Blog Saída de Rede

Arquivo : Liga Russa

Campeão mundial dá adeus às quadras
Comentários Comente

Sidrônio Henrique

O ponta e capitão Michal Winiarski ergue o troféu de campeão mundial em 2014 (foto: FIVB)

Um dos ponteiros mais completos do mundo, o polonês Michal Winiarski, 33 anos, dá adeus às quadras. O atacante, campeão mundial com a seleção da Polônia em 2014, anunciou nesta sexta-feira (14) que vai parar de jogar voleibol por causa das intensas dores lombares que o fizeram se ausentar a maior parte do tempo na temporada. A despedida oficial será nesta quarta-feira (19), em um dos intervalos da primeira partida da série final da liga polonesa (PlusLiga), entre seu clube, Skra Belchatow, e Zaksa Kedzierzyn-Kozle, na cidade de Lodz.

Siga @saidaderede no Twitter
Curta o Saída de Rede no Facebook

Jogador refinado, ex-capitão do selecionado polonês, Winiarski vinha apresentando problemas físicos ao longo desta década – além das dores lombares, teve de lidar com lesões nos dois joelhos e no ombro direito. O anúncio da sua aposentadoria, feito inicialmente pelo Skra Belchatow e mais tarde replicado pela Federação Polonesa de Vôlei (PZPS), não foi exatamente uma surpresa. Na temporada atual e na anterior da PlusLiga, o ponta de 2m pouco jogou – ficou mais de 100 dias longe das quadras agora no período 2016/2017.

Vitória sobre o Brasil
Winiarski fez sua última aparição pela seleção em grande estilo, levantando o troféu de campeão mundial em casa, em 2014, diante de 12 mil torcedores que lotaram a Spodek Arena, em Katowice, para ver a vitória de virada da Polônia sobre o Brasil por 3-1. Foi peça importante na conquista, ainda que as dores lombares o tenham deixado fora de algumas partidas do desgastante torneio, que se arrastou por três semanas.

O ponteiro posicionado para receber um saque (FIVB)

Melhor passador em Pequim 2008
Entre seus títulos estão ainda o da Liga Mundial 2012, torneio que fez os poloneses acreditarem que seriam capazes de ficar com o ouro na Olimpíada de Londres, disputada menos de um mês depois – perderam para a sacadora Bulgária e para a esforçada Austrália na primeira fase, se viram obrigados a encarar a Rússia nas quartas de final e foram despachados em sets diretos. Quatro anos antes, ao lado do ponta Sebastian Swiderski e do oposto Mariusz Wlazly, destacou-se nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando a Polônia foi eliminada num jogo dramático de quartas de final contra a Itália, decidido por 17-15 no tie break. Michal Winiarski foi o melhor passador e ficou entre os dez atacantes mais eficientes em Pequim 2008.

Novo astro do vôlei alcança 80 cm acima do aro de basquete
Carrasco do Brasil em Pequim 2008 dá adeus ao vôlei

Antes disso, já havia chamado atenção, com 23 anos recém-completados, como um dos melhores ponteiros do Mundial 2006. A Polônia chegou à final, sendo triturada por 3-0 pela seleção brasileira, de Ricardinho, Giba, Gustavo, entre outros craques. Mas Winiarski, que havia acabado de assinar contrato com o Trentino, da Itália, foi um dos destaques do campeonato. Jogou também na liga russa, pelo Fakel Novy Urengov, mas passou mesmo a maior parte do tempo no Skra Belchatow – entre idas e vindas, esta é a sua oitava temporada, tendo conquistado o título da PlusLiga três vezes. No Trentino, venceu a liga italiana 2007/2008 e a Liga dos Campeões da Europa 2008/2009. Pela seleção, ficou ainda com a prata na Copa do Mundo 2011.

Em oito temporadas no Skra, Winiarski venceu a PlusLiga três vezes (Divulgação/Skra Belchatow)

Peça fundamental
Era o equivalente a Nalbert ou Murilo na seleção polonesa. Peça fundamental enquanto esteve em forma. Extremamente popular entre os fãs, seu nome era o mais visto nas costas das camisas da seleção que os torcedores utilizavam durante o Mundial 2014. Retraído, era comum que pedisse desculpas durante entrevistas por causa de sua timidez excessiva. As respostas quase sempre eram lacônicas, para surpresa dos estrangeiros e desespero da mídia polonesa, ávida por uma declaração a mais dos seus ídolos, a maioria disposta a embarcar em alguma polêmica. Winiarski optou pela discrição, ajudado pelo fato de ser tímido.

