Blog Saída de Rede

Arquivo : Lucarelli

Taubaté capitaliza erros do Sesi e decide Superliga pela primeira vez
Comentários Comente

João Batista Junior

Frustrado em duas semis, Taubaté é finalista desta Superliga (foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Na primeira vez em que chegou às semifinais da Superliga, a Funvic/Taubaté foi eliminada pelo Sesi, na temporada 2014/2015, com duas partidas decididas em quatro sets. Na segunda vez, ano passado, o time do Vale do Paraíba caiu diante do Brasil Kirin num lance em que o central Deivid, no tie break do jogo desempate, tomou um cartão vermelho por pegar a placa errada para substituição. Mas, na noite de quinta-feira, em São Caetano do Sul, os tricampeões paulistas deram um passo adiante e conquistaram o bilhete para a decisão do campeonato nacional.

Siga o @saidaderede no Twitter
Curta a página do Saída de Rede no Facebook

A Funvic/Taubaté venceu o Sesi no jogo 4 por 3 sets a 1 (25-17, 25-19, 22-25, 25-22) e fechou o playoff em 3 a 1. Foi o terceiro grande triunfo do time do interior sobre a equipe da Vila Leopoldina nesta temporada: antes dessas semifinais, decidiram o Campeonato Paulista e a Copa Brasil, e os representantes do Vale do Paraíba levaram os dois troféus para casa.

Depois de duas partidas bem disputadas nesse mata-mata e definidas em cinco sets, o jogo que apontou o adversário do Sada Cruzeiro na decisão foi, tecnicamente falando, bem pobre, repleto de erros e pontuado pelo momento bisonho em que o central Riad, do Sesi, frustrado por ter tido seu bloqueio explorado por Lucarelli, rasgou a rede na reta final da segunda etapa.

Giovane: “No primeiro ano do Sesc, nosso objetivo não é lutar pelo título”

As duas equipes entraram em quadra dispostas a resolver seus problemas no saque, mas isso propiciou longas sequências de serviços errados. Nos dois primeiros sets, Taubaté, com uma virada de bola relativamente tranquila, conseguiu aproveitar as falhas dos anfitriões e ficou – a exemplo da partida anterior – a um set da classificação.

Distribuição de bolas de Raphael é um dos pontos altos do Taubaté

Nos dois sets seguintes, o sexteto sesista cresceu na força do bloqueio e também graças a um reforço que, há alguns dias, parecia improvável: Douglas Souza.

Retornando de uma lesão abdominal sofrida há pouco mais um mês, o ponteiro campeão olímpico foi acionado pelo técnico Marcos Pacheco e mostrou o quanto fez falta ao Sesi nessas semifinais.

Douglas entrou na partida no lugar de Murilo, durante o segundo set, e permaneceu em quadra nas parciais seguintes, em substituição a Fábio. Auxiliando a linha de passe e atacando com potência, ele terminou o jogo com 11 acertos e 55% de aproveitamento nas cortadas. Para comparar: Lucarelli, que jogou os quatro sets e foi eleito o melhor em quadra na votação pela internet, também obteve 11 anotações e pontuou em 45% das tentativas no ataque.

Zé Roberto chama nove jogadoras em sua 1ª convocação pós-Olimpíada

O Sesi, na primeira metade do quarto set, abriu boa vantagem e fez crer que o duelo seguiria para o tie break. No entanto, o time paulistano esbarrou novamente nos erros (foram 38 ao todo contra 30 dos rivais) e a Funvic/Taubaté, com boa distribuição de bolas do levantador Raphael, virou a parcial definitiva, que valeu um lugar na final da Superliga.

A partida entre Sada Cruzeiro e Funvic/Taubaté será disputada no próximo dia 7, domingo, a partir das 10h, no Ginásio Mineirinho, em Belo Horizonte.


Fair play, Theo e Rafa dão sobrevida ao Sesi nas semifinais da Superliga
Comentários Comente

João Batista Junior

Lucas Lóh (5): fair play em momento decisivo (fotos: Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

Numa semana em que um gesto de fair play do zagueiro Rodrigo Caio, do São Paulo, levantou debates sobre ética no esporte, uma atitude semelhante marcou a vitória do Sesi, fora de casa, na noite desta sexta-feira, sobre a Funvic/Taubaté.

No jogo 3 das semifinais da Superliga, o placar do primeiro set apontava 34 a 33 para o time local, quando uma cortada dos visitantes caiu além da quadra adversária. Ao mesmo tempo em que a bola viajava, Lucas Lóh tocou na rede na descida do bloqueio. Os sesistas reclamaram, o árbitro ficou na dúvida, mas o ponteiro encerrou qualquer discussão acusando o toque.

O set prosseguiu e o Sesi venceu por 37 a 35, com 41 minutos de duração – o mais longo do campeonato. Taubaté, mais adiante, chegou a virar para 2 a 1, mas foi batido por 3 sets a 2 (37-35, 21-25, 19-25, 25-21, 15-10).

Curta o Saída de Rede no Facebook
Siga o @saidaderede no Twitter

É meramente matemático dizer que o ponto possivelmente evitado por Lóh fecharia o set e, pela marcha do placar, poderia ter levado o jogo a um 3-0 em favor da Funvic. Contudo, antes que culpem a honestidade do jogador pelo revés na parcial e que ponham em xeque uma atitude altamente desportiva num jogo de campeonato profissional, é preciso lembrar que (1) o erro dele não foi ter se acusado, mas, sim, ter tocado na rede e, sobretudo, (2) os anfitriões, muito antes desse lance, tinham a parcial completamente na mão.

