava a terceira posição. O duelo que valia terminar o ano e o turno na vice-liderança da competição previa, inclusive, uma disputa em pontos average, caso as visitantes, que vinham de sete vitórias consecutivas, ganhassem no tie break. No entanto, a realidade aterrou a expectativa de quem esperava um confronto parelho.

O Vôlei Nestlé venceu por 3 sets a 0 (25-22, 25-18, 25-13) e só encontrou dificuldade, realmente, na primeira parcial, quando o Genter Bauru desperdiçou uma vantagem de 14 a 9 no marcador. O placar dilatado nos dois últimos sets refletiu o número de pontos concedidos em erros pelas duas equipes: enquanto o time da casa errou apenas nove vezes em toda a partida, as visitantes, 20.

Curta o Saída de Rede no Facebook

Rexona sobra e atropela Praia Clube

Os melhores momentos de Bauru na partida ocorreram nas poucas ocasiões em que o saque do time – em especial, da ponteira Thaisinha e da oposta Mari – dificultava o trabalho da linha de passe osasquense. Mas, quando pôde jogar o passe na mão, a levantadora Dani Lins teve boas opções no ataque e para conseguir superar o sistema defensivo rival.

Nati Martins no ataque, Angélica no bloqueio: 14 pontos para cada lado

Nati Martins no ataque, Angélica no bloqueio: 14 pontos para cada lado

Tandara, com 41% de aproveitamento no ataque e 11 pontos na conta, acabou eleita a melhor jogadora da partida. Teria sido mais justo, porém, que o troféu VivaVôlei fosse para a meio de rede Nati Martins, que fez cinco pontos de bloqueio e acabou com 14 anotações no total – maior pontuadora da partida empatada com a também meio de rede Angélica, do Bauru.

Embaixador russo assassinado é homenageado na Liga dos Campeões

Cruzeiro encerra ano perfeito com marca inédita na Superliga

Quem se destacou, também, foi a oposta Ana Bjelica. Já há alguns jogos sem repetir as boas atuações do início da Superliga, Paula Borgo, com apenas um ponto na conta, deu lugar à atacante sérvia – saiu no meio do primeiro set e não voltou mais à quadra. A jogadora estrangeira teve 50% de eficiência no ataque e terminou o jogo com dez pontos anotados.

O resultado manteve o Vôlei Nestlé na segunda posição do campeonato, com 27 pontos, a quatro do líder Rexona-Sesc. Por outro lado, a briga pelo terceiro lugar tem um tríplice empate resolvido apenas no set average: com 23 pontos, o Terracap/BRB/Brasília, apesar de oscilar nas últimas rodadas, figura na terceira posição, seguido do Genter Vôlei Bauru, quarto colocado, e pelo Dentil/Praia Clube, quinto.

O returno da Superliga feminina começa dia 6 de janeiro, com um duelo entre Praia Clube e Renata Valinhos/Country, em Uberlândia, e uma partida com transmissão pelo SporTV em que o Rio do Sul recebe o Sesi.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>