Minas perdoa demais e empurra o operário Rexona para mais uma final

Em 2015, ciente de que não teria chance de disputar a Rio 2016, aquela que seria sua terceira Olimpíada, disse a uma emissora de TV polonesa que trocaria o ouro do Mundial 2014 por um bronze olímpico.

Para Zé Roberto, será difícil competir de cara com os grandes da Superliga

No anúncio feito pelo Skra Belchatow, Winiarski falou sobre superação. “Aprendi durante todos esses anos jogando voleibol que não há nada que impeça o sol de aparecer depois da chuva. Cedo ou tarde, ele virá. É por isso que, quanto mais chove, maior prazer o sol te dá”.


Maluco beleza do vôlei oferece dinheiro para árbitro apitar direito
Comentários Comente

Sidrônio Henrique

Ex-jogador da seleção russa, o ponta defende atualmente o modesto Yenisey Krasnoyarsk (foto: FIVB)

O ponta russo Alexey Spiridonov, quase sempre no papel de maluco beleza do vôlei, continua aprontando das suas. Neste fim de semana, o atacante de 28 anos e 1,96m, conhecido tanto pelo seu talento como pelas constantes provocações, se superou. Irritado com a arbitragem durante um jogo da liga russa entre Yugra Samotlor e Yenisey Krasnoyarsk, seu clube, ele ofereceu, por meio de gestos e palavras, dinheiro ao segundo juiz para que “apitasse de maneira justa”. O Krasnoyarsk, visitante, perdeu a partida de virada por 1-3. O clube de Spiridonov está em oitavo lugar na tabela. Catorze equipes disputam a temporada 2016/2017, liderada pelo Zenit Kazan, que está invicto com 24 vitórias.

Curta o Saída de Rede no Facebook
Siga @saidaderede no Twitter

“Os árbitros estavam ali para se certificar de que perderíamos a partida. Fazia tempo que eu não via um jogo da liga russa em que um time recebeu tanta ajuda. Que vergonha! Ganhei um cartão amarelo antes da partida começar, depois recebi um cartão vermelho e não sei nem a razão. Aí fui até o segundo árbitro e lhe ofereci dinheiro, só para que apitasse de maneira justa pelo restante da partida”, disse Spiridonov ao site russo sport.business-gazeta.ru.

Mesmo derrotados, Pinheiros e Bauru se destacam na abertura dos playoffs
Mari: “Acho difícil surgirem tantas jogadoras boas como na minha geração”

O ponteiro havia recebido um cartão amarelo antes mesmo início da partida por chutar um dos postes de sustentação da rede. O vermelho veio depois de uma reclamação de Spiridonov contra o segundo árbitro, que indicou toque no bloqueio após um ataque do adversário que o ponta dizia ter sido fora. O ex-jogador da seleção russa, cuja carreira é marcada pela indisciplina, não chegou a ser expulso da partida. Nesta segunda-feira (20), porém, a Federação Russa decidiu multá-lo em 10 mil rublos, o equivalente a R$ 537,58 – valor apenas simbólico. A penalidade foi aplicada, segundo a federação, “devido ao comportamento rude do atleta”.

Histórico de indisciplina
Spiridonov, que foi cortado semanas antes dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 por ter chegado embriagado à concentração da seleção e que não foi convocado para a Rio 2016, tem um histórico de confusões envolvendo colegas e adversários, incluindo o ex-técnico da seleção brasileira masculina Bernardinho. O então treinador do Brasil, durante as finais da Liga Mundial 2013, disse que o russo se comportava como um louco. Após a vitória sobre os brasileiros na final do torneio, Spiridonov fez um gesto obsceno para as câmeras e mencionou o nome de Bernardinho. Um ano antes, na liga russa, irritou tanto o levantador Sergey Grankin, colega de seleção e oponente na partida, que o adversário cruzou a rede para agredi-lo, sendo contido pelos demais.