O Sesi estava perdendo o primeiro set por 20 a 15 e, depois, por 24 a 21. Foi quando Raphael, tendo a opção de Lucarelli pela entrada de rede, acionou duas vezes Wallace pelo fundo de quadra, e o oposto não conseguiu pôr a bola no chão. Essa escolha equivocada do levantador no momento crucial explica melhor a derrota do time da casa num set praticamente ganho do que um lance em que a equipe poderia ter levado vantagem num momento de dúvida do árbitro.

Rio x Osasco: relembre cinco protagonistas em decisões de Superliga

Já a virada do sexteto da Vila Leopoldina no jogo, essa, sim, tem muito mais a ver com os méritos da equipe vencedora do que com equívocos dos vencidos.

Destaque na vitória do Sesi, Theo encara o bloqueio duplo

Com a corda no pescoço e a um set da eliminação, o técnico Marcos Pacheco colocou o ponteiro Fábio e o levantador Rafael, respectivamente, no lugar de Vaccari e de Bruno. As mudanças surtiram efeito: a defesa do Sesi, que não estava conseguindo parar as cortadas dos rivais, melhorou e o ataque, com outro armador, ganhou novo ritmo.

Mas, sobretudo, se o Sesi conseguiu vencer no Ginásio do Abaeté pela primeira vez nesta temporada, o nome de Theo é o que deve ser gravado como o do melhor da partida (aliás, ele foi, mesmo, escolhido o melhor do jogo na votação pela internet).

Mais do que os 31 pontos que marcou, com direito a dois aces, três no bloqueio e pouco mais de 50% de aproveitamento no ataque, o oposto do Sesi participou até da linha de recepção do time. Quando Taubaté distribuía pancadas no saque e vencia os passadores sesistas, Theo virou o quarto homem no passe e, em determinado momento, chegou até a recepcionar o serviço e pontuar no ataque pela entrada de rede.

A série prossegue na próxima quinta-feira. O jogo 4 será em São Caetano do Sul. Já o jogo 3 da outra semifinal, entre Sada Cruzeiro e Brasil Kirin, será na noite deste sábado, em Contagem (MG), às 21h30.


No melhor jogo da semifinal, Taubaté amplia vantagem sobre Sesi
Comentários Comente

João Batista Junior

Wallace supera bloqueio do Sesi na vitória do Taubaté (fotos: Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

A segunda rodada das semifinais da Superliga masculina chega ao fim com as duas melhores campanhas da fase classificatória abrindo 2 a 0. Se o Sada Cruzeiro, na quinta-feira, precisou controlar os nervos para superar o Brasil Kirin, a Funvic/Taubaté, na noite do sábado, venceu o Sesi numa partida que teve intensidade e polêmica como ingredientes.

Siga o Saída de Rede no Twitter
Curta a página do Saída de Rede no Facebook

Os tricampeões paulistas bateram a equipe da Vila Leopoldina por 3 sets a 2, em parciais de 25-23, 21-25, 18-25, 25-19, 15-13. O jogo foi disputado no Ginásio Lauro Gomes, em São Caetano do Sul, porque a Vila Leopoldina tem capacidade de público inferior à mínima exigida pela CBV, que é de 2 mil pessoas.

O duelo não teve longos ralis, mas isso não significa que a partida não tenha sido de boa qualidade, tecnicamente falando. Se as defesas não tiveram vez, a culpa foi dos atacantes: eficientes, os dois times foram bem nas cortadas, com 56% de aproveitamento para o Sesi contra 51% do Taubaté nesse quesito. Pensando ainda que o saque, em vários momentos, foi uma arma eficaz para os dois sextetos, dá para avaliar que esse foi, até aqui, o melhor jogo das semifinais da Superliga masculina. Conquistou a vitória o lado que cometeu menos erros (33 para o time do interior contra 42 da equipe da capital) e que, sobretudo, teve maior repertório de jogadas nas extremidades da rede.

Campeão mundial dá adeus às quadras

Quando teve o passe na mão, Raphael, do Taubaté, fez uma distribuição bem generosa. Para driblar o sistema defensivo rival, o armador ora optava pela entrada, ora pela saída de rede: o ponta Lucarelli e o oposto Wallace foram acionados, respectivamente, em 27 e 26 ocasiões, perfazendo juntos 53 das 89 cortadas efetuadas por sua equipe.

Sesi precisa quebrar escrita em Taubaté para seguir vivo nas semifinais

Por sua vez, Bruno, que deve ter sentido falta de Douglas Souza – fora de combate já há algumas semanas, como o SdR trouxe em primeira mão –, levantou 40% das bolas para o oposto Théo, e, quando o passe chegava redondo, procurava os centrais Lucão e Riad. A bola de primeiro tempo é uma das especialidades do levantador da seleção, mas foi uma delas, no quinto set, quando Lucão foi bloqueado por Otávio, que deixou o Sesi em maus lençóis, com desvantagem de 8 a 5 no placar.

Antes do tie break, porém, um erro da arbitragem gerou muita reclamação por parte dos anfitriões.

