Blog Saída de Rede

“Pedradas” de sérvia no saque viram arma do Vôlei Nestlé para a final

Carolina Canossa

Bjelica: pedidos de Luizomar para ''respirar'' e não sacar tão forte (Foto: Luiz Pires/Fotojump)

Se no ataque a oposta Ana Bjelica não tem conseguido ser a bola de segurança do Vôlei Nestlé, a sérvia deu outro jeito de se destacar na reta final da Superliga feminina de vôlei: graças um saque classificado como ''pedrada'' pela comissão técnica da equipe, a atacante aparece uma importante arma a ser utilizada na final da disputa contra o Rexona-Sesc neste domingo (23) às 10 horas.

''Ela é uma jogadora que lança muito bem a bola, em projeção, com uma batida já quase dentro da quadra. Além disso, é grande, tem quase 1,90 m de altura, e pega a bola com o braço estendido no ponto mais alto'', analisou o técnico Luizomar de Moura, lembrando que a atleta também erra pouco no fundamento. ''Essa regularidade lhe dá confiança para continuar forçando'', complementou.

Erros de arbitragem mancham a Superliga: o que está sendo feito para mudar essa realidade?

Minas perdoa e empurra o ''operário'' Rexona para mais uma final

Por ter alternado a titularidade ao longo da Superliga com Ana Paula Borgo, Bjelica acumulou menos tentativas de saque que outras atletas e, por isso, não aparece no top 10 do fundamento como a companheira Tandara. Mas os 23 aces e as diversas linhas de passe quebradas em 184 saques realizados acendem um sinal de alerta no Rexona. ''Me preocupa muito o saque da Bjelica, que tem mostrado o poder de complicar os ataques adversários, associado a uma capacidade de bloqueio muito grande'', afirmou o técnico Bernardinho.

Um exemplo recente de tal capacidade ocorreu no terceiro set do terceiro jogo da semifinal contra o Dentil/Praia Clube. Graças a três bons saques de Bjelica, o Vôlei Nestlé conseguiu reverter um 23-24 para um 26-24, acabando de vez que o ânimo do time mineiro, que pouco ofereceu resistência na parcial seguinte e acabou eliminado da disputa.

Bloqueio da sérvia também chama a atenção de Bernardinho (Foto: João Pires/Fotojump)

''Eu já tinha um bom saque antes e essa melhora é apenas fruto de treino. Treinamos muito aqui e focamos muito neste fundamento, pois sabemos que no vôlei o saque é uma das coisas mais importantes do jogo'', comenta a simpática estrangeira.

Curta o Saída de Rede no Facebook!

Siga-nos no Twitter: @carolcanossa

Os treinos aos quais se refere Bjelica tiveram um propósito em especial: fazer com que ela não se empolgasse tanto com os acertos. Luizomar explica: ''No começo, ela era meio ''doidinha''. A cada ponto, colocava mais força na bola, que ia quase na placa de publicidade. Hoje, eu falo 'Calma, respira', para ela dar uma segurada''. A oposta admite que realmente precisava deste conselho: ''Eu realmente tenho um saque muito forte (risos) e às vezes perco o controle da força. Mas tenho um ótimo relacionamento com o Luizomar, então ele pode falar o que for necessário que eu farei''.

Questionada se pode sacar ainda melhor, Bjelica deu uma resposta sucinta: ''Claro: na final!''. Resta saber se a sérvia conseguirá cumprir a promessa.