Apelidado de Tintin pelo ponta francês Guillaume Samica, por sua semelhança com o personagem de quadrinhos belga, Alexey Spiridonov é um ponta completo, mas viu sua carreira prejudicada pelo pavio curto. Jogou as duas últimas temporadas pelo Zenit Kazan, mas foi dispensado no ano passado. Já se envolveu em polêmicas até mesmo fora da quadra, como quando debochou, em 2015, do embargo do governo russo aos produtos poloneses, irritando torcedores e jogadores da seleção da Polônia.


Campeão na Rio 2016 recebe dinheiro de clube russo dois anos após calote
Comentários Comente

Sidrônio Henrique

Atualmente o ponteiro da seleção Maurício Borges joga na equipe turca Arkas Izmir (foto: FIVB)

A longa briga entre o ponteiro brasileiro campeão olímpico Maurício Borges e o clube russo Fakel Novy Urengov, que se arrastava havia pouco mais de dois anos, finalmente chegou ao fim. O atleta processou e ganhou a causa contra o time, que o havia contratado para a temporada 2014/2015, mas o dispensou antes mesmo da apresentação, alegando que devido a perda de alguns patrocinadores não poderia manter os estrangeiros na equipe. Na época, setembro de 2014, Borges estava com a seleção brasileira na Polônia, na disputa do Campeonato Mundial. Nesta quinta-feira (8), o ponta recebeu integralmente o valor que havia pedido, correspondente àquela temporada em que foi dispensado pelo Fakel.

O ganho de causa já havia sido dado pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB), que é quem arbitra esses casos, em agosto deste ano. Faltava receber o dinheiro. Não mais. “Estou muito satisfeito com o desfecho, foi muito importante para mim, pois não vou ficar no prejuízo”, disse Borges, campeão na Rio 2016, ao Saída de Rede.

Saque e bloqueio do Brasília equilibram jogo, mas Rexona segue invicto
Rússia adia anúncio do sucessor de Marichev na seleção feminina
Curta o Saída de Rede no Facebook

Jogadores ou técnicos que deixam de receber o valor definido em contrato não são raros no voleibol. Na liga russa, então, isso tem ocorrido com mais frequência nas últimas três temporadas. Nem sempre as partes chegam a um acordo e a disputa vai parar na FIVB. Os casos são avaliados por um tribunal da entidade que analisa disputas financeiras. Se a FIVB decidir que o clube deve pagar e este não o fizer, a saída é recorrer à justiça comum do país onde há o imbróglio. Como ficaria impedido pela FIVB de contratar outros estrangeiros e de disputar competições fora da Rússia, o Fakel pagou ao brasileiro.

Atualmente, por exemplo, um levantador, um líbero e um técnico brasileiros tentam receber salários atrasados de outro clube russo, numa situação que se alonga há quase dois anos e se repete com diferentes profissionais que passaram pela liga daquele país. O SdR opta por não divulgar nomes de casos em disputa para não atrapalhar eventuais acordos. Em relação a Borges, com a situação já definida, o valor é mantido em sigilo em respeito ao atleta.

Após a dispensa
Com os principais clubes do Brasil e do exterior tendo seus elencos já definidos quando foi comunicado da dispensa pelo Fakel Novy Urengov, Maurício Borges ainda conseguiu fechar com o Sesi para o período 2014/2015, mas por um valor bastante inferior ao contrato com a equipe russa. Desde a temporada passada, o ponteiro da seleção brasileira está no Arkas Izmir, clube turco treinado pelo canadense Glenn Hoag e que atualmente conta com o também ponta brasileiro João Paulo Bravo. Borges renovou com o clube para esta temporada e disputa, além do campeonato turco, a Liga dos Campeões da Europa.

Cronologia do caso
Em setembro de 2014, Maurício Borges deu entrada, por meio de seu agente e de seu advogado, ao processo na FIVB. Em junho de 2015, a Federação publicou a decisão, dando ganho de causa ao atleta, exigindo que o clube russo pagasse o valor integral do contrato pela temporada 2014/2015. O Fakel Novy Urengov recorreu. O advogado do brasileiro apresentou as contrarrazões. Em agosto de 2016, a FIVB divulgou a decisão definitiva a favor de Borges, obrigando o time russo a pagá-lo.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>