Minas perdoa demais e empurra “operário” Rexona para mais uma final

No quarto set, com 8 a 6 para Taubaté, Wallace sacou para fora, mas o lance ganhou anotação de ace. Os sesistas reclamaram bastante – o técnico Marcos Pacheco e o líbero Serginho eram os mais exaltados. Vale ressaltar, contudo, que, no primeiro set, com 14 a 12 para os visitantes, a situação foi inversa, com um saque errado de Bruno sendo marcado como bola dentro. A drástica diferença é que o levantador não foi além do serviço seguinte, enquanto o oposto permaneceu distribuindo pancadas no saque até sua equipe chegar a 11 a 6 no placar.

Personificados no mesmo fiscal de linha em ambas as oportunidades, os dois erros mostram, mais uma vez, que o voleibol de alto nível precisa da revisão de vídeo. O fato de cada uma das equipes haver conquistado um ponto indevido mostra que não houve dolo ou má-fé dos árbitros, mas o auxílio eletrônico teria evitado a polêmica.

A próxima partida será disputada na sexta-feira que vem, em Taubaté. Nesta temporada, juntando Campeonato Paulista, Copa Brasil e Superliga, a Funvic/Taubaté venceu o Sesi nas quatro partidas que disputou em casa. Se mantiver a escrita, fecha a série. O jogo 3 da outra semifinal, entre Sada Cruzeiro e Brasil Kirin, será no sábado, em Contagem (MG).


Lucarelli é a melhor notícia da classificação de Taubaté às semifinais
Comentários Comente

João Batista Junior

Recuperado, Lucarelli foi o destaque no jogo 3 das quartas (foto: Rafinha Oliveira/Funvic Taubaté)

A Funvic/Taubaté fez valer seu favoritismo nas quartas de final e não demorou mais do que três partidas para eliminar o JF Vôlei. Nas semifinais da Superliga masculina, a equipe do Vale do Paraíba vai enfrentar o Sesi, que também só precisou de três jogos para superar o Minas Tênis Clube. Eles estão no mesmo barco do Sada Cruzeiro, que também bateu o Lebes/Gedore/Canoas sem mais delongas. Em resumo: os mata-matas começaram em ritmo de aquecimento para os três principais elencos da competição.

Curta o Saída de Rede no Facebook

No jogo 3 da série, nesta segunda-feira, Taubaté aplicou um 3 a 0 sobre a equipe de Juiz de Fora, com parciais de 25-21, 25-18, 25-14. Com o passe na mão e Lucarelli acertando 68% no ataque, o levantador Raphael pôde trabalhar com tranquilidade.

A recuperação do ponteiro da seleção, aliás, foi a grande notícia para Taubaté nestas quartas de final. Ele sofreu uma lesão no pé, em janeiro, durante a Copa Brasil, e perdeu boa parte do returno. Agora, Lucarelli – que foi eleito o melhor jogador da partida – chegará às semifinais com ritmo de jogo.

Novo astro do vôlei alcança 80cm acima do aro de basquete

Apesar da atuação apagada na despedida, com apenas oito anotações no ataque em 22 tentativas, o oposto Renan pode comemorar a boa temporada que teve: além de se despedir como maior pontuador da Superliga, o atacante também conquistou o título mundial de clubes como reserva de Evandro, pelo Sada Cruzeiro.

O JF, que, além de Renan, contou também com vários jogadores da base cruzeirense, termina a competição em sétimo lugar. Nada mal para quem, na temporada passada, foi lanterna e precisou vencer a seletiva para se manter na divisão principal do voleibol nacional.

Siga o Saída de Rede no Twitter

O duelo entre Funvic/Taubaté e Sesi reedita as três últimas finais de Campeonato Paulista e da Copa Brasil deste ano. Em todas as ocasiões, o time do interior levou a melhor. A outra semifinal será disputada entre Sada Cruzeiro e o vencedor do playoff entre Brasil Kirin e Montes Claros, que jogam em Campinas, na quinta-feira, a terceira partida da série – os paulistas vencem por 2 a 0.

Nas semifinais, o Rexona volta ao Tijuca (Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV )

SEMIFINAIS FEMININAS
A CBV divulgou nesta segunda-feira a tabela das semifinais da Superliga feminina. Chama a atenção que não haja previsão de jogos transmitidos pela RedeTV! nas quatro primeiras rodadas da fase. Como a emissora só transmite partidas nas noites de quinta-feira e tardes de sábado, apenas um eventual quinto jogo entre Vôlei Nestlé e Dentil/Praia Clube caberia nesses parâmetros – isso, se o hipotético confronto for à tarde.

Ellen ressuscita Praia Clube e leva o time à semifinal

Nos compromissos em que Rexona-Sesc for mandante, o ginásio utilizado será o do Tijuca, e não a Arena da Barra, onde a equipe havia jogado nas rodadas finais da fase classificatória e nas quartas de final.

Veja como ficou a tabela das semifinais da Superliga feminina:

Jogo 1
31.3 (sexta-feira) – 19h: Vôlei Nestlé x Dentil/Praia Clube
31.3 (sexta-feira) – 21h30: Camponesa/Minas x Rexona-Sesc

Jogo 2
04.4 (terça-feira) – 19h: Dentil/Praia Clube x Vôlei Nestlé
04.4 (terça-feira) – 21h30: Rexona-Sesc x Camponesa/Minas

Jogo 3
07.4 (sexta-feira) – 19h: Vôlei Nestlé x Dentil/Praia Clube
07.4 (sexta-feira) – 21h30: Rexona-Sesc x Camponesa/Minas

Jogo 4 (se necessário)
11.4 (terça-feira) – horário a definir: Dentil/Praia Clube x Vôlei Nestlé
11.4 (terça-feira) – horário a definir: Rexona-Sesc x Camponesa/Minas

Jogo 5 (se necessário)
14.4 (sexta-feira) – horário a definir: Rexona-Sesc x Camponesa/Minas
15.4 (sábado) – horário a definir: Vôlei Nestlé x Dentil/Praia Clube


Disputa paulista pela vice-liderança da Superliga tem Sesi em vantagem
Comentários Comente

João Batista Junior

Sesi tenta manter vice-liderança e vantagem para os playoffs (fotos: Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

A briga mais interessante das três últimas rodadas da fase classificatória da Superliga masculina é pelo segundo lugar da tábua de classificação: só um ponto separa o Sesi da Funvic/Taubaté. Não é um duelo, necessariamente, que vise às quartas de final, já que, a essa altura, não há ainda uma definição clara sobre quem terminará em sexto ou em sétimo – o JF Vôlei, o Minas e até o Lebes/Gedore/Canoas, a rigor, podem enfrentar qualquer um dos dois paulistas. O que vale em mais essa disputa das duas equipes é a vantagem do fator casa num hipotético reencontro nas semifinais.

(Diz a matemática que o Brasil Kirin, seis pontos atrás do vice-lider, ainda tem chance nessa disputa, mas a derrota por 3 a 1 para o time da Vila Leopoldina, na última quinta-feira, parece ter barrado a equipe campineira desse baile.)

Siga o Saída de Rede no Twitter

Demora nas contratações complica Minas na reta final da Superliga

Taubaté: quatro vitórias e duas derrotas contra o Sesi, na temporada

Considerando todas competições da temporada 2016/2017, Sesi e Funvic/Taubaté se enfrentaram seis vezes, com quatro vitórias para o time do interior e duas para o da capital. As duas equipes decidiram o título paulista e o da Copa Brasil e em ambos os casos o troféu foi para o Vale do Paraíba. Isso, por si só, garantiria ao time comandado por Cézar Douglas uma ótima vantagem sobre o do técnico Marcos Pacheco num possível encontro nos playoffs.

Porém, se o Sesi mantiver a segunda posição – e tem boa chance para isso –, a questão do favoritismo tem de ser revista. Excetuada a final da Copa Brasil, que foi em Campinas, o vencedor de cada um dos duelos entre os dois sextetos foi sempre o mesmo: o time da casa. É inegável que isso traga boas perspectivas para quem, numa série melhor de cinco, puder jogar três vezes em seu reduto.

Nesse panorama, é certo que o Taubaté busque, a todo custo, ultrapassar o Sesi, mas o caminho que os dois times vão percorrer daqui por diante mostra que essa missão será complicada.

Time de vôlei inova e representa oficialmente clube em parada LGBT

Sábado, a Funvic/Taubaté joga contra o Brasil Kirin em Campinas. É um duelo longe de ser vencido de véspera, mas que pode levar os tricampeões paulistas à segunda posição, já que o Sesi irá a Contagem (MG) para ter o Sada Cruzeiro do outro lado da rede.

No entanto, mesmo uma pretensa inversão de papéis na ordem da classificação não deve afobar a experiente equipe do Sesi: a partir daí, enquanto os ex-campeões nacionais encaram o JF Vôlei, em casa, e o lanterna Caramuru Castro/Vôlei, no Paraná, os vencedores da Copa Brasil recebem o Sada Cruzeiro e fecham sua participação contra o JF Vôlei, em Minas.

Curta a página do Saída de Rede no Facebook

Sem forçar, Sada Cruzeiro sobra e chega ao tetracampeonato sul-americano

Derrota para o Sesi deixou o Brasil Kirin longe da briga pelo segundo lugar

Alguns fatores devem ser considerados e podem mudar o rumo dessa disputada pela vice-liderança. Por exemplo, o Sada Cruzeiro, que só precisa de um ponto para garantir o primeiro posto da tabela, vai continuar mandando o sexteto principal à quadra, como tem feito há algumas rodadas, ou vai voltar a jogar com um time misto? E mesmo Sesi e Taubaté, que sofreram com jogadores lesionados nesta temporada (Murilo e Lucarelli não jogam desde as finais da Copa Brasil), aceitarão correr riscos nessa reta final de fase classificatória? Isso, por tabela, poderia colocar o Brasil Kirin (que visita o líder na última rodada) de volta a essa briga?

Seja como for, quem terminar essa fase na segunda posição já parte nos playoffs com a premissa de que vai ter nas arquibancadas um diferencial para chegar à decisão do campeonato.


No sobe e desce da Superliga, destaque para “presente” de Gabi para Edinara
Comentários Comente

João Batista Junior

São Caetano endureceu o jogo contra Rexona (foto: Michael Dantas/Inovafoto/CBV)

São Caetano endureceu o jogo contra Rexona (foto: Michael Dantas/Inovafoto/CBV)

A rodada da Superliga não trouxe grandes mudanças na classificação, mas teve, em Belo Horizonte, um resultado surpreendente. O jogo em Manaus teve boa presença de público e uma cena das mais incomuns no final. Já as reclamações contra a arbitragem, no duelo na Vila Leopoldina, mostram por que é preciso implantar a revisão de vídeo nas partidas.

Veja os destaques da quarta rodada do returno da competição, marcada pela ausência ou contusão de vários ponteiros de equipes grandes do país.

Curta o Saída de Rede no Facebook

SOBE

Eleita melhor em quadra, Gabi, do Rexona, "premia" Edinara (CBV)

Eleita melhor em quadra, Gabi, do Rexona, “premia” Edinara (CBV)

Gabi e Edinara
Terceiro jogo disputado em Manaus na temporada, a partida entre São Cristóvão Saúde/São Caetano e Rexona-Sesc, na sexta-feira, se destacou por vários motivos: teve o maior público até agora da Superliga feminina (5.497 espectadores), o time carioca suou o uniforme para vencer em cinco sets e o troféu VivaVôlei teve um destino inusitado.

Como é de praxe, a comissão técnica do time vencedor escolheu a melhor jogadora da partida e apontou uma atleta de seu plantel – no caso, a ponteira Gabi. A jogadora assinalou 17 pontos (14 no ataque, três no bloqueio) e foi a segunda pontuadora de sua equipe, perdendo apenas para a também ponteira Anne Buijs, com 18 anotações.

Contudo, Gabi escolheu outra jogadora para ficar com o prêmio: a oposta Edinara, que completou 21 anos na última quarta-feira, e que havia marcado nada menos que 28 pontos no duelo. Um grande gesto da ponteira da seleção brasileira e uma atuação memorável de uma atacante que tem se destacado nas últimas rodadas.

Não é inédito um ganhador de VivaVôlei repassá-lo a um companheiro de equipe que julgue ter atuado melhor na partida. Mas entregar o troféu para um adversário, admito, foi a primeira vez que eu vi. Se você se lembra de outra ocasião como essa, conte o fato na caixa de comentários.

Em busca dos playoffs, Minas venceu Taubaté (Orlando Bento/MTC)

Em busca dos playoffs, Minas venceu Taubaté (Orlando Bento/MTC)

Minas Tênis Clube
Pensando em chegar aos playoffs, o Minas conquistou um resultado importantíssimo. No tie break, venceu em casa a Funvic/Taubaté, time que luta pelo título e que raramente concede pontos aos principais adversários da equipe mineira na luta pelo G8.

O sexteto de Belo Horizonte ocupa a sétima posição da tabela, três pontos e duas vitórias à frente do oitavo, Canoas, cinco pontos a mais do que o Bento Vôlei, nono colocado.

O resultado refletiu a fase de ascensão do time no campeonato: nas últimas cinco rodadas, o Minas Tênis Clube conquistou três vitórias e dez pontos, obtendo um ponto, inclusive, diante do Sesi, em São Paulo, na rodada passada.

Ellen e Rodriguinho
Num momento do campeonato em que vários jogadores lesionados têm desfalcado suas equipes (falaremos deles mais abaixo), dois jogadores tidos como “reservas” foram bem na rodada.

Na sexta-feira, Ellen substitui Alix Klineman e marcou 17 pontos na vitória do Praia Clube sobre o Pinheiros por 3 a 0 – de quebra, ainda foi eleita a melhor jogadora em quadra.

Já no sábado, na vitória do Sada Cruzeiro sobre o Maringá, quando Filipe deixou a quadra contundido, ao término da segunda parcial, Rodriguinho entrou no jogo e obteve nada menos que quatro aces.

DESCE

Times do sul
As cinco equipes da região Sul do país que disputam a Superliga não só foram derrotados na rodada como também não somaram nenhum ponto. A ressalva que cabe é que só o Caramuru/Castro, lanterna da Superliga masculina, que perdeu por 3 a 1 para o JF Vôlei, não enfrentou uma equipe candidata ao título em algum dos naipes.

Canoas não passou pelo Brasil Kirin, mas segue no G8 (Fernando Potrick/Gama)

Canoas não passou pelo Brasil Kirin, mas segue no G8 (Fernando Potrick/Gama)

Por outro lado, a rodada e a situação dos times de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul na tabela mostram a distância que existe em relação às principais equipes sudestinas.

O Lebes/Gedore/Canoas perdeu em casa para o Brasil Kirin (3 a 1) e só não saiu do G8 porque o Bento Vôlei/Isabela foi batido pelo Sesi pelo mesmo placar – pela marcha da competição, parece que só haverá lugar para uma das duas equipes gaúchas nos playoffs.

Vice-lanterna, a Copel Telecom Maringá não teve muita chance diante do Sada Cruzeiro e perdeu por 3 a 0, seguindo a quatro pontos do São Bernardo na luta para fugir da seletiva.

Na competição feminina, o Rio do Sul perdeu em casa para o Vôlei Nestlé por 3 a 0 e está na nona posição, sete pontos atrás do oitavo, o Pinheiros.

Ponteiros lesionados
A fase não está boa para alguns dos principais ponteiros da Superliga. Seja pela sequência de partidas, seja por algum acidente de jogo ou de treino, vários titulares da entrada de rede estão lesionados.

Murilo, na Copa Brasil, com proteção no cotovelo (Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

Murilo, na Copa Brasil, com proteção no cotovelo (Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

Lucarelli, da Funvic/Taubaté, com uma lesão no calcanhar, e Murilo, do Sesi, ainda não totalmente recuperado de um problema do cotovelo, não jogam há duas semanas, desde as semifinais da Copa Brasil.

Quem também não atua desde a Copa Brasil é a norte-americana Alix Klineman. Ela sofreu uma luxação no dedo mínimo da mão direita durante um treinamento e desfalcou o Dentil/Praia Clube nas duas partidas da semana – contra Rio do Sul e Pinheiros.

E no sábado, o Sada Cruzeiro pôs o time titular para o jogo contra a Copel Telecom Maringá e perdeu Filipe no último ponto do segundo set. O ponteiro saiu do jogo com uma torção no tornozelo direito. Mais tarde, disse nas redes sociais que o pé estava inchado e que deverá fazer exames nesta segunda-feira para ver a gravidade da lesão.

Arbitragem na Vila Leopoldina
Como fez falta o vídeo check, no jogo entre Sesi e Bento Vôlei/Isabela. Dentre muitas reclamações da equipe gaúcha – umas com razão, outras sem motivo –,o lance emblemático foi o que definiu o terceiro set da partida.

Com 1 set a 1 no placar e 24 a 23 para o time da casa no marcador da parcial, a arbitragem anotou como fora uma bola boa do ponteiro Clint, o que levou à virada sesista na partida.

É óbvio que nada indica que a equipe de Bento Gonçalves venceria o jogo nem, sequer, a parcial (ficaria 24 a 24, bom lembrar). Mas para um time que está lutando ponto a ponto por uma vaga no G8, perder um set por conta de uma marcação equivocada do auxiliar e dos árbitros é complicado.


Em jogo dramático, Sesi encerra longa invencibilidade do Sada Cruzeiro
Comentários Comente

João Batista Junior

Sesistas comemoram: virada sobre Sada Cruzeiro parecia improvável (fotos: Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

Sesistas comemoram: virada sobre Sada Cruzeiro parecia improvável (fotos: Bruno Miani/Inovafoto/CBV)

O Sada Cruzeiro não saía derrotado de quadra num jogo oficial há mais de dez meses, quando escalou uma equipe reserva e caiu para o Juiz de Fora, na rodada que fechou a fase classificatória da Superliga anterior. Campeão de tudo na temporada passada, a última vez em que o time mineiro não levou para a estante um troféu em disputa foi em fevereiro de 2015, quando perdeu a final do Sul-Americano, em San Juan (Argentina), para a UPCN Voley. Contudo, na noite da quinta-feira, pelas semifinais da Copa Brasil, o Sesi quebrou as duas escritas – a da invencibilidade e a da sequência de títulos do time celeste.

Numa partida nervosa e de tie break espetacular, no ginásio Taquaral, em Campinas, a equipe paulista venceu por 3 sets a 2, com parciais de 23-25, 23-25, 25-23, 25-20, 17-15. É claro que a Copa Brasil nem se aproxima da importância da Superliga, mas a reta final desse confronto foi o retrato vibrante de um jogo com ares de campeonato à parte.

Primeiro, Murilo esqueceu a cautela com o cotovelo que o tirou de quadra por um mês, soltou o braço numa cortada pela entrada de rede e fez, para Bruno, um gesto de quem pede mais bolas para atacar. Depois, Leal levou para o pós-jogo uma exacerbada reclamação com a arbitragem por uma anotação de toque na rede – lance que levou os rivais a terem o match point.

Curta o Saída de Rede no Facebook

O JOGO

A partida demorou a engrenar. Nas duas primeiras parciais, os times apostaram e erraram demais no saque. Nessa toada, o melhor momento foi quando o Sesi vencia por 21 a 14 e uma sequência do ponteiro Filipe no serviço pôs o Sada Cruzeiro no set e no jogo.

Theo encara o bloqueio de Simón

Theo encara o bloqueio de Simón

No duelo particular entre os levantadores campeões olímpicos, William tinha mais alternativas para o ataque do que Bruno: enquanto o cruzeirense contava com a eficiência de Leal e a força de Evandro, o sesista tinha de trabalhar com um passe menos redondo e contra um bloqueio pesado do outro lado da rede.

O panorama mudou quando, a partir do terceiro set, as duas equipes maneiraram no saque e se permitiram jogar mais. Se a mudança no ritmo da partida deixou o jogo mais atraente para o torcedor, em quadra, a nova dinâmica só poderia beneficiar a quem de fato beneficiou: quem estava atrás no placar.

Zé Roberto mantém 500 vídeos para ajudar na caça de medalhas na seleção

O sistema defensivo do Sesi apareceu, assim como o ataque de Theo pela saída de rede. A recepção do sexteto da Vila Leopoldina melhorou e Bruno pôde dispor de sua melhor jogada, a bola rápida de meio com Lucão.

O equilíbrio presente nos três primeiros sets dissipou-se na quarta etapa. O tie break, discutido até depois do último apito, chegou a estar 13 a 11 para o Sada, quando o Sesi encontrou fôlego e bloqueio para uma virada que, pelo retrospecto histórico e pelo 2 a 0, parecia improvável.

Na final, o Sesi encontra a Funvic/Taubaté.

Vão sofrer até ganhar maturidade”, diz Paula sobre renovação na seleção

FUNVIC/TAUBATÉ VS. BRASIL KIRIN

Wallace: melhor do Taubaté no ataque

Wallace: melhor do Taubaté no ataque

A Funvic/Taubaté não passou grande apuro para vencer o Brasil Kirin por 3 sets a 0 (25-22, 25-22, 25-19). O placar refletiu a superioridade do time visitante em quadra, uma diferença incompatível com a situação atual dos dois sextetos na Superliga – só um ponto separa o Taubaté, terceiro colocado, da equipe de Campinas, quarta.

As ações na partida só estiveram, de fato, equilibradas na primeira parcial, quando erros no passe e no ataque atrasaram a fuga dos tricampeões paulistas na dianteira. Quando o time visitante se ajustou, o jogo trilhou um caminho sem desvio.

Com técnicos assegurados, CBV trabalha por credibilidade

O oposto Wallace, em dia inspirado, foi a melhor opção para o levantador Raphael no ataque. Outro que se destacou, com boas passagens no saque e ótima presença no bloqueio, foi o meio de rede Éder. Lucarelli, que saiu no segundo set com uma lesão no calcanhar, teve uma atuação fraca.

Qualificado às semifinais sem passar pelas quartas, graças ao fato de Campinas hospedar a fase final da competição, o Brasil Kirin despediu-se do torneio sem vencer um set, sequer. Com problemas no passe, Rodriguinho pouco acionou os centrais e não encontrou consistência nos atacantes das pontas – nem com Rivaldo na saída e nem com Bruno Temponi e Diogo na entrada de rede.

A partida entre Sesi e Funvic/Taubaté será disputada no sábado, a partir das 15h30 (horário de Brasília), com transmissão pelo SporTV e pela TV Brasil. O duelo reedita a final dos três últimos campeonatos paulistas, todos vencidos pelo time do interior.


Brasil faz seu melhor jogo na Olimpíada para chegar perto do ouro
Comentários Comente

Carolina Canossa

Brasileiros voltaram a jogar como na Liga Mundial (Fotos: FIVB)

Lipe e Lucarelli tiveram excelentes atuações mesmo após problemas físicos (Fotos: FIVB)

Os altos e baixos vividos ao longo da Rio 2016 justificavam a desconfiança. Não bastasse isso, do outro lado da quadra estaria um velho carrasco que, na base da potência, poderia se aproveitar de Ricardo Lucarelli e Lipe, ambos em quadra no sacrifício após sofrerem com problemas físicos nas quartas contra a Argentina.

Mas um encanto parecia ter acontecido quando rolou o primeiro saque no Maracanãzinho. O que se viu contra a Rússia foi a melhor partida dos comandados de Bernardinho em toda Olimpíada. O 3 a 0, parciais de 25-21, 25-20 e 25-17, enchendo os donos da casa de moral para a grande final contra a Itália.

Ouro de Alison e Bruno refletiu o equilíbrio no vôlei de praia

O excelente saque demonstrado durante quase toda a Liga Mundial finalmente desembarcou no Rio de Janeiro. Com muita variação, o Brasil quebrou a recepção rival desde o início da partida, facilitando demais o trabalho do sistema defensivo. Lipe e Lucarelli, por sua vez, nem pareciam estar machucados: viraram muitas boas, desafogando Wallace, e ainda deram conta do trabalho ao receber o serviço rival, que pecou pelo excesso de força.

Além do mais, Mikhaylov não é Muserskiy. É verdade que o oposto russo ficou a apenas dois pontos dos feitos por Wallace (16 a 18), mas não por acaso, há quatro anos, foi deslocado para a ponta, dando lugar ao central na saída de rede, naquela inesquecível virada em Londres. Sem o próprio Muserskiy, que não veio ao Brasil por problemas no joelho, o técnico Vladimir

Alekno dessa vez não tinha um Muserskiy para mudar o jogo

Alekno dessa vez não tinha um Muserskiy para mudar o jogo

Alekno não teve nenhuma carta na manga dessa vez. Apático e sem ideias, o máximo que ele tentou foram as manjadas inversões 5-1 no fim dos dois primeiros sets e a entrada de Ermakov no lugar de Kliuka na etapa decisiva.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Agora, porém, será preciso baixar a empolgação porque a Itália é um rival com muito mais qualidade que os russos e está mostrando isso na Olimpíada. A começar, dificilmente vai errar tantos saques na decisão. Também possui um levantador melhor e mais opções de ataque, com o trio Zaytsev, Juantorena e Lanza em grande forma. A única previsão para esta partida é que teremos um jogão entre dois times que passaram os últimos anos com o estigma de falharem nos momentos decisivos.

O fato de os italianos não terem feito o menor esforço para vencer o Canadá, complicando o Brasil na fase classificatória, dará um tempero a mais em um jogo que já seria especial apenas por ser uma das maiores rivalidades do vôlei. Ganhar um ouro com uma vitória justamente sobre a Itália seria o final perfeito para outra história de ressurreição épica.


Cada vez mais no sacrifício, Brasil avança à semifinal olímpica
Comentários Comente

Carolina Canossa

Serginho x Argentina

Serginho e Wallace estão sendo fundamentais na Olimpíada (Fotos: FIVB)

Um dia após a precoce eliminação da seleção brasileira feminina de vôlei na Olimpíada do Rio de Janeiro, foi a vez dos homens. O duelo não era tão perigoso quanto o das mulheres diante da China, mas do outro lado da rede havia uma Argentina disposta a repetir a história de Sidney 2000 no nosso quintal. Não foi dessa vez: em 1h45 de jogo, o time de Bernardinho saiu de quadra com 3 sets a 1 no placar, parciais de 25-22, 17-25, 25-19 e 25-23.

Depois de atingir Murilo e quase provocar o corte de Maurício Souza, o fantasma das lesões voltou a assombrar os donos da casa: primeiro, Ricardo Lucarelli sentiu a coxa. Depois, foi a vez de Lipe ter dores na lombar. Se com os dois em boa forma as dificuldades na recepção brasileira já eram evidentes, o drama dos torcedores ficou ainda maior nessas quartas. A Argentina bem que tentou explorar isso com um saque potente, mas também teve sua dose de má sorte, quando seu principal jogador, Facundo Conte, sofreu uma torção no tornozelo e foi mais um a jogar no sacrifício.

A derrota para a China e a necessidade de olhar adiante

A sorte do Brasil é que ainda pode contar com Serginho. É verdade que o líbero já viveu tecnicamente momentos melhores, mas ele tem exercido um papel fundamental na seleção nesta Olimpíada. Além de ser um líder, o veterano ainda conseguiu cobrir bem a linha de passe prejudicada pelas lesões dos companheiros. No ataque, Wallace voltou a chamar a responsabilidade, como já havia ocorrido contra a França. É ansioso e toma bloqueios desnecessários por isso, mas fez quase um set inteiro em pontos nesta quarta (17). Não fosse por ele, provavelmente a equipe não teria chegado entre as quatro melhores.

Lucarelli Argentina

Lucarelli precisou voltar no sacrifício após Lipe sentir dores

O público que compareceu a um Maracanãzinho que tinha clima de clássico de futebol no Maracanã viu ainda a seleção masculina ter força mental suficiente para sair do buraco que se colocou no tenebroso segundo set, quando errou tudo a que tinha direito e foi atropelada pelos rivais. No intervalo antes da terceira parcial, os jogadores se reuniram em uma rodinha e conversaram bastante. Não sei o que falaram, mas foi notório como a intensidade e a concentração dali em diante foram outras.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Quanto a você, torcedor, prepare-se: tudo indica que as emoções estão longe de acabar. Tradicionalmente uma força no saque, a Rússia vai tentar explorar as dificuldades cada vez maiores do Brasil no passe. Também será necessário desafogar Wallace, que dificilmente dará conta de superar sozinho um time que conta com Artem Volvich e Maxim Mikhaylov, os dois melhores bloqueadores da competição até o momento. Complicado? Bastante, mas longe de ser impossível.

————-

Receba notícias de vôlei pelo WhatsApp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 94546-6166 (não esqueça do “+55″); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: giba04


Em jogo de muitos erros, Brasil avança na raça e no embalo da torcida
Comentários Comente

Carolina Canossa

Entrada de Lipe foi importante para a sobrevivência do Brasil, ainda que ele tenha cometido erros eventuais (Fotos: FIVB)

Entrada de Lipe foi importante para a sobrevivência do Brasil, ainda que ele tenha cometido erros eventuais (Fotos: FIVB)

Não foi uma apresentação dos sonhos, mas foi o suficiente. Em uma partida com uma carga enorme de dramaticidade, a seleção brasileira masculina de vôlei bateu a França por 3 sets a 1 (25-22, 22-25, 25-20 e 25-23) e garantiu sua sobrevivência na Olimpíada do Rio de Janeiro. De quebra, mandou os Bleus, um dos mais fortes candidatos ao pódio, mais cedo de volta pra casa.

Curioso é que o Maracanãzinho lotado, aquele mesmo que o craque Earvin Ngapeth não temia, teve papel importante na vitória. Pressionados e com um ginásio inteiro torcendo contra, os europeus erraram demais: 33 vezes, sendo 22 no saque. A estratégia era clara: desestabilizar a hesitante recepção brasileira. Mas, alçado à condição de titular no jogo mais importante do ciclo olímpico, Lipe correspondeu à altura, em que pese algumas falhas eventuais. O ponteiro ainda se destacou no saque, sendo a principal arma do Brasil no fundamento.

Seleção feminina está pronta para o tri, mas não pode perder o foco

Não podemos deixar de também falar de Wallace, que provavelmente fez seu melhor jogo com a camisa amarela. Com quase 60% de aproveitamento no ataque, ele foi o desafogo do time brasileiro e impediu a França de escapar no placar nos momentos em que Ricardo Lucarelli saiu do jogo. Lucarelli, aliás, precisa encarar a partida desta segunda (15) como lição de amadurecimento: só de toques bobos na rede, foram cinco. Sou capaz de dizer que ele só não foi para o banco porque nem Maurício Borges nem Douglas Souza inspiram confiança. Bruno, por sua vez, cansou de alçar bolas coladas à rede, mas fez uma boa distribuição entre os atacantes à disposição.

Rouzier teve uma bela atuação, mas não foi suficiente

Rouzier teve uma bela atuação, mas não foi suficiente

Erros à parte, a França fez sua melhor (ou menos pior) apresentação no Rio de Janeiro. Ainda que Ngapeth tenha enchido os olhos dos fãs com jogadas espetaculares, quem brilhou mesmo foi o oposto Rouzier, responsável por nada menos que 26 pontos. Mas, numa grande ironia do esporte, coube justamente a ele o erro que encerrou o duelo.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Se quiser pelo menos beliscar o pódio, a seleção masculina ainda tem muito a melhorar. Mas os rivais que se atentem: o time de Bernardinho sobreviveu. E ainda tem um duelo teoricamente favorável contra a Argentina nas quartas – na Liga Mundial 2016, que psicologicamente parece ter sido disputada há dez anos, a vitória foi por 3 a 0. É um rival treinado por um grande técnico, Julio Velasco, e, por isso, perigoso, especialmente se assumir a condição de franco-atirador. Porém, é a melhor notícia possível para Bernardinho nesse momento. Teria a sorte virado de lado?

————-

Receba notícias de vôlei pelo WhatsApp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 94546-6166 (não esqueça do “+55″); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: